Matérias em Destaque

TEMPESTADE À VISTA Tempestade à vistaPéricles CapanemaEm 1º de novembro o China Daily, jornal estatal, em página editorial sobre as eleições no Brasil advertiu: “Não há dúvida que os interesses nacionais têm...

Leia mais...

Vitória política trouxe mudança favorável. Às... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Vitória política trouxe mudança favorável. Às urnas, em segundo turno, pelo Direito e pelo Brasil. https://www.youtube.com/watch?v=hBit8WqQ1II&feature=push-u-sub&attr_tag=lqywduD41bzzqGcY%3A6

Leia mais...

Somos responsáveis pelas futuras gerações. Vamos... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Somos responsáveis pelas futuras gerações.Vamos às urnas pelo nosso Direito e pelo Brasil. https://www.youtube.com/watch?v=q0ifT9uLxCA&feature=push-u-sub&attr_tag=jfbmzspGHN0h7CPx%3A6

Leia mais...

Zé Dirceu: ▬ Nós vamos tomar o poder! Zé Dirceu: ▬ Nós vamos tomar o poder!  Péricles Capanema “É questão de tempo pra gente tomar o poder. Aí nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição”.  Aviso de...

Leia mais...

Ao tentar ridicularizar Bolsonaro, Alckmin e “centrão”... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Ao tentar ridicularizar Bolsonaro, Alckmin e “centrão” agridem os combatentes da legítima defesa https://www.youtube.com/watch?v=Xux_rNrkFoY&feature=em-uploademail

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Discrepância de Critérios

Publicado em: 17-12-2012 | Por: bidueira | Em: Política Internacional, SITUAÇÃO NACIONAL

0

Discrepância de critérios

  • Diário do Comércio
Publicado em Domingo, 16 Dezembro 2012 
Escrito por Sérgio Paulo Muniz Costa

 

Depois das estridências internacionais dos dois mandatos de Lula, a política externa brasileira adotou um perfil mais discreto. Não era para menos, considerando-se a repercussão do desgaste e dos prejuízos sofridos pelo País com a receita de regionalismo ideológico e de anti-ocidentalismo sistemático ditada pelo PT à diplomacia nacional. Os resultados se afiguram evidentes: o Brasil hoje influi menos na sua área de interesse direto, a América do Sul, e o seu protagonismo internacional definhou.

O que aparece como equívoco da política externa brasileira nos últimos anos advém do abandono das grandes linhas que ela seguia até a ascensão do PT ao poder. Com as questões de fronteiras e geopolíticas do século 19 superadas, o Brasil pôde, após a Segunda Guerra Mundial, orientar sua política externa primordialmente para o desenvolvimento.

As grandes iniciativas do País nesse sentido durante a segunda metade do século 20 aconteceram no locus ampliado da diplomacia de Estado marcada pelo interesse nacional e realismo.

Isso ficou para trás. Porém, a nova política externa do Brasil tem mais a ver com a política interna, na medida em que serve ao objetivo do PT de comandar o governo e controlar o Estado. Em nenhuma área isso é mais evidente do que no campo das relações exteriores, com chanceleres sujeitos à orientação do partido. Em nenhuma área isso é mais grave do que no campo da defesa nacional, com forças armadas que tiveram as missões constitucionais alteradas em sua essência, agora sujeitas à vontade única do Executivo.

A essa altura já devia ter ficado claro para os analistas que o critério  normalmente usado para avaliar o sucesso de uma política externa não se aplica à diplomacia companheira.

Para ela, não se trata de obter e operacionalizar acordos vantajosos ao País nos campos político, econômico e militar, mas sim em aumentar o poder interno do PT e consolidar alianças externas que contribuam para a formatação do ambiente regional segundo seus interesses. Por isso, a política externa do PT segue firme, infensa à crítica do processo político  numa sociedade pouco acostumada ao debate sobre defesa e relações internacionais.

Infelizmente, já está claro que essa chocante discrepância de critério se estende a outras expressões da vida nacional, conformando uma preocupante percepção do PT como vanguarda de uma esquerda antissistema que neste momento resiste mal à tentação de afrontar as instituições que não controla. É sempre útil lembrar que o critério de sucesso e fracasso nunca está na letra dos projetos políticos, pois, definitivamente, ele se sujeita à prova da História.

Só é bom para um partido político o que é bom para o Brasil.

 

Sérgio Paulo Muniz Costa é historiador. Foi Delegado do Brasil na Junta Interamericana de Defesa, órgão de assessoria da OEA para assuntos de segurança hemisférica.

Deixe um Comentário!