Matérias em Destaque

Mais um projeto de lei equivocado para modificar o... Pela Legitima Defesa Cel. Paes de lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=tSzpv6N5ui8

Leia mais...

Idoso defende o lar e repele roubo. Enquanto isso,... PLD em foco Cel. Pes de Lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=OP81V6lfdCQ

Leia mais...

Entram em vigor (ou não!?) novos decretos regulamentadores... Pela Legitima Defesa em Foco Cel. Paes de Lira comenta https://www.pelalegitimadefesa.org.br/npld/

Leia mais...

Voto de semideus não surpreende, embora nos indigne:... PLD em Foco Cel. Paes de Lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=hQLuF6YRL4I Voto de semideus não surpreende, embora nos indigne: é o mecanismo de anulação do Executivo em ação

Leia mais...

PÚSTULAS DILETAS  "...Salvador Allende implantou enérgico programa de comunistização do Chile sem recorrer a legislação nova. Com base em legislação de governos burgueses, “los resquicios legales”, pôde impor...

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Comerciante se defende, mata criminoso e vai preso: um absurdo!

Publicado em: 29-06-2012 | Por: bidueira | Em: PLD em Foco

0

PLD em Foco

Se a justi??a do Rio Grande do Sul agiu corretamente no caso da Vov?? ga??cha que se defendeu e matou o bandido, foi lament??vel a tomada de atitude do delegado em S??o Paulo. Apesar do comerciante atuar em leg??tima defesa, ficou detido por uma noite!

o

Sainte Chapelle: imenso relic??rio feito de vitrais

Publicado em: 25-06-2012 | Por: bidueira | Em: Sem categoria

0

Paraguai-Cuba: dois pesos e duas medidas

Publicado em: 24-06-2012 | Por: bidueira | Em: Pol??tica Internacional

0

Paraguai-Cuba: dois pesos e duas medidas

Destaque Internacional

Os governos de esquerda, radicais e moderados, ao mesmo tempo em que pressionam o Paraguai, abrem as portas dos m??ximos organismos regionais como a OEA, o Mercosul e a Unasul
?? Cuba comunista.

1. O Poder Legislativo do Paraguai destituiu o esquerdista presidente Lugo em uma r??pida e quase un??nime vota????o na C??mara dos Deputados e no Senado. 76 deputados, de um total de 80, e 39 senadores, de um total de 45, votaram a favor da destitui????o. Os legisladores paraguaios alegam que se basearam estritamente na Constitui????o, a qual permitiria processos r??pidos de destitui????o. Os governos mais radicalmente esquerdistas e anti-democr??ticos da regi??o, Venezuela, Bol??via e Equador, come??aram a rasgar as roupas e falam de golpe. Governos da esquerda mais moderada estudam a possibilidade de suspender o Paraguai de organismos regionais como o Mercosul e a Unasul, alegando que violaram-se as denominadas “cl??usulas democr??ticas” que constam dos estatutos de ambas as entidades internacionais, das quais o Paraguai ?? membro.

2. O concreto ?? que tanto os governos da esquerda radical quanto os governos da esquerda moderada, ao mesmo tempo em que agora come??am a pressionar o Paraguai, abrem as portas dos m??ximos organismos regionais como a OEA, o Mercosul e a Unasul ?? Cuba comunista. O “eixo” de governantes de esquerda, radicais e moderados, abrem portas, bra??os e cofres aos ditadores comunistas, apesar de que em Cuba violam-se desde h?? mais de meio s??culo todos e cada um dos princ??pios democr??ticos que hoje se alegam para condenar a complexa situa????o pol??tica paraguaia.

O governo brasileiro, por exemplo, que trata de justificar seu sil??ncio em rela????o ?? viola????o dos direitos humanos na Cuba comunista, alegando o princ??pio da n??o-interven????o nos assuntos internos dos Estados, na hora de pressionar o Paraguai parece se esquecer desse mesmo princ??pio de n??o-interven????o.

Dessa maneira, em rela????o ao Paraguai e a Cuba usam-se dois pesos e duas medidas.

3. A recente visita do presidente do Ir??, Mahmoud Ahmadinejad,

?? Am??rica Latina, passou para um segundo plano por causa da crise institucional no Paraguai, mas n??o conseguiu diminuir a import??ncia intr??nseca desse giro, o segundo em seis meses.


4. Na Venezuela, Ahmadinejad fortaleceu os v??nculos econ??micos e estrat??gicos com o governo de Ch??vez, que incluem a fabrica????o de equipamentos militares para o Ex??rcito venezuelano e a colabora????o no plano da energia nuclear.

5. Na Bol??via, o presidente iraniano tamb??m estreitou la??os militares com o governo do esquerdista Evo Morales, incluindo a ??rea da intelig??ncia militar, estabeleceu acordos para a explora????o das ricas jazidas de ur??nio dessa na????o andina e fortaleceu o “eixo” anti-norte-americano no continente.

6. Tanto na Venezuela quanto na Bol??via, dirigentes opositores, personalidades da sociedade e especialistas alertaram sobre o perigo que representava essa alian??a com o Ir?? para as soberanias dos respectivos pa??ses. Tamb??m ficou claro o objetivo de fortalecer as For??as Armadas, na medida em que v??o se transformando em fatores potencialmente revolucion??rios e de suporte para a continuidade de regimes esquerdistas.

7. No Uruguai, no mesmo sentido, tiveram ampla repercuss??o as declara????es da senadora Luc??a Topolansky, esposa do presidente Jos?? Mujica, ambos ex-guerrilheiros tupamaros, manifestando seu objetivo de “fazer um trabalho nas cabe??as” dos membros das For??as Armadas uruguaias, para p??-los do lado da Frente Ampla e assegurar a continuidade do projeto hegem??nico da esquerda uruguaia. A senadora Topolansky, passando por cima de preceitos constitucionais que determinam a neutralidade pol??tica dos militares em atividade, chegou a estabelecer uma meta para a primeira etapa da infiltra????o ideol??gica nas For??as Armadas uruguaias: contar com “um ter??o da oficialidade” e com “a metade da tropa”.

8. O plano Ahmadinejad e o plano Topolansky parecem coincidir, cada um ?? sua maneira e em seus respectivos ??mbitos de influ??ncia, em um mesmo objetivo de capta????o das For??as Armadas para eventuais aventuras revolucion??rias. Para alcan??ar esse objetivo hegem??nico, se dever?? obter uma conseq??ente desconstru????o de princ??pios e mentalidades dos membros das For??as Armadas que ainda possam oferecer resist??ncia a essas aventuras.

9. Diante de ambos os planos impulsionados pelo presidente Ahmadinejad e pela senadora Topolansky, nenhum dos governantes regionais fez a menor advert??ncia ou manifestou o menor sinal de inquieta????o. S??o os mesmos governantes que hoje clamam aos c??us pela crise institucional paraguaia, alegando cl??usulas democr??ticas estabelecidas em pactos continentais. S??o os mesmos governantes que alegam o princ??pio da n??o-interven????o nos assuntos internos de outros pa??ses para abrir os bra??os aos ditadores cubanos e para abrir as portas ?? Cuba nos mais importantes organismos continentais.

S??o dois pesos e duas medidas injustas, arbitr??rias e inaceit??veis.

Destaque Internacional – Ano XIV – n?? 349 – Madri – S??o Jos?? da Costa Rica – Santiago. Domingo, 24 de junho de 2012. Editorial interativo. S??o bem-vindas as sugest??es, opini??es e cr??ticas. Pode-se difundir livremente, inclusive sem citar a fonte.


Tradu????o: Gra??a Salgueiro

???RioMENOS20???: refuta????o s??ria e profunda das fraudes e das tramas da ofensiva ambientalista entusiasma audit??rio

Publicado em: 24-06-2012 | Por: bidueira | Em: Aquecimento Global

0

Painel ???RioMENOS20???: refuta????o s??ria e profunda das fraudes e das tramas da ofensiva ambientalista entusiasma audit??rio

Posted: 22 Jun 2012 11:30 PM PDT

Painel do IPCO ???RioMENOS20 ??? O que os jornais n??o ir??o publicar sobre a Rio+20  ??? Mitos e verdades sobre o desenvolvimento sustent??vel???
Painel do IPCO ???RioMENOS20 ??? O que os jornais n??o ir??o publicar sobre a Rio+20
??? Mitos e verdades sobre o desenvolvimento sustent??vel???

No Clube Homs de S??o Paulo teve lugar o Painel ???RioMENOS20 ??? O que os jornais n??o ir??o publicar sobre a Rio+20 ??? Mitos e verdades sobre o desenvolvimento sustent??vel??? com a presen??a de numeroso p??blico.

Os palestrantes foram o PhD em Meteorologia, Luiz Carlos Molion, professor de Climatologia e Mudan??as Clim??ticas da Universidade Federal de Alagoas, que desenvolveu o tema ???Mudan??as clim??ticas: realidade ou mito???;

??? o Dr. Jos?? Carlos Sep??lveda da Fonseca, analista pol??tico do Instituto Plinio Corr??a de Oliveira ??? IPCO;

??? Dom Bertrand de Orleans e Bragan??a, pr??ncipe imperial do Brasil e coordenador da campanha Paz no Campo.

De in??cio, Daniel Martins fez um breve apanhado da campanha realizada nesta semana em logradouros p??blicos do Rio de Janeiro por 20 jovens cooperadores do IPCO. Com suas becas e grandes estandartes eles distribu??ram folheto editado pelo Instituo que informa sobre as amea??as da ofensiva ambientalista, e as fraudes cient??ficas sobre as quais pretende se fundamentar.

Sep??lveda da Fonseca: Rio+20 ?? luz do pensamento  e das teorias de a????o de Plinio Corr??a de Oliveira.
Sep??lveda da Fonseca: Rio+20 ?? luz do pensamento
e das teorias de a????o de Plinio Corr??a de Oliveira.

A continua????o, Jos?? Carlos Sep??lveda da Fonseca analisou a Rio+20 ?? luz do pensamento e das teorias de a????o do Prof. Plinio Corr??a de Oliveira. Ele acentuou a obscuridade e indefini????o dos termos medulares da investida ambientalista, notadamente a express??o ???desenvolvimento sustent??vel???.

Todas as pessoas que querem se exibir como modernas e no vento, disse ele, pronunciam o termo ???sustent??vel??? sem, entretanto, saberem bem o que que significa.

Ele mostrou, ?? luz do ensinamento do Prof. Plinio Corr??a de Oliveira, que ???desenvolvimento sustent??vel??? e/ou ???sustentabilidade??? ?? um termo ???talism??nico???.

Quer dizer, uma express??o que sofre uma tors??o para englobar m??ltiplos significados indefinidos com a finalidade de desarmar os esp??ritos e predisp??-los a aceitar uma ideologia que est?? escondida por detr??s.

Com profus??o de documentos, Sep??lveda da Fonseca mostrou como esse ???talism????? ideol??gico est?? sendo utilizado na Rio+20 para justificar o aborto, a ???ideologia de g??nero???, o movimento anti-???homofobia???, a investida contra a propriedade privada, a ainda outras metas diversas. Esta pluralidade de tors??es analisada em detalhe apresenta um fundo ??nico: a ideia de que todo o que o mundo conheceu at?? agora como cultura, civiliza????o, progresso, desenvolvimento virou ???insustent??vel???, explicou.

E em ??ltima an??lise, como se p??de ver na Rio+20, o objetivo n??o confessado por??m mais din??mico da ???sustentabilidade??? ?? um retrocesso que visa abandonar h??bitos de consumo, de vida e de costumes civilizados e imergir na vida tribal, t??o elogiada na Rio+20.

A exposi????o do Prof. Molion  foi acompanhada com vivo comprazimento
A exposi????o do Prof. Molion
foi acompanhada com vivo comprazimento

O prof. Molion desenvolveu com ci??ncia segura e clareza did??tica as fraudes cient??ficas a respeito do suposto ???aquecimento global???. Com abund??ncia de esquemas e gr??ficos mostrou que os dados satelitais desmentem a teoria aquecimentista. E, pior ainda, apontam com a for??a dos n??meros uma tend??ncia ao resfriamento do clima na Terra nas ??ltimas d??cadas e com tend??ncia a se acentuar nos pr??ximos s??culos.

O especialista mostrou tamb??m a inconsist??ncia do alarmismo a prop??sito do derretimento do ??rtico, pois este est?? seguindo um ciclo t??pico influenciado pelas mar??s e pela Lua.

O n??vel dos mares que segundo o catastrofismo vai subir at?? alagar cidades como Nova York, ?? outra balela que n??o resiste ?? mais m??nima an??lise cient??fica, acrescentou.

A respeito do mexerico contra o CO2, o climatologista sublinhou que: ???o CO2 n??o controla o clima. N??o ?? vil??o! ?? o g??s da vida!??? Ele ?? o alimento das plantas, e se por absurdo fosse tirado o CO2 da atmosfera, n??o poder?? existir mais o homem nem nenhum vivente sobre a Terra.

Al??m do mais, a tentativa de reduzir as emiss??es desse g??s foram in??teis.

O homem n??o tem capacidade de mudar o clima global.

???Quanto mais CO2 tiver melhor! As plantas v??o crescer mais!???, acrescentou o professor com provas de laborat??rio.

A exposi????o do Prof. Molion foi acompanhada com vivo comprazimento pelos presentes.

Dom Bertrand: a recusa de Deus leva aos desvarios do ambientalismo
Dom Bertrand: a recusa de Deus leva aos desvarios do ambientalismo

A seguir, o pr??ncipe Dom Bertrand apontou que se o homem tira a Deus do panorama, inevitavelmente ele se p??e a si no centro de todas as coisas. E o Estado acaba sendo divinizado. Ent??o, o Estado passa a ser o deus criado pelo homem que se imiscui at?? nos mais m??nimos detalhes da vida das pessoas.

O ambientalismo, explicou Dom Bertrand, prepara a instala????o de uma ditadura planet??ria que com o pretexto de ecologia e defesa do Planeta, vai dizer o que cada um pode ou n??o pode fazer, deve ou n??o deve fazer. Esse ?? a manobra que tenta se aprovar na Rio+20.

Deus no G??nese mandou aos homens se multiplicarem e habitarem a Terra toda; p??s todas as sementes, plantas e animais que se movem para alimenta????o do homem. Portanto colocou a natureza ao servi??o do homem e n??o o homem ao servi??o da natureza.

A recusa de Deus leva, pois, aos desvarios do ambientalismo, concluiu o pr??ncipe imperial.

No encerramento do Painel, o Dr. Adolpho Lindenberg, presidente do IPCO, destacou o alivio que experimentava e achava que o audit??rio experimentou vendo os embustes do ambientalismo refutados de um modo t??o convincente e tranquilizador.

ARMAS E IDOSOS -TR??S CASOS

Publicado em: 20-06-2012 | Por: bidueira | Em: Seguran??a P??blica

0

Amigas/os:

Os??antis??repetem sempre que??armas??s??o para ataque e??n??o??servem para??defesa. Abaixo, tr??s casos de idosas/os que se??defenderam??de??agressores??com??armas. Sem tais??instrumentos??estariam tais pessoas agoramortas??ou seriamente??feridas.??
??

Em realidade para algu??m de 70 ou 80 anos ser agredido ?? muito perigoso, pois pode resultar em morte ou em ferimentos cuja gravidade efetiva ?? maior do que seria para algu??m mesmo com 50 anos, quanto mais com 40 ou 20. As intercorr??ncias de danos sofridos em idades avan??adas podem influenciar outros males e tamb??m ser de mais demorada cura. Portanto uma pessoa idosa diante da amea??a de uma agress??o de indeterminada severidade, eis que ainda n??o ocorreu nem se sabe como ou at?? que ponto se realizar??, est?? a enfrentar um fator de s??rio risco para sua sa??de e qualidade de vida ???f??sica e psicol??gica???,??al??m de possibilidade de morte.

????
Como iriam se??defender??sem??um??instrumento??adequado de??agressores??criminosos??com at?? meio s??culo menos em idade e at?? em maior n??mero???N??o??iriam, tornar-se-iam??v??timas!??Defenderam-se??com??armas.
????

????
Da Odete, 87 anos:
http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2012/06/promotora-defende-arquivamento-de-caso-de-idosa-que-matou-invasor-no-rs.html
"Se o inqu??rito parar nas minhas m??os, vou arquivar, com certeza"
S??lvia Becker Pinto, titular da Promotoria Criminal de Caxias do Sul

http://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/?c=20894&t=Carlos+Nascimento+comenta+sobre+idosa+que+matou+o+bandido
??

Jogador de basquete aposentado de 72 anos e esposa, professora aposentada de 69 anos:
http://www.dcomercio.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=90487
http://www.dm.com.br/#!/texto?id=35199
Aposentado desarma e mata??assaltante??em casa
http://www.folhavitoria.com.br/policia/noticia/2012/06/aposentado-desarma-e-mata-assaltante-em-casa.html

??
Agricultor de 84 anos e esposa:
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1106898-agricultor-de-84-anos-mata-suspeito-que-invadiu-sitio-em-sp.shtml
http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/06/idoso-reage-assalto-e-mata-ladrao-que-invadiu-sitio-em-mogi-das-cruzes.html
http://www.redefonte.com/2012/06/19/agricultor-de-84-anos-reage-a-assalto-e-mata-ladrao-que-invadiu-seu-sitio/
??
Os??antis??n??o desistem:
http://correiodobrasil.com.br/tanque-de-guerra-recheado-de-paes-desfila-pelo-rio-para-chamar-a-atencao-sobre-o-desarmamento/472654/

 

??Rafael Moura-Neves MAM BHist
????

IDOSA DE 87 ANOS MATA BANDIDO

Publicado em: 20-06-2012 | Por: bidueira | Em: PLD em Foco, Sem categoria

0

Uma brava ga??cha de 87 anos, fazendo uso do direito ?? leg??tima defesa, mata bandido que invadiu sua casa para roubar. O direito de ter e portar armas de defesa estabelece para o “sexo fr??gil” e para os idosos, n??o s?? a igualdade como at?? a superioridade sobre bandidos e criminosos.
Parab??ns senhora!

 

O que ?? a ecologia? O ambientalismo do p??s-guerra trabalha para impor a vida tribal

Publicado em: 16-06-2012 | Por: bidueira | Em: Aquecimento Global

0

O que ?? a ecologia? O ambientalismo do p??s-guerra trabalha para impor a vida tribal

Posted:??15 Jun 2012 07:30 PM PDT

Revista "The Ecologist", capa de junho de 2008
Revista “The Ecologist”, capa de junho de 2008
continua????o de posts anteriores sobre as origens e hist??ria do ambientalismo
??

(Fonte: excertos de Anna Bramwell, ???Ecology in the 20th Century, A History???, Yale University Press, New Haven, Ct., and London, 1989).

O movimento org??nico rural na Inglaterra

Depois da II Guerra Mundial, aumentou gradualmente o n??mero dos seguidores de Rudolf Steiner, que formaram uma rede poderosa de simpatizantes alternativos, a maior parte dos quais relacionada com a??Soil Association.??

A??Soil Association??levou a cabo a tarefa de aproximar, no fim da Grande Guerra, os v??rios grupos de pessoas preocupadas com eros??o e fertilidade do solo, polui????o e agricultura baseada em fertilizantes qu??micos.??

Anti-capitalismo visceral no cerne verde
Anti-capitalismo visceral no cerne verde

Eles se identificavam como ecologistas. Os fazendeiros org??nicos eram colocados em contacto uns com os outros atrav??s da??Soil Association.??

Por volta do fim dos anos 60, os l??deres da??Soil Association??mudaram de rumo, tomando uma??orienta????o esquerdista nos debates sobre a escassez das riquezas naturais, e atacando a propriedade privada. Publicaram artigos elogiando as comunas de Mao e exigindo que glebas fossem distribu??das ?? popula????o.

O cerne intelectual do movimento ecologista brit??nico nos anos 60 e 70 se concentrava no??Ecologist,??jornal editado e financiado pelo irm??o de Sir James Goldsmith, homem de neg??cios multimilion??rio.??

O movimento ecologista americano

Desde 1970, o movimento ecologista americano tem passado por v??rios est??gios, numa vers??o acelerada em rela????o ao desenvolvimento do ecologismo em outras partes.??

O??feminismo americano abriu-se ?? ecologia na cren??a de um para??so matriarcal. Surgiram os ecologistas tecn??fobos, louvaminheiros das tribos primitivas do Terceiro Mundo.??

Eco-terrorismo contra o capitalismo, a ind??stria e o consumo
Eco-terrorismo contra o capitalismo, a ind??stria e o consumo

Os??ecologistas-profundos,??em busca de uma harmonia de tipo budista, em breve??tornaram-se eco-terroristas especializados em sabotagem de f??bricas. Com vol??pia tecnocrata, estabeleceram planos paras as ???bio-regi??es???.??

Um dos aspectos importantes do plano bio-regional ?? que??a na????o-estado e outras fronteiras seriam superados pelas geo-pol??ticas.??

Quem ir?? planejar essas novas ??reas, qual o seu tamanho, quem ir?? policiar suas fronteiras, quem ir?? averiguar que elas s??o autossuficientes, estas s??o perguntas n??o respondidas.??

Contudo, por alguma raz??o, os Verdes parecem que se d??o mal com a autossufici??ncia. Os ecologistas parecem ter maior necessidade dos recursos da terra do que outras pessoas.??

Uma raz??o talvez seja a democracia participativa, pois gasta tempo assistir ??s reuni??es…

Earth Liberation Front: a????es teatrais para impressionar "moderados"
Earth Liberation Front: a????es teatrais para impressionar “moderados”

Os ecologistas??defendem que o mundo tem popula????o em excesso para poder viver em autossufici??ncia. As eco-utopias presumem uma popula????o de baixa densidade.??

Os ecologistas americanos parecem ter aderido h?? pouco ao movimento. Eles ignoram seus ancestrais. Esquecem n??o apenas seus precursores do s??culo passado, como tamb??m suas pr??prias profecias.??

As vis??es apocal??pticas de h?? vinte anos n??o se realizaram.

???Desurbaniza????o??? e imers??o no primitivismo tribal

Ativistas verdes anti-nucleares, Ucr??nia

A??cultura verde??hoje em dia agrega ainda os novos pag??os, tais como os bandos n??mades de bruxas inglesas que seguem os planos astrais e as bruxas matriarcais alem??s que adoram as mesmas pedras outrora cultuadas pelos nazistas.??

O movimento pag??o na Inglaterra e nos Estados Unidos surgiu a partir do feminismo matriarcal e dos movimentos anti-nucleares, juntamente com as tend??ncias astrol??gicas e cultuadoras da natureza do movimento naturista deste s??culo.

A ???Nouvelle Droite???, forte na Fran??a, It??lia e B??lgica, ?? verde em sua cr??tica cultural. Apoia os valores hel??nicos, incluindo o paganismo grego e defende, como pensamento pol??tico, uma esp??cie de dissolu????o das fronteiras nacionais em raz??o de determinismo geogr??fico, o qual se parece muito com o plano das ???bio-regi??es??? dos ecologistas norte-americanos.??

Partido Verde, Inglaterra
Partido Verde, Inglaterra

Oposi????o ?? polui????o ambiental e ?? destrui????o da paisagem fazem automaticamente parte de seus valores.??

Uma continuidade ideol??gica do mesmo g??nero foi encontrada na ???Nova Direita??? na R??ssia. O movimento oposicionista ???Veche???, fechado pela KGB em 1973, reivindicava o renascimento de uma R??ssia camponesa, possivelmente localizada na Sib??ria, enquanto a R??ssia europeia era deixada aos marxistas.??

A ???utopia liberal???, defendida pelo movimento, exigia a desurbaniza????o da R??ssia e uma evacua????o das cidades.??

Pode-se realmente falar de uma cr??tica ecol??gica cultural conjunta, de uma ??tica verde comum ??s bruxas, aos neonazistas e aos professores franceses???

De fato, eles t??m pontos em comum, apesar da inverossimilhan??a de uma futura coopera????o.??

Primitivismo tribal: o ponto de chegada dos verdes
Primitivismo tribal: o ponto de chegada dos verdes

Todos s??o anticapitalistas e defendem a ??tica do anti-crescimento. Todos s??o pacifistas que acreditam que a dissolu????o das fronteiras da na????o-estado remover?? as causas de guerra.??


S??o contr??rios ?? economia de mercado, e fazem reparos ?? tentativa do homem de escapar ??s leis da natureza.??

Apoiam tamb??m o retorno ?? sociedade tribal, ?? ???aldeia global???.??


Obviamente, as cidades dever??o desaparecer, e o homem dever?? voltar para o campo a fim de reconstruir uma nova era, uma nova civiliza????o, um novo mundo.

Segunda reserva no Pa??s: atiradores, ca??adores e colecionadores

Publicado em: 15-06-2012 | Por: bidueira | Em: PLD em Foco

0

PLD em Foco

??Um “churrastiro” foi patrocinado pela SOAPE em congra??amento entre militares familiares e amigos do Ex??rcito. Houve um torneio de tiro e um almo??o para os participantes. Foi esclarecedor o pronunciamento do Cel Paes de Lira sobre essas categorias de cidad??os que constituem a Segunda Reserva Brasileira.

??

Ambientalismo: Preserva????o da Natureza ou Cavalo de Troia? ??? Considera????es sobre o C??digo Florestal

Publicado em: 14-06-2012 | Por: bidueira | Em: Aquecimento Global

0

Ambientalismo: Preserva????o da Natureza ou Cavalo de Troia? ??? Considera????es sobre o C??digo Florestal

??

Clique aqui e fa??a o download gratuito do livro:Ambientalismo – Preserva????o da Natureza ou Cavalo de Troia? – Considera????es sobre o C??digo Florestal

Sobre o Ambientalismo???

Voc?? sabia que:

 

Segundo estudo da

Embrapa ilustrado no mapa ao lado, dos 8,5 milh??es de km2 do territ??rio brasileiro, apenas 2,1 milh??es s??o utilizados por ??reas urbanas e industriais, estruturas vi??rias e explora????o agropecu??ria, silv??cola e extrativa em geral. Isto representa apenas 25% do territ??rio nacional.

Est?? nos des??gnios de Deus que os recursos naturais est??o a?? para serem racionalmente explorados. As Sagradas Escrituras afirmam no G??nesis: ???Criou, pois, Deus o homem ?? sua imagem; ?? imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. Ent??o Deus os aben??oou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do c??u e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra. Disse-lhes mais: Eis que vos tenho dado todas as ervas que produzem semente, as quais se acham sobre a face de toda a terra, bem como todas as ??rvores em que h?? fruto, que d?? semente; ser-vos-??o para mantimento??? (G??nesis, 1, 27-29).

Est?? nos des??gnios de Deus que os recursos naturais est??o a?? para serem racionalmente explorados. O territ??rio brasileiro n??o ?? um jardim bot??nico nem um jardim zool??gico. Precisa ser desenvolvido e sabiamente explorado,compatibilizando o desenvolvimento da agropecu??rio com a preserva????o do meio ambiente.

Falso dilema: Agropecu??ria X meio-ambiente

Voc?? sabia que ???

???O Brasil ?? um dos pa??ses ecologicamente mais bem preservados do mundo e que mant??m ainda 69% de sua vegeta????o natural e 28,3% das florestas originais do planeta.

???. A Amaz??nia tem 86% de vegeta????o nativa preservada. O Pantanal 80%.

??? O Brasil possui a maior ??rea protegida do mundo.Entre parques, reservas e terras ind??genas, as ??reas protegidas ocupam hoje 30% do territ??rio nacional, quando a m??dia mundial ?? de 10%.

O mundo emitiu 31,5 bilh??es de toneladas de g??s de origem f??ssil em 2008. A China respondeu por 21% das emiss??es mundiais (6,5 bilh??es de toneladas), seguida pelos EUA (19%), R??ssia (5,5%), ??ndia (4,8%) e Jap??o (3,9%). Esses cinco pa??ses somam 53,4% das emiss??es planet??rias.E o Brasil ??? quinto maior pa??s do mundo ???emitiu apenas 1,4%.

??? A agricultura exerce um papel gigantesco na preserva????o ambiental. Ela ?? capaz de apresentar solu????es para conserva????o da ??gua e da biodiversidade. Al??m de alimentos e fibras, ela garante uma das matrizes energ??ticas mais limpas do mundo. 47,3% da energia brasileira prov??m de fontes renov??veis (cana-de-a????car, hidrel??tricas, lenha, biodiesel, etc.), em compara????o com a m??dia mundial de 18,6%.

??? A produ????o de gr??os aumentou 273% no Brasil enquanto a ??rea plantada cresceu apenas 27%, (entre 1976 e 2010). Em um mesmo hectare o agricultor produz, em m??dia, duas vezes e meia mais milho, trigo, arroz, soja e feij??o.

???.Em 1970, um agricultor brasileiro produzia alimentos para 73 pessoas, e, em 2010, o n??mero saltou para 155 pessoas.

??? A sustentabilidade ?? uma quest??o t??cnica, e n??o de cren??a ou boa vontade.Em 30 anos, o pa??s deixou a posi????o de importador de alimentos para tornar-se um dos maiores exportadores mundiais de produtos agr??colas, gra??as aos ganhos constantes de produtividade.

E portanto, opor a agropecu??ria ao meio-ambiente ?? um falso dilema. A preserva????o do meio-ambiente n??o somente ?? compat??vel com o desenvolvimento agropecu??rio,mas este ??ltimo vem tendo um papel insubstitu??vel nesta tarefa.

Momento hist??rico da agropecu??ria

Voc?? sabia que ???

??? Nosso produtor rural ?? um her??i? Apesar de todas as persegui????es ideol??gicas, ele projetou a agropecu??ria brasileira para o mundo como grande celeiro do futuro.

??? Ele alimenta nossa popula????o com comida farta e cada vez mais barata. Al??m disso, produz um excedente tornando o nosso pa??s o segundo maior exportador de gr??os do mundo.

??? Ele produz 75% de todo o suco de laranja comercializado no mundo e 40% de todo o caf??; ele ?? o maior exportador de soja e de 40% de todo o a????car exportado no mundo; produz o equivalente a 500 mil barris de etanol por dia.

??? Ele possui o maior rebanho bovino comercial do mundo, ?? o maior exportador de carne bovina, o segundo e o terceiro maior exportador de frangos e su??nos.

??? Ele emprega cerca de 17 milh??es de pessoas e dever?? gerar mais 6 milh??es de ocupa????es, ou seja, 34% dos empregos que ser??o gerados em toda a economia de 2010 a 2022.

??? Ele garantiu o super??vit da balan??a comercial de mais de 400 bilh??es de d??lares em 10 anos. Gra??as ?? agropecu??ria, o Brasil pagou o FMI, fez uma reserva de 300 bilh??es de d??lares e ainda vem superando sem maiores percal??os a crise econ??mica que assola o resto do mundo.

Segundo a FAO, o Brasil ?? o pa??s com maior potencial de crescimento agr??cola do mundo. E que o pa??s com melhores condi????es para suprir as necessidades mundiais de alimentos nos pr??ximos 40 anos.

??? O valor da cesta de alimentos caiu mais de 5% ao ano na cidade de S??o Paulo, em termos reais, entre 1975 e 2005. Antes, uma fam??lia brasileira gastava 48% de sua renda com alimentos, e hoje gasta cerca de 20%. Isso tudo gra??as ao progresso cient??fico no campo agropecu??rio e sua aplica????o pr??tica pelos agropecuaristas brasileiros.

??? Ele ?? o respons??vel pela ascens??o da classe baixa para a m??dia. H?? 30 anos, um sal??rio m??nimo comprava 70% de uma cesta b??sica, e atualmente o mesmo sal??rio compra duas cestas. Em decorr??ncia disso, as classes de renda m??dia e baixa n??o apenas puderam consumir mais e melhores alimentos, como elevaram seu poder de compra de produtos industriais.

??? Diante disso, ?? inaceit??vel que o Brasil abra m??o da sua capacidade produtiva, deixando assim de contribuir para a redu????o da pobreza, j?? tendo a maior ??rea de preserva????o do mundo.

Ent??o, queremos saber qual a raz??o de tanta insist??ncia em perseguir os produtores rurais?

Voc?? sabe?

Os mitos do ???ambientalismo???

Voc?? sabia que ???

???O aquecimento global ?? um mito sem fundamento cient??fico.E que os mais renomados cientistas o contestam. As mudan??as clim??ticas hist??ricas desmentem o aquecimento causado pelo CO2.

??? O CO2 ?? o g??s da vida. N??o produz polui????o nem o falso efeito estufa. Ele ?? um g??s natural respons??vel pelo crescimento das plantas. Se eliminarmos o CO2 da atmosfera, a vida cessaria na Terra.

??? Os vulc??es, com duas erup????es no s??culo XX, lan??aram mais di??xido de enxofre do que toda a Revolu????o Industrial do s??culo XIX at?? hoje.

???A g??lida Groenl??ndia ganhou esse nome porque j?? foi ???terra verde??? durante o ben??fico aquecimento medieval chamado ???per??odo quente medieval??? (MWP). E que l?? floresciam planta????es e pastagens. E que as temperaturas na Europa j?? foram maiores que as atuais. Cultivavam-se uvas no norte da Inglaterra.

???Nas geleiras da Sib??ria encontraram um Mamute congelado de p?? e que tinha ainda restos de capim entre os dentes.

??? James Lovelock, o pai da ???hip??tese Gaia???, se retratatou. Al??m de fazer o mea culpa, ele reconhece o falso alarmismo dos ecologistas. Lovelock chegou a afirmar, em 2006, que antes do fim do s??culo bilh??es de homens teriam morrido e os poucos que sobrevivessem ficariam no ??rtico, onde o clima ainda seria toler??vel. E que agora ele reconhece ter extrapolado demais. Para ele ???o problema ?? que n??o sabemos o que o clima vai fazer. H?? 20 anos n??s ach??vamos que sab??amos. Isso nos levou a escrever alguns livros alarmistas ??? o meu inclusive ??? porque parecia evidente, por??m n??o aconteceu???.

??? O livro The Population Bomb do ecologista Paul Ehrlich de 1968, quando a popula????o mundial era de 3,5 bilh??es, previa que, como resultado da superpopula????o, centenas de milh??es de pessoas morreriam de fome nas d??cadas seguintes.

??? Revelou-se falsa a previs??o de Paul Ehrlichem 1971: ???at?? o ano de 2000, o Reino Unido ser?? simplesmente um pequeno grupo de ilhas empobrecidas, habitadas por cerca de 70 milh??es de famintos???.

??? A popula????o mundial dobrou e as previs??es alarmistas de Malthus e Ehrlich jamais se concretizaram. Pelo contr??rio, o percentual de subnutridos nos pa??ses em desenvolvimento, em rela????o ao total da popula????o, vem apresentando uma firme tend??ncia declinante h?? quatro d??cadas, tendo baixado de 33% em 1970 para 16% em 2004. Isso, gra??as ??s novas tecnologias e ao crescimento exponencial da produtividade,

??? O gelo do ??rtico j?? derreteu entre 1920???1945, quando o homem lan??ava na atmosfera menos de 10% do carbono que lan??a hoje. N??o se pode negar que a temperatura global, nos ??ltimos 100 anos, teve aumento c??clico da ordem de 0,7??C. Por??m isso aconteceu por processos naturais, e n??o antr??picos ??? isto ?? provocado pela a????o do homem ??? sobre a vegeta????o e pela queima de combust??veis f??sseis.

??? ???Na verdade o aquecimento global parou e est?? come??ando um resfriamento. Nenhum modelo de clima previu esse resfriamento da Terra, muito pelo contr??rio. Isto significa que as proje????es de clima futuro n??o s??o dignas de confian??a???. (Prof. Henrik Svensmark)

Ent??o queremos saber que mist??rio h?? por detr??s desse p??nico ecol??gico que, al??m de custar bilh??es de d??lares amea??a paralisar o futuro do Brasil e travar o enriquecimento dos povos?

 

Ambientalismo: uma ???nova religi??o????

??? A Carta da Terra pretende substituir os Dez Mandamentos. Como um novo Mois??s, Gorbachev (ex-primeiro ministro sovi??tico) anunciou a Carta da Terra: ???O manifesto de uma nova ??tica para o novo mundo: o Dec??logo da Nova Era. ?? a base de um novo c??digo universal de conduta, que deve reger o mundo a partir de 2000. Esses novos conceitos devem ser aplicados a todo o sistema de ideias, moral e ??tica e proporcionar uma nova forma de vida. O mecanismo que usaremos ser?? a substitui????o dos Dez Mandamentos pelos princ??pios contidos na presente Carta ou Constitui????o da Terra???.

??? Divinizar a natureza ?? a meta dos ambientalistas ???pante??stas???. O Sr. Jos?? Lutzemberg, ex-Secret??rio do Meio Ambiente e um dos l??deres desse grupo explica essa concep????o no artigo ???Gaia, O planeta vivo???: ???A diferen??a entre os bi??logos convencionais, apenas cient??ficos, e os ecologistas est?? na venera????o. Para o ecologista a natureza n??o ?? simples objeto de estudo e manipula????o, ?? muito mais, ela ?? algo de divino; n??o tenham medo desta palavra, ?? sagrada. E n??s humanos somos apenas parte dela???.

??? E que ambientalistas not??rios revelam seus objetivos: socialismo, igualitarismo, miserabilismo, catastrofismo e totalitarismo.

Hugo Ch??vez, presidente da Venezuela (Declara????es na COP-16, em Canc??n): ???Os pa??ses capitalistas s??o os maiores assassinos do clima???.

Evo Morales, presidente da Bol??via (Entrevista coletiva na COP-15, em Copenhague): ???Se quisermos salvar a Terra e a humanidade, n??o temos alternativa a n??o ser acabar com o sistema capitalista???.

Carlos Walter Porto-Gon??alves, ge??grafo: ???A quest??o ecol??gica ?? fundamental no debate sobre Reforma Agr??ria. O aquecimento global acaba criando uma oportunidade fant??stica. O campesinato, assim como as popula????es ind??genas, passam a adquirir papel central no debate sobre o futuro da humanidade. Os males que n??s estamos vivendo derivam todos do capitalismo???.

Leonardo Boff, ex-frade, te??logo da liberta????o (Uma Silva sucessora de um Silva? ??? Ag??ncia Adital): ???A roda do aquecimento global n??o pode mais ser parada. A Terra como conjunto de ecossistemas j?? se tornou insustent??vel, porque o consumo humano, especialmente dos ricos que esbanjam, j?? passou em 40% de sua capacidade de reposi????o. Esta conjuntura pode levar a uma trag??dia ecol??gico-humanit??ria de propor????es inimagin??veis e, at?? pelo final do s??culo, ao desaparecimento da esp??cie humana???.

As fontes das cita????es desse folheto encontram-se no livro AMBIENTALISMO ??? Preserva????o da Natureza ou Cavalo de Troia? Considera????es sobre o C??digo Florestal

Voc?? vai se deixar enganar por este Cavalo de Troia?

O enorme cavalo de madeira ??? deixado como presente pelos gregos aos troianos, com quem guerreavam ??? entrou para a legenda como cavalo de Troia. Em vez de presente, tratava-se na verdade de uma armadilha. Os guerreiros escondidos no bojo do artefato, uma vez dentro da cidade inimiga, ???apearam??? durante a noite e abriram as portas da pra??a forte para os combatentes gregos.

Hoje, a ecologia radical ??? que se revela como uma inquietante ???religi??o ecol??gica?????? desencadeou uma psicose ambientalista que espera enganar a todos. Sob o pretexto de salvar a natureza, ela espalha mentiras, amea??a o bem estar e o enriquecimento legitimo do povo brasileiro. Assim como compromete a miss??o de nossa p??tria de suprir alimentos para o mundo.

E ademais,o que ?? mais grave, viola o direito de possuir os frutos do pr??prio trabalho, ou seja viola o direito de propriedade.

Voc?? sabe o que se esconde atr??s dessas ONGs e da paran??ia ambientalista? O que se oculta no bojo desse cavalo de Troia? Voc?? sabe quais s??o os meios empregados para subverter a sociedade e destruir o que ainda resta da Civiliza????o Crist???

N??o se deixe enganar pela nova ???religi??o ecol??gica???. Leia o livro:

Ambientalismo ??? Preserva????o da Natureza ou Cavalo de Troia?

Considera????es sobre o C??digo Florestal

Participe dessa Campanha do Instituto Plinio Corr??a de Oliveira. Entre nos sites:

www.ipco.org.br www.paznocampo.org.br

 

Clique aqui e fa??a o download gratuito do livro em pdf

Rio+20: cientistas brasileiros pedem, em carta a Dilma, recobrar o bom senso e p??r de lado alarmismo e desservi??o ?? ci??ncia

Publicado em: 14-06-2012 | Por: bidueira | Em: Aquecimento Global

0

Rio+20: cientistas brasileiros pedem, em carta a Dilma, recobrar o bom senso e p??r de lado alarmismo e desservi??o ?? ci??ncia

Posted: 12 Jun 2012 07:30 PM PDT

Presidente Dilma Roussef fala  no F??rum Brasileiro de Mudan??as Clim??ticas.  Foto Planalto.gov.br
Presidente Dilma Roussef fala
no F??rum Brasileiro de Mudan??as Clim??ticas.
Foto Planalto.gov.br

Carta aberta ?? Presidente Dilma Rousseff
??
Mudan??as clim??ticas:
hora de recobrar o bom senso

Exma. Sra.
Dilma Vana Rousseff
Presidente da Rep??blica Federativa do Brasil

Excelent??ssima Senhora Presidente:

Em uma recente reuni??o do F??rum Brasileiro de Mudan??as Clim??ticas, a senhora afirmou que a fantasia n??o tem lugar nas discuss??es sobre um novo paradigma de crescimento ??? do qual a humanidade necessita, com urg??ncia, para proporcionar a extens??o dos benef??cios do conhecimento a todas as sociedades do planeta. Na mesma ocasi??o, a senhora assinalou que o debate sobre o desenvolvimento sustentado precisa ser pautado pelo direito dos povos ao progresso, com o devido fundamento cient??fico.

Assim sendo, permita-nos complementar tais formula????es, destacando o fato de que as discuss??es sobre o tema central da agenda ambiental, as mudan??as clim??ticas, t??m sido pautadas, predominantemente, por motiva????es ideol??gicas, pol??ticas, acad??micas e econ??micas restritas. Isto as t??m afastado, n??o apenas dos princ??pios basilares da pr??tica cient??fica, como tamb??m dos interesses maiores das sociedades de todo o mundo, inclusive a brasileira. Por isso, apresentamos-lhe as considera????es a seguir.

1) N??o h?? evid??ncias f??sicas da influ??ncia humana no clima global:

Comemora????o do Dia Mundial do Meio Ambiente.  Cientistas alertam para manipula????es ideol??gicas.  Foto: Wilson Dias/ABR
Comemora????o do Dia Mundial do Meio Ambiente.
Cientistas alertam para manipula????es ideol??gicas.
Foto: Wilson Dias/ABR

A despeito de todo o sensacionalismo a respeito, n??o existe qualquer evid??ncia f??sica observada no mundo real que permita demonstrar que as mudan??as clim??ticas globais, ocorridas desde a revolu????o industrial do s??culo XVIII, sejam an??malas em rela????o ??s ocorridas anteriormente, no passado hist??rico e geol??gico ??? anomalias que, se ocorressem, caracterizariam a influ??ncia humana.

Todos os progn??sticos que indicam eleva????es exageradas das temperaturas e dos n??veis do mar, nas d??cadas vindouras, al??m de outros efeitos negativos atribu??dos ao lan??amento de compostos de carbono de origem humana (antropog??nicos) na atmosfera, baseiam-se em proje????es de modelos matem??ticos, que constituem apenas simplifica????es limitadas do sistema clim??tico ??? e, portanto, n??o deveriam ser usados para fundamentar pol??ticas p??blicas e estrat??gias de longo alcance e com grandes impactos socioecon??micos de ??mbito global.

A influ??ncia humana no clima restringe-se ??s cidades e seus entornos, em situa????es espec??ficas de calmarias, sendo estes efeitos bastante conhecidos, mas sem influ??ncia em escala planet??ria. Para que a a????o humana no clima global ficasse demonstrada, seria preciso que, nos ??ltimos dois s??culos, estivessem ocorrendo n??veis inusitadamente altos de temperaturas e n??veis do mar e, principalmente, que as suas taxas de varia????o (gradientes) fossem superiores ??s verificadas anteriormente.

O relat??rio de 2007 do Painel Intergovernamental de Mudan??as Clim??ticas (IPCC) registra que, no per??odo 1850-2000, as temperaturas aumentaram 0,74??C, e que, entre 1870 e 2000, os n??veis do mar subiram 0,2 m.

Ora, ao longo do Holoceno, a ??poca geol??gica correspondente aos ??ltimos 12.000 anos em que a civiliza????o tem existido, houve diversos per??odos com temperaturas mais altas que as atuais. No Holoceno M??dio, h?? 5.000-6.000 anos, as temperaturas m??dias chegaram a ser 2-3??C superiores ??s atuais, enquanto os n??veis do mar atingiam at?? 3 metros acima do atual. Igualmente, nos per??odos quentes conhecidos como Minoano (1500-1200 a.C.), Romano (s??c. VI a.C.-V d.C.) e Medieval (s??c. X-XIII d.C.), as temperaturas atingiram mais de 1??C acima das atuais.

Ideologia "vermelha" tentar?? se impor na Rio+20
Ideologia “vermelha” tentar?? se impor na Rio+20 contra a ci??ncia

Quanto ??s taxas de varia????o desses indicadores, n??o se observa qualquer acelera????o anormal delas nos ??ltimos dois s??culos. Ao contr??rio, nos ??ltimos 20.000 anos, desde o in??cio do degelo da ??ltima glacia????o, houve per??odos em que as varia????es de temperaturas e n??veis do mar chegaram a ser uma ordem de grandeza mais r??pidas que as verificadas desde o s??culo XIX.

Entre 12.900 e 11.600 anos atr??s, no per??odo frio denominado Dryas Recente, as temperaturas ca??ram cerca de 8??C em menos de 50 anos e, ao t??rmino dele, voltaram a subir na mesma propor????o, em pouco mais de meio s??culo.

Quanto ao n??vel do mar, ele subiu cerca de 120 metros, entre 18.000 e 6.000 anos atr??s, o que equivale a uma taxa m??dia de 1 metro por s??culo, suficiente para impactar visualmente as gera????es sucessivas das popula????es que habitavam as margens continentais. No per??odo entre 14.650 e 14.300 anos atr??s, a eleva????o foi ainda mais r??pida, atingindo cerca de 14 metros em apenas 350 anos ??? equivalente a 4 m por s??culo.

Por conseguinte, as varia????es observadas no per??odo da industrializa????o se enquadram, com muita folga, dentro da faixa de oscila????es naturais do clima e, portanto, n??o podem ser atribu??das ao uso dos combust??veis f??sseis ou a qualquer outro tipo de atividade vinculada ao desenvolvimento humano.

Tais dados representam apenas uma ??nfima fra????o das evid??ncias proporcionadas por, literalmente, milhares de estudos realizados em todos os continentes, por cientistas de dezenas de pa??ses, devidamente publicados na literatura cient??fica internacional. Desafortunadamente, ?? raro que algum destes estudos ganhe repercuss??o na m??dia, quase sempre mais inclinada ?? promo????o de um alarmismo sensacionalista e desorientador.

2) A hip??tese ???antropog??nica??? ?? um desservi??o ?? ci??ncia:

Atrelamento da ci??ncia a ideologias,  como na falida URSS, teve efeitos nefastos,  escrevem cientistas brasileiros ?? Presidente Dilma
Atrelamento da ci??ncia a ideologias,
como na falida URSS, teve efeitos nefastos,
escrevem cientistas brasileiros ?? Presidente Dilma

A boa pr??tica cient??fica pressup??e a busca permanente de uma converg??ncia entre hip??teses e evid??ncias. Como a hip??tese do aquecimento global antropog??nico (AGA) n??o se fundamenta em evid??ncias f??sicas observadas, a insist??ncia na sua preserva????o representa um grande desservi??o ?? ci??ncia e ?? sua necess??ria coloca????o a servi??o do progresso da humanidade.

A hist??ria registra numerosos exemplos dos efeitos nefastos do atrelamento da ci??ncia a ideologias e outros interesses restritos. Nos pa??ses da antiga URSS, as ci??ncias biol??gicas e agr??colas ainda se ressentem das consequ??ncias do atraso de d??cadas provocado pela sua subordina????o aos ditames e ?? trucul??ncia de Trofim D. Lysenko, apoiado pelo ditador Josef St??lin e seus sucessores imediatos, que rejeitava a gen??tica, mesmo diante dos avan??os obtidos por cientistas de todo o mundo, inclusive na pr??pria URSS, por consider??-la uma ci??ncia ???burguesa e antirrevolucion??ria???. O empenho na imposi????o do AGA, sem as devidas evid??ncias, equivale a uma vers??o atual do ???lysenko??smo???, que tem custado caro ?? humanidade, em recursos humanos, t??cnicos e econ??micos desperdi??ados com um problema inexistente.

Ademais, ao conferir ao di??xido de carbono (CO2) e outros gases produzidos pelas atividades humanas o papel de principais protagonistas da din??mica clim??tica, a hip??tese do AGA simplifica e distorce um processo extremamente complexo, no qual interagem fatores astrof??sicos, atmosf??ricos, geol??gicos, geomorfol??gicos, oce??nicos e biol??gicos, que a ci??ncia apenas come??a a entender em sua abrang??ncia.

Um exemplo dos riscos dessa simplifica????o ?? a possibilidade real de que o per??odo at?? a d??cada de 2030 experimente um consider??vel resfriamento, em vez de aquecimento, devido ao efeito combinado de um per??odo de baixa atividade solar e de uma fase de resfriamento do oceano Pac??fico (Oscila????o Decadal do Pac??fico, ODP), em um cen??rio semelhante ao verificado entre 1947-1976.

Vale observar que, naquele intervalo, o Brasil experimentou uma redu????o de 10-30% nas chuvas, o que acarretou problemas de abastecimento de ??gua e gera????o el??trica, al??m de um aumento das geadas fortes, que muito contribu??ram para erradicar o caf?? no Paran??. Se tais condi????es se repetirem, o Pa??s poder?? ter s??rios problemas, inclusive, nas ??reas de expans??o da fronteira agr??cola das regi??es Centro-Oeste e Norte e na gera????o hidrel??trica (particularmente, considerando a prolifera????o de reservat??rios ???a fio d?????gua???, impostos pelas restri????es ambientais).

A prop??sito, o decantado limite de 2??C para a eleva????o das temperaturas, que, supostamente, n??o poderia ser superado e tem justificado todas as restri????es propostas para os combust??veis f??sseis, tamb??m n??o tem qualquer base cient??fica: trata-se de uma cria????o ???pol??tica??? do f??sico Hans-Joachim Schellnhuber, assessor cient??fico do governo alem??o, como admitido por ele pr??prio, em uma entrevista ?? revista Der Spiegel (17/10/2010).

3) O alarmismo clim??tico ?? contraproducente:

Alarmismo ?? extremamente prejudicial, escrevem os cientistas.  Mas esquerdas v??m se preparando para agir na Rio+20  e tirar seus "benef??cios" ideol??gicos
Alarmismo ?? extremamente prejudicial, escrevem os cientistas.
Mas esquerdas v??m se preparando para agir na Rio+20
e tirar seus “benef??cios” ideol??gicos

O alarmismo que tem caracterizado as discuss??es sobre as mudan??as clim??ticas ?? extremamente prejudicial ?? atitude correta necess??ria frente a elas, que deve ser orientada pelo bom senso e pelo conceito de resili??ncia, em lugar de submeter as sociedades a restri????es tecnol??gicas e econ??micas absolutamente desnecess??rias.

No caso, resili??ncia significa a flexibilidade das condi????es f??sicas de sobreviv??ncia e funcionamento das sociedades, al??m da capacidade de resposta ??s emerg??ncias, permitindo-lhes reduzir a sua vulnerabilidade ??s oscila????es clim??ticas e outros fen??menos naturais potencialmente perigosos. Tais requisitos incluem, por exemplo, a redund??ncia de fontes aliment??cias (inclusive a disponibilidade de sementes geneticamente modificadas para todas as condi????es clim??ticas), capacidade de armazenamento de alimentos, infraestrutura de transportes, energia e comunica????es e outros fatores.

Portanto, o caminho mais racional e eficiente para aumentar a resili??ncia da humanidade, diante das mudan??as clim??ticas inevit??veis, ?? a eleva????o geral dos seus n??veis de desenvolvimento e progresso aos patamares permitidos pela ci??ncia e pela tecnologia modernas.

Al??m disso, o alarmismo desvia as aten????es das emerg??ncias e prioridades reais. Um exemplo ?? a indisponibilidade de sistemas de saneamento b??sico para mais da metade da popula????o mundial, cujas consequ??ncias constituem, de longe, o principal problema ambiental do planeta. Outro ?? a falta de acesso ?? eletricidade, que atinge mais de 1,5 bilh??o de pessoas, principalmente, na ??sia, ??frica e Am??rica Latina.

No Brasil, sem mencionar o d??ficit de saneamento, grande parte dos recursos que t??m sido alocados a programas vinculados ??s mudan??as clim??ticas, segundo o enfoque da redu????o das emiss??es de carbono, teria uma destina????o mais ??til ?? sociedade se fossem empregados na corre????o de defici??ncias reais, como: a falta de um sat??lite meteorol??gico pr??prio (de que disp??em pa??ses como a China e a ??ndia); a amplia????o e melhor distribui????o territorial da rede de esta????es meteorol??gicas, inferior aos padr??es recomendados pela Organiza????o Meteorol??gica Mundial, para um territ??rio com as dimens??es do brasileiro; o aumento do n??mero de radares meteorol??gicos e a sua interliga????o aos sistemas de defesa civil; a consolida????o de uma base nacional de dados climatol??gicos, agrupando os dados de todas as esta????es meteorol??gicas do Pa??s, muitos dos quais sequer foram digitalizados.

4) A ???descarboniza????o??? da economia ?? desnecess??ria e economicamente delet??ria:

A ???descarboniza????o??? ?? desnecess??ria e contraproducente,  ?? uma pseudo-solu????o para um problema inexistente.
A ???descarboniza????o??? ?? desnecess??ria e contraproducente,
?? uma pseudo-solu????o para um problema inexistente.

Uma vez que as emiss??es antropog??nicas de carbono n??o provocam impactos verific??veis no clima global, toda a agenda da ???descarboniza????o??? da economia, ou ???economia de baixo carbono???, se torna desnecess??ria e contraproducente ??? sendo, na verdade, uma pseudo-solu????o para um problema inexistente. A insist??ncia na sua preserva????o, por for??a da in??rcia do status quo, n??o implicar?? em qualquer efeito sobre o clima, mas tender?? a aprofundar os seus numerosos impactos negativos.

O principal deles ?? o encarecimento desnecess??rio das tarifas de energia e de uma s??rie de atividades econ??micas, em raz??o de: a) os pesados subs??dios concedidos ?? explora????o de fontes energ??ticas de baixa efici??ncia, como a e??lica e solar ??? ademais, inaptas para a gera????o el??trica de base (e j?? em retra????o na Uni??o Europeia, que investiu fortemente nelas); b) a imposi????o de cotas e taxas vinculadas ??s emiss??es de carbono, como fizeram a Austr??lia, sob grande rejei????o popular, e a Uni??o Europeia, para viabilizar o seu mercado de cr??ditos de carbono; c) a imposi????o de medidas de captura e sequestro de carbono (CCS) a v??rias atividades.

Os principais benefici??rios de tais medidas t??m sido os fornecedores de equipamentos e servi??os de CCS e os participantes dos intrinsecamente in??teis mercados de carbono, que n??o t??m qualquer fundamento econ??mico real e se sustentam t??o somente em uma demanda artificial criada sobre uma necessidade inexistente. Vale acrescentar que tais mercados t??m se prestado a toda sorte de atividades fraudulentas, inclusive, no Brasil, onde autoridades federais investigam contratos de carbono ilegais envolvendo tribos ind??genas, na Amaz??nia, e a cria????o irregular de ??reas de prote????o ambiental para tais finalidades escusas, no estado de S??o Paulo.

5) ?? preciso uma guinada para o futuro:

Pela primeira vez na hist??ria, a humanidade det??m um acervo de conhecimentos e recursos f??sicos, t??cnicos e humanos, para prover a virtual totalidade das necessidades materiais de uma popula????o ainda maior que a atual. Esta perspectiva viabiliza a possibilidade de se universalizar ??? de uma forma inteiramente sustent??vel ??? os n??veis gerais de bem-estar usufru??dos pelos pa??ses mais avan??ados, em termos de infraestrutura de ??gua, saneamento, energia, transportes, comunica????es, servi??os de sa??de e educa????o e outras conquistas da vida civilizada moderna. A despeito dos falaciosos argumentos contr??rios a tal perspectiva, os principais obst??culos ?? sua concretiza????o, em menos de duas gera????es, s??o mentais e pol??ticos, e n??o f??sicos e ambientais.

Para tanto, o alarmismo ambientalista, em geral, e clim??tico, em particular, ter?? que ser apeado do seu atual pedestal de privil??gios imerecidos e substitu??do por uma estrat??gia que privilegie os princ??pios cient??ficos, o bem comum e o bom senso.

A confer??ncia Rio+20 poder?? ser uma oportuna plataforma para essa necess??ria reorienta????o.

??
Kenitiro Suguio
Ge??logo, Doutor em Geologia
Professor Em??rito do Instituto de Geoci??ncias da Universidade de S??o Paulo (USP)
Membro titular da Academia Brasileira de Ci??ncias
??
Luiz Carlos Baldicero Molion
F??sico, Doutor em Meteorologia e P??s-doutor em Hidrologia de Florestas
Pesquisador S??nior (aposentado) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
Professor Associado da Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
??
Fernando de Mello Gomide
F??sico, Professor Titular (aposentado) do Instituto Tecnol??gico da Aeron??utica (ITA)
Co-autor do livro Philosophy of Science: Brief History (Amazon Books, 2010, com Marcelo Samuel Berman)
??
Jos?? Bueno Conti
Ge??grafo, Doutor em Geografia F??sica e Livre-docente em Climatologia
Professor Titular do Departamento de Geografia da Universidade de S??o Paulo (USP)
Autor do livro Clima e Meio Ambiente (Atual, 2011)
??
Jos?? Carlos Parente de Oliveira
F??sico, Doutor em F??sica e P??s-doutor em F??sica da Atmosfera
Professor Associado (aposentado) da Universidade Federal do Cear?? (UFC)
Professor do Instituto Federal de Educa????o, Ci??ncia e Tecnologia do Cear?? (IFCE)
??
Francisco Arthur Silva Vecchia
Engenheiro de Produ????o, Mestre em Arquitetura e Doutor em Geografia
Professor Associado do Departamento de Hidr??ulica e Saneamento da Escola de Engenharia de S??o Carlos (USP)
Diretor do Centro de Recursos H??dricos e Ecologia Aplicada (CRHEA)
??
Ricardo Augusto Felicio
Meteorologista, Mestre e Doutor em Climatologia
Professor do Departamento de Geografia da Universidade de S??o Paulo (USP)
??
Antonio Jaschke Machado
Meteorologista, Mestre e Doutor em Climatologia
Professor do Departamento de Geografia da Universidade Estadual Paulista ???J??lio de Mesquita Filho??? (UNESP)
??
Jo??o Wagner Alencar Castro
Ge??logo, Mestre em Sedimentologia e Doutor em Geomorfologia
Professor Adjunto do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Chefe do Departamento de Geologia e Paleontologia do Museu Nacional/UFRJ
??
Helena Polivanov
Ge??loga, Mestra em Geologia de Engenharia e Doutora em Geologia de Engenharia e Ambiental
Professora Associada do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
??
Gustavo Macedo de Mello Baptista
Ge??grafo, Mestre em Tecnologia Ambiental e Recursos H??dricos e Doutor em Geologia
Professor Adjunto do Instituto de Geoci??ncias da Universidade de Bras??lia (UnB)
Autor do livro Aquecimento Global: ci??ncia ou religi??o? (Hinterl??ndia, 2009)
??
Paulo Cesar Soares
Ge??logo, Doutor em Ci??ncias e Livre-docente em Estratigrafia
Professor Titular da Universidade Federal do Paran?? (UFPR)
??
Gildo Magalh??es dos Santos Filho
Engenheiro Eletr??nico, Doutor em Hist??ria Social e Livre-docente em Hist??ria da Ci??ncia e Tecnologia
Professor Associado do Departamento de Hist??ria da Universidade de S??o Paulo (USP)
??
Paulo Cesar Martins Pereira de Azevedo Branco
Ge??logo, Pesquisador em Geoci??ncias (B-S??nior) do Servi??o Geol??gico do Brasil ??? CPRM
Especialista em Geoprocessamento e Modelagem Espacial de Dados em Geoci??ncias
??
Daniela de Souza On??a
Ge??grafa, Mestra e Doutora em Climatologia
Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)
??
Marcos Jos?? de Oliveira
Engenheiro Ambiental, Mestre em Engenharia Ambiental e Climatologia Aplicada
Doutorando em Geoci??ncias Aplicadas na Universidade de Bras??lia (UnB)
??
Geraldo Lu??s Saraiva Lino
Ge??logo, coeditor do s??tio Alerta em Rede
Autor do livro A fraude do aquecimento global: como um fen??meno natural foi convertido numa falsa emerg??ncia mundial (Capax Dei, 2009)
??
Maria Ang??lica Barreto Ramos
Ge??loga, Pesquisadora em Geoci??ncias (Senior) do Servi??o Geol??gico d Brasil ??? CPRM
Mestre em Geoci??ncias ??? Op????o Geoqu??mica Ambiental e Especialista em Geoprocessamento e Modelagem Espacial de Dados em Geoci??ncias