Matérias em Destaque

Circular do Diretor-Executivo da PF reforça Portaria... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 10 de ago de 2017 Em julho foi publicada nova portaria pelo Diretor Executivo da Polícia Federal, reforçando a portaria anterior de nº 28...

Leia mais...

NÃO LAVO AS MÃOS NA BACIA DE PILATOS Não lavo a mão na bacia de Pilatos Péricles Capanema Em 16 de julho, na reunião de abertura do 23º Encontro do Foro de São Paulo (organização fundada por Fidel Castro e Lula para coordenar ações...

Leia mais...

Mulher texana de sessenta anos prova: legítima defesa... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 3 de ago de 2017 No Estado do Texas, nos Estados Unidos, mais uma respeitável senhora de 60 anos faz uso da legítima defesa, mata um bandido...

Leia mais...

Deputado esquerdista quer derrubar a portaria 28 do... PLD em Foco Cel. Paes de Lira comenta Publicado em 25 de jul de 2017 Enquanto gozamos nossas merecidas férias, a esquerda trabalha para derrubar nossos direitos. Lembrem-se "Dormientibus non sucurrit...

Leia mais...

Desfile militar em Lourdes   Agência Boa Imprensa - ABIM Adolpho Lindenberg Desfile do Batalhão de Guardas de Honra das Forças Armadas da Croácia, no último mês de maio, junto ao Santuário de Lourdes na...

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Ameaçam colunista católico após crítica à “paternidade dupla” em certidão de nascimento

Publicado em: 31-08-2012 | Por: bidueira | Em: Família

0

 

Ameaçam colunista católico após crítica à “paternidade dupla” em certidão de nascimento

http://ipco.org.br/home/noticias/ameacam-colunista-catolico-apos-critica-a-paternidade-dupla-em-certidao-de-nascimento 

ver também http://www.deuslovult.org/2012/08/30/o-bom-senso-entregue-as-feras/

31, agosto, 2012

Centenas de pessoas se uniram por meio das redes sociais, como Twitter e Facebook, para defender a liberdade de expressão do colunista, Carlos Ramalhete, professor de filosofia que publica artigos semanais no jornal paranaense, Gazeta do Povo.

Em seu artigo mais recente, “Perversão da Adoção” (http://www.gazetadopovo.com.br/colunistas/conteudo.phtml?id=1292008&tit=Perversao-da-adocao), Ramalhete criticou o abuso de autoridade do Estado em conceder certidão de nascimento em que constem como “pais” duplas do mesmo sexo, como recentemente foi noticiado pela imprensa brasileira a respeito do casal de lésbicas que ganharam na justiça o direito de serem reconhecidas como mães biológicas na certidão de nascimento de duas crianças.

O colunista classificou o abuso como impossibilidade biológica e afirmou que a prática tem como mera intenção a descontrução da família tradicional. “O Estado reconhece a família porque é nela que a vida é gerada. O Estado pode entregar a criança a outra família, que a adota como nela houvesse nascido. Conventos, comunidades hippies e uniões de pessoas do mesmo sexo, contudo, podem ser modos de convívio agradáveis para quem neles toma parte, mas certamente não são famílias. Isso é abuso, não adoção”, afirma Carlos Ramalhete em sua coluna.

A opinião contrariou grupos de homossexuais militantes que rapidamente mobilizaram seus apoiadores para perseguir e intimidar o colunista por meio de emails dirigidos ao jornal Gazeta do Povo exigindo a retirada da coluna. Além disso, diversos apoiadores da causa homossexual publicaram comentários agressivos na página do colunista, no Facebook.

As agressões são registradas por leitores de Carlos Ramalhate na página Ramalhete Livre (www.facebook.com/ramalhetelivre), criada na noite de quinta-feira em apoio à continuação da coluna no jornal.

Em solidariedade ao colunista, leitores também criaram um abaixo-assinado (http://pud.im/carlosramalhete) a favor da liberdade de expressão e mensagens de apoio são divulgadas em diversos blogs e fóruns da internet.

Para participar dessa iniciativa, entre nos seguintes links:
www.facebook.com/ramalhetelivre
http://pud.im/carlosramalhete

Convite para PALESTRA do Dr. Ives Gandra

Publicado em: 30-08-2012 | Por: bidueira | Em: Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

0

 
 
Palestra com Dr. Ives Gandra

Prezado(a),

No nosso próximo encontro teremos a ilustre presença de um dos maiores juristas do Brasil, o Dr. Ives Gandra Martins.

Ele irá esclarecer todas as dúvidas sobre as polêmicas decisões tomadas recentemente pelo Superior Tribunal Federal.

Não fique de fora deste evento. Faça agora sua inscrição.

Justiça no Brasil:

Estamos nas mãos de uma minoria que julga segundo suas opiniões próprias?

Por que o Supremo Tribunal Federal tomou decisões que chocam a consciência da maioria cristã dos brasileiros?

Data: 20 de setembro (quinta-feira)

Horário: 19h (recepção) 19h30 (início da conferência)

Local: Clube Homs – Av. Paulista, 735
(a 100 metros do metrô Brigadeiro – há estacionamento pago no local)

Palestrante: Dr. Ives Gandra da Silva Martins

Doutor em Direito e um dos mais renomados juristas do Brasil com reconhecimento internacional. É autor de mais de 40 livros individualmente, 150 em co-autoria e 800 estudos sobre assuntos diversos, como direito, filosofia, história, literatura e música, traduzidos em mais de dez línguas em 17 países.

inscreva-se agora para essa palestra

Nosso convidado irá fazer uma análise crítica das decisões recentes tomadas pelo Supremo Tribunal Federal sobre temas polêmicos, tais como:

• Análise crítica sobre o julgamento do Mensalão;

• Autorização para utilização de embriões congelados para experiências com células tronco embrionárias;

• O Supremo reconhece que os casais homossexuais têm os mesmos direitos e deveres que os casais heterossexuais;

• O STF reconhece que o aborto de anencéfalos não é mais crime.

O que está por trás de decisões como estas que vão contra a opinião da maioria dos brasileiros?

Qual o interesse em favorecer uma minoria e dizimar a vida de bebês inocentes?

Estas e outras perguntas que você possa ter serão respondidas na palestra:

Justiça no Brasil:
Estamos nas mãos de uma minoria que julga segundo suas opiniões próprias?

Por que o Supremo Tribunal Federal tomou decisões que chocam a consciência da maioria cristã dos brasileiros, como os reconhecimentos do aborto de anencéfalos e da união de homossexuais?

garanta sua participação

Cordialmente,

Assinatura

Mario Navarro da Costa
Diretor de Campanhas do
Instituto Plinio Corrêa de Oliveira
www.ipco.org.br

Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

Estados Unidos: eleições presidenciais, América Latina e Cuba

Publicado em: 28-08-2012 | Por: bidueira | Em: Política Internacional

0

Mais um importante artigo de Destaque Internacional, traduzido gentilmente por Da. Graça Salgueiro. Recomendo sua leitura e análise por todos os amigos.
 
Destaque Internacional
 
O exemplo mais desastroso da aposta obamista em prol dos pseudo “moderados” foi o apoio de Obama ao então presidente Lula, do Brasil, a quem chegou a elogiar como um modelo de aliado confiável.
 
1. As eleições presidenciais nos Estados Unidos, que se realizarão no próximo 06 de novembro, despertam natural interesse na América Latina e especialmente no Caribe, na ilha-cárcere de Cuba, no que diz respeito à política externa do próximo governo. Pela gravitação natural que os Estados Unidos continuam tendo nas Américas, o futuro político da América Latina em boa medida depende dos resultados das próximas eleições presidenciais norte-americanas.
 
2. Nesse sentido, o panorama é preocupante. A impressão que se tem da política do presidente Obama para com a América Latina é a de que o governo norte-americano navegou à deriva em todos esses anos, sem rumo definido, sem bússola, se deixando levar às vezes pelas correntes de superfície e, outras vezes, pelas correntes subterrâneas que continuam movendo-se no continente, em um sentido desagregador e esquerdizante.
 
3. O populismo chavista se expandiu quase sem obstáculos por vários países da região, alentando abertamente o anti-norte-americanismo, e o presidente norte-americano o máximo que fez para se opor diplomaticamente foi adular os mandatários esquerdistas “moderados”, apresentando-os como uma alternativa aos “radicais”. O exemplo mais protuberante e mais desastroso dessa aposta obamista em prol dos “moderados úteis” foi o apoio de Obama ao então presidente Lula, do Brasil, a quem chegou a elogiar em foros continentais como um modelo de mandatário sério e de aliado confiável.
 
4. Na realidade, o “moderado” presidente Lula não fez outra coisa senão fazer um trabalho de sapa contra os Estados Unidos e desalentar na América Latina as reações que surgiram contra o chavismo e o castrismo. Com isso, com a aprovação de Obama, Lula, assumindo o papel de pseudo “moderado”, dedicou-se a pavimentar o caminho aos “radicais” anti-norte-americanos. Sua sucessora no cargo, a também “moderada” presidente Dilma, no que diz respeito à Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador e, mais recentemente, no que há em relação ao Paraguai, não fez senão continuar essa lamentável política externa lulista. O governo Obama, então, simplesmente deixou o campo livre para neo-imperialismos de péssima orientação em política externa, que se delinearam na região.
 
5. Porém, é preciso dizer que o desastre da política norte-americana para com a América Latina e o Caribe não foi um triste privilégio do governo Obama. A falta de rumos e de visão política dos sucessivos governos norte-americanos com relação à nossa região parece ser crônica, e essa espécie de estrabismo afetou tanto a democratas quanto a republicanos. Por esse motivo, não temos a priori nenhuma ilusão com o que o candidato presidencial republicano possa fazer de positivo com relação à América Latina. É preciso verificar, nas próximas semanas, quais serão as propostas que esse candidato republicano poderá apresentar para a região. Fazemos votos para que essas eventuais propostas sejam sólidas, inteligentes e praticáveis, porém, como foi dito, sem ilusões.
 
6. Na América Latina existem influentes correntes de centro e de direita partidárias da liberdade, do sistema de propriedade privada e da instituição da família. Essas correntes estão representadas nos mais variados setores da vida de seus respectivos países, sejam políticos, econômicos, educacionais, jornalísticos, institucionais, etc. Nada seria mais fácil para um candidato presidencial norte-americano do que elaborar um plano de ação que tivesse como um objetivo primordial estabelecer pontes culturais e diplomáticas com essas correntes de centro e direita latino-americanas, que são naturais aliadas de correntes similares existentes hoje, com notória pujança, nos Estados Unidos. Por que até o momento praticamente nenhum governo norte-americano adotou medidas tão simples como essas, que redundariam, mesmo que indiretamente, em um freio aos “radicais” castro-chavistas do continente e em uma merecida desmoralização de seus mais eficazes aliados, os “moderados úteis”?
 
7. Essa omissão governamental norte-americana para com a América Latina constitui um incógnita. E qual é o modesto objetivo, ao levantar esses assuntos, e lançar algumas respeitosas sugestões na linha da aproximação do melhor e mais saudável das forças vivas dos Estados Unidos e América Latina? Nosso modesto objetivo é simplesmente o de contribuir a preparar as condições para que no final se concretize a aspiração de estabelecer essas pontes culturais entre setores de centro e direita dos Estados Unidos e da América Latina, que poderão afastar decisivamente os países da região do prejudicial eixo de gravidade esquerdista que predomina atualmente.
 
Destaque Internacional – Ano XIV – nº 363 – 27 de agosto de 2012. Editorial interativo. O presente texto pode ser difundido livremente, inclusive sem citar a fonte.
 
Tradução: Graça Salgueiro

Hungria diminui idade penal e protege seus símbolos

Publicado em: 28-08-2012 | Por: bidueira | Em: Política Internacional

0

Hungria diminui idade penal e protege seus símbolos

 

O Parlamento húngaro [foto] rebaixou a idade penal de 14 para 12 anos em casos de crimes contra a vida e a integridade física. A norma está incluída na reforma do Código Penal e entrará em vigor em 2013. A ONU, a Unicef, associações e governos, arautos dos “direitos humanos”, reprovaram a decisão alegando acordos internacionais — cujas sinistras consequências, diga-se de passagem, se fazem sentir até no Brasil. O novo Código Penal também pune as injúrias aos símbolos pátrios, como a “Santa Coroa” do rei Santo Estêvão, símbolo da história e da catolicidade da Hungria; ao hino, à bandeira e ao escudo nacionais. A pretexto de “direitos humanos”, o que aquelas organizações internacionais favorecem é o crime de desrespeito dos símbolos pátrios, e no caso da Coroa de Santo Estêvão, também religiosos. Desrespeito que faz parte da mesma revolução contra os restos de Cristandade ainda existentes na Hungria e no mundo. 

Amazônia Azul: uma riqueza que poucos conhecem

Publicado em: 26-08-2012 | Por: bidueira | Em: SITUAÇÃO NACIONAL

1

Conferência do Exmo. Sr. Vice-Almirante Luiz Guilherme Sá de Gusmão, sobre a Amazônia Azul, no dia 9 de agosto, sob o patrocínio do Instituto Plínio Corrêa de Oliveira. Interessante  exposição sobre nosso mar territorial, riquezas nele contidas, sua extensão, importância econômica e as ações de defesa praticadas pela nossa Marinha.

 

Livro Americano analisa atuação dos pro-armas brasileiros no referendo de 2005

Publicado em: 24-08-2012 | Por: bidueira | Em: PLD em Foco, Sem categoria

0

PLD em Foco  –  Clifton Bob, prof. da Universidade de Duquesne, PHD do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, e JD pela Universidade de New York, analisa o que houve no referendo de 2005, no Brasil.
http://www.amazon.com/s/ref=nb_sb_noss_1?url=search-alias%3Daps&field-key…

O jornal OESP analisa o desarmamento nos Estados Unidos e no Brasil.

 

Miscelânea de comentários ligeiros

Publicado em: 23-08-2012 | Por: bidueira | Em: Sem categoria

0

 

Deus lo vult! – Miscelânea de comentários ligeiros

Posted: 22 Aug 2012 10:53 AM PDT

 

Houve recentemente em Londrina uma caminhada pró-vida, à qual se fizeram presentes alguns jovens levando um cartaz. Nele se podia ler: “SOU CATÓLICO, não voto em partido abortista”. Mensagem mais sucinta e coerente impossível. Era de se esperar que algumas pessoas não gostassem da manifestação, mas o que causou espécie foi saber que um padre condenou o cartaz. Um padre! O comentário do Wagner Moura é bem pertinente:

Fico imaginando esses garotos do banner pró-vida, coitados, se sentindo repreendidos por serem meramente católicos. Se estivessem com um banner enorme do Che Guevara correriam sério risco de serem homenageados, hein?

Mas é o Brasil. É o campo – por cheio de abrolhos que se encontre – que o Senhor nos deu por partilha. É o combate que somos chamados a travar. Ele não nos deixará desamparados.

* * *

“A crença no sobrenatural é perigosa”, diz psicólogo. Contraditório, superficial e grosseiro; para ficar num só exemplo: o sujeito escreve que “presenciamos o declínio da crença no sobrenatural” para, duas linhas abaixo, afirmar que hoje “poucos abdicam de crenças sobrenaturais e aceitam a ciência como ferramenta para explicar o universo”. É um disparate que não se presta senão a atacar gratuitamente. Mas merece um pouco de reflexão a última frase do psicólogo:

Se há um Deus, ele me deu um cérebro para pensar. Meu pecado seria usá-lo para raciocinar e buscar explicações? Um ser benevolente não me puniria por utilizar bem as armas que me concedeu.

Ora, há hoje em dia (e aliás sempre houve) incontáveis homens de ciência que nunca julgaram necessário abandonar a sua crença em Deus – ao contrário, repudiaram com energia semelhante idéia. E isso muito tempo depois de que “se acreditou que a Terra viajava pelo cosmo no lombo de um elefante” (!), como diz o psicólogo em uma comparação totalmente anacrônica e sem sentido – a qual aliás dá a entender que, para o psicólogo, o mundo todo achava que estávamos em um safári cósmico sobre o lombo de um mastodonte até a Revolução Industrial. Como é possível que este sujeito acredite sinceramente que isto é “usar bem” (!!) a inteligência que o Todo-Poderoso lhe concedeu?

* * *

A cruz de Cristo, a quem incomoda?, por Frederico Viotti. Fazendo (entre outras coisas) uma elegante e sutil alusão ao célebre artigo de Rui Barbosa (sobre o qual eu já falei aqui) que trata da Justiça moderna à luz dos julgamentos pelos quais passou Cristo, o articulista vai ao ponto fulcral aqui:

Na realidade, o “Estado-juiz”, ao pretender retirar os crucifixos, está demonstrando abraçar outros valores, diversos daqueles que estão representados no Crucifixo.

E é exatamente isto. Não existe “vácuo moral” na gênese da cultura de um povo; a Parede Vazia é um símbolo do ateísmo. A guerra travada contra os símbolos religiosos no Brasil, assim, não é (e nem nunca foi) uma questão de “respeito” aos que não comungam da Fé Católica; trata-se de um ferrenho combate travado contra a cultura ocidental, contra a moral judaico-cristã, contra enfim a própria civilização que nos foi legada por nossos antepassados e à qual devemos todos os bens que nos separam da barbárie.

* * *

– Em tempos onde o nosso Governo planeja pôr em prática políticas de “redução de danos” (como se isto fosse possível…) para aborto ilegal, vale a pena ler esta carta publicada no ano passado na Revista PET Farmácia. As palavras do leitor aplicam-se com maestria à situação que vivemos hoje e bem que poderiam ser dirigidas aos nossos governantes:

A citada “política de redução de danos” (p. 34) é um acréscimo de eufemismo, um modo perverso de justificar a necessidade de se liberar o aborto provocado. Mostrando-o como inevitável, torna injustificável aplicar recursos em educação básica e em melhoria do atendimento médico e curativo. Simplesmente, se é inevitável, então vamos legalizar e apoiar. É um caminho para se destruir a sociedade e corromper os costumes.

* * *

10 razões pelas quais o “casamento” homossexual é prejudicial e deve ser combatido, no IPCO. Destaco:

7. O “casamento” homossexual desvirtua a razão pela qual o Estado beneficia o casamento

Uma das principais razões pelas quais o Estado confere inúmeros benefícios ao casamento é que, por sua própria natureza e desígnio, o casamento proporciona as condições normais de uma atmosfera estável, afetuosa, e moral, que é benéfica para a educação dos filhos, frutos do mútuo afeto dos pais. Ele ajuda a perpetuar a nação e fortalecer a sociedade, o que é um evidente interesse do Estado.

O “casamento” homossexual não fornece essas condições. Seu desígnio principal, objetivamente falando, é a gratificação pessoal de duas pessoas, cuja união é estéril por natureza. Não tem direito, portanto, à proteção que o Estado concede ao casamento verdadeiro.

Ou seja: o Estado confere uma série de benefícios à Família não porque seja “bonzinho” ou para “alegrar” os apaixonados nem nada do tipo. Há uma série de direitos tradicionalmente conferidos à família porque ela é a célula-mater da sociedade e, como tal, tem uma série de deveres (em particular, a geração e educação da prole, produzindo cidadãos para o Estado) importantes para a vida em sociedade – que a dupla homossexual, absolutamente, não é capaz de assumir – cujo cumprimento o Estado deve facilitar. É isso. O resto é balela do movimento gay.

* * *

– Vale a pena ler, mesmo que esteja em espanhol, esta história da conversão do filósofo Paul Williams do Budismo para o Catolicismo. Excerto:

Williams explica rapidamente a teoria do karma: alguns males e alguns bens que experimentas são [alegadamente] conseqüência do que fizeste em uma vida passada. Mas em qual sentido se pode dizer que o ditador cruel e maligno que foste em outra vida eras tu? “A idéia de que um bebê sofre uma doença dolorosa por algo que outra pessoa fez, incluindo se o bebê é de alguma maneira un renascimento desta pessoa, não pode ser vista como satisfatória. Não se pode dizer, como alguém já fez, que seja a resposta mais aceitável ao problema do mal. O bebê não é quem fez os atos malvados, da mesma forma que eu não sou uma barata após a minha execução.

Santo Agostinho já ofereceu resposta ao problema do mal. As fábulas reencarnacionistas, além de não explicarem nada, são grosseiras e sem sentido. Diante da vastidão da produção intelectual cristã sobre o assunto, as “explicações” baseadas em karma têm a profundidade teológica de um pires.

Um ataque da tolerância

Publicado em: 22-08-2012 | Por: bidueira | Em: Perseguição religiosa

0

http://www.ipco.org.br/home/noticias/um-ataque-da-tolerancia

Nilo Fujimoto

Family Research Council (FRC) é uma organização norte-americana conservadora que defende os valores da família tradicional fazendo lobby contra medidas a favor do aborto, divórcio, direitos LGBT, investigação de células-tronco embrionárias e pornografia.

Segundo relata ACI, no dia 15 de agosto último, Floyd Lee Corkins II, ativista homossexual de 28 anos, membro voluntário no Centro da Comunidade LGTB (lésbicas, gays, transexuais e bissexuais) de Washington D.C. invadiu a sede doFamily Research Council (FRC), disparou e feriu o guarda de segurança Leo Johnson, mas foi derrubado pela polícia e detido.

As autoridades qualificaram o ataque como “um ato de terrorismo local”.

Family Reasearch Council (FRC) é considerado pelo lobby homossexual dos EUA como um “grupo de ódio” porque defendeu abertamente o presidente da rede de fast-food Chick-fil-A, Dan Cathy, ao afirmar que o matrimônio autêntico só pode ser entre um homem e uma mulher.

No momento em que o desarmaram, Corkins disse: “não me disparem, não se trata de vocês, trata-se do que significa este lugar”.

Também nos EUA a intolerância de certos homossexuais é patente e o da grande mídia não é menor. Imaginem se o atentado tivesse sido protagonizado por um opositor à política da agenda homossexual em alguma sede LGBT. Imediatamente o fato teria sido explorado e ocupado espaço em todas as mídias do mundo inteiro.

Belo Monte: ambientalismo internacional volta-se contra o Brasil

Publicado em: 20-08-2012 | Por: bidueira | Em: Psicoses ambientalistas

0

Belo Monte: ambientalismo internacional volta-se contra o Brasil

Do site “Verde, a nova cor do comunismo”

http://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com.br/

Posted: 19 Aug 2012 07:01 PM PDT

Editorial da discórdia volta-se contra o Brasil
Editorial da discórdia volta-se contra o Brasil

O projeto de Belo Monte, matéria exclusivamente brasileira, pois todo ele se realiza em território nacional, está sendo internacionalizado pela militância ambientalista radical.

“Le Monde”, diário porta-voz do socialismo e da esquerda católica francesa, publicou uma Editorial nesta semana reveladora desta ofensiva antibrasileira. Jornais brasileiros concederam notável destaque à publicação, como “O Estado de S.Paulo”.

No dia 16/08/2012 após reconhecer que o projeto ajudaria a tirar de seu estado atual uma das regiões mais pobres do país, e oferecer emprego a dezenas de milhares de brasileiros, o jornal manuseia o argumento da “proteção de tribos indígenas ameaçadas de serem expulsas de suas terras onde vivem desde tempos imemoriais e da bacia amazônica, que não somente é o pulmão ecológico da América do Sul, mas do planeta inteiro”.

O apelo à demagogia não é novidade no ambientalismo. A Amazônia não é o pulmão verde do planeta, segundo reconheceram não somente cientistas da maior autoridade, mas também militantes ecologistas radicais como o falecido Jacques Cousteau.

E se por ventura o fosse, o Brasil e os países com soberania sobre partes da região, deveriam ser recompensados pelo bom serviço prestado à Terra, e nunca punidos por tentar sair de situações de infra-desenvolvimento.

Ativismo teatral de ONGs em Nova York desconhece o Brasil
Ativismo teatral de ONGs em Nova York desconhece o Brasil

O jornal das esquerdas francesas rememora com satisfação os 30 anos de atraso imposto ao projeto pelas ONGs das esquerdas internacionais, de índios, e das Igrejas – como o CIMI, longa manus da CNBB – e “advogados prestigiosos” como o cantor anarco-rockeiro Sting.

Uma frente ampla na aparência muito heterogênea, mas na prática muito unida com um objetivo único anti-civilizatório e, no caso, antibrasileiro.

O jornal francês ainda deplora que ainda haja quem quer impulsionar a grande obra nacional. Ele patenteia um íntimo desejo de que o projeto fracasse.

A Editorial do “Le Monde” apresenta com um viés assustador o alagamento de 500 km2 de terras da Amazônia.

Esta região tem uma superfície de 5.500.000 km², dos quais 49,2% pertencem ao Brasil. Portanto, a área alagada, se é que esse alagamento fosse ruim, ocupa menos de dez milésimos da região.

O impacto negativo – se é que existe – seria insignificante, e até largamente justificado pelos benefícios hauridos sob pontos de vistas muito mais importantes, como o benefício da população local que ficará capacitada de sair do atraso.

Alguns escassos ativistas perturbam obras em Belo Monte
Alguns escassos ativistas bloqueiam obras em Belo Monte

Nada disso importa, Monte Belo deve ser bloqueada qualquer que seja o mal causado ao Brasil e às populações locais e ao País todo.

E os trompetes internacionais do ambientalismo radical estão convocando à ofensiva contra o Brasil.

Para disfarçar o anti-humanismo ambientalista que o jornal parisiense promove, “Le Monde” fala de 20.000 pessoas, essencialmente membros de tribos indígenas, que deveriam se mudar da pequena área alagada, a locais vizinhos.

Esconde que na aldeia Paquiçamba, área de futura barragem, o cacique Manuel da etnia juruna e muitos índios veem com bons olhos a construção da hidroelétrica.

Porém, o cacique e os indígenas que pensam como ele parece ter cometido o crime inafiançável de contradizer a cartilha comuno-tribalista.

Ambientalistas fazem revolução contra o cacique Manuel Juruna
(na foto com a mulher)

A sentença ambientalista redigida antes de qualquer julgamento e posta em vias de aplicação é implacável: eles são desqualificados e midiaticamente “apagados” por se terem ‘vendido’ às empresas responsáveis pelo projeto.

Já ouvimos demais esse argumento cunhado para desmoralizar os que não aceitam as imposições arbitrárias do ecologismo radical.

E os “defensores dos índios” promoveram uma revolução contra o cacique para despossuí-lo de sua liderança tradicional.

“Estão com raiva de mim, querem que eu deixe de ser o cacique. Dizem que eu sou a favor da hidrelétrica” – deplorou o indefeso cacique Manuel Juruna.

E acrescentou: “Se me dessem um dinheiro, ia investir na plantação, comprar uma casinha em Altamira para ter um lugar onde ficar na cidade e uma voadeira (pequeno barco), para ir da aldeia para lá”.

Atriz Sigourney Weaver e grupúsculos manifestam em New York contra Belo Monte
Atriz Sigourney Weaver e grupúsculos
manifestam em New York contra Belo Monte

Quem está expulsando os índios?

Belo Monte produzirá mais de 11.000 megawatts por ano, se tornando a terceira maior barragem do mundo, capaz de atender o 11 % das necessidades energéticas do País.

Para Adoniran Alves, morador da Ressaca, vilarejo do município Senador José Porfírio que será impactado com a diminuição da vazão do Rio, a usina vai trazer desenvolvimento para a região.

“Sou a favor da hidrelétrica. Acho que é a solução. Ela vai trazer dinheiro para a região e melhorar as condições de vida por aqui”, diz.

Estes brasileiros não têm direito humano a melhorar sua vida e de suas famílias?

A Comissão Interamericana dos Direitos Humanos exigiu a suspensão do projeto porque a são tribos indígenas concernidas não teriam sido ouvidas.

Qualquer exagero serve para tentar engessar o Brasil.
Qualquer exagero serve para tentar engessar o Brasil.

Não tenhamos ilusões, se algum indígena ou algum habitante da região for ouvido tratar-se-á de indivíduos treinados e teledirigidos pelas ONGs e o comuno-progressismo auspiciado pela CNBB.

Os indígenas que estão se integrando na civilização brasileira e que são verdadeiros brasileiros de coração como o cacique Manuel e os seus, além dos pioneiros brancos, também corajosos brasileiros que lutam para levantar a região, não serão ouvidos.

Enquanto, Belo Monte vai sendo bloqueada por manobras ideológicas, os militantes ecologistas do mundo saúdam com euforia seus correligionários ongueiros, indígenas e esquerdistas o mundo inteiro, lendo jornais da inteligência socialista em Paris, Washington ou Roma.

Publicado em: 19-08-2012 | Por: bidueira | Em: Perseguição religiosa

0

Se o Islã conquistar a Itália, será por culpa de maus eclesiásticos

 

Magdi Cristiano Allam [foto], ex-muçulmano nascido no Egito, convertido à Igreja Católica e naturalizado italiano, jornalista e eurodeputado, escreveu que se a Itália cair nos braços do islamismo, será por culpa dos maus pastores da Igreja Católica. “Despertemos! — escreveu ele — O Islã já está dentro da nossa casa! São os próprios italianos que promovem a conquista islâmica, incluídos os cardeais e os párocos que clamam pela difusão das mesquitas! Libertemo-nos da ditadura do relativismo! Detenhamos a invasão islâmica! Chega de mesquitas! Redescubramos a nossa alma, recuperemos o uso da razão, voltemos a amar-nos antes que percamos toda a possibilidade de sermos nós mesmos em nossa casa!”.