Matérias em Destaque

Extorsão Indígena Extorsão indígena 7 de abril de 2019 Eugenio Trujillo Villegas* O sudoeste da Colômbia continua inexplicavelmente paralisado, situação que persiste há quase um mês. O exército, a polícia,...

Leia mais...

Anemia do abril vermelho Anemia do abril vermelho  Péricles Capanema  Desde 1997 o MST promove o abril vermelho. Financiado com dinheiro público, o gigantesco show de agitações reclamou sempre a radicalização da reforma...

Leia mais...

Ponto Fora da Curva Péricles Capanema Virou coringa a expressão “ponto fora da curva”, tem sido empregada nas mais diferentes acepções. Umas lisonjeiras; outras, nem tanto, envolvem censura, às vezes até carregam...

Leia mais...

Mortes por “overdose” de drogas nos Estados Unidos:... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Mortes por “overdose” de drogas nos Estados Unidos: chacina crescente, sem pólvora e sem projéteis https://www.youtube.com/watch?v=swxJ0Chsjdg&feature=push-sd&attr_tag=4rWs0VLrNgvjvcqb%3A6

Leia mais...

Projetos de lei sobre armas e legítima defesa, plenos... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 28 de mar de 2019 Projetos de lei sobre armas e legítima defesa, plenos de boas intenções, padecem de enganos graves. https://www.youtube.com/watch?v=ai71hGHhzmY  

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Discrepância de Critérios

Publicado em: 17-12-2012 | Por: bidueira | Em: Política Internacional, SITUAÇÃO NACIONAL

0

Discrepância de critérios

  • Diário do Comércio
Publicado em Domingo, 16 Dezembro 2012 
Escrito por Sérgio Paulo Muniz Costa

 

Depois das estridências internacionais dos dois mandatos de Lula, a política externa brasileira adotou um perfil mais discreto. Não era para menos, considerando-se a repercussão do desgaste e dos prejuízos sofridos pelo País com a receita de regionalismo ideológico e de anti-ocidentalismo sistemático ditada pelo PT à diplomacia nacional. Os resultados se afiguram evidentes: o Brasil hoje influi menos na sua área de interesse direto, a América do Sul, e o seu protagonismo internacional definhou.

O que aparece como equívoco da política externa brasileira nos últimos anos advém do abandono das grandes linhas que ela seguia até a ascensão do PT ao poder. Com as questões de fronteiras e geopolíticas do século 19 superadas, o Brasil pôde, após a Segunda Guerra Mundial, orientar sua política externa primordialmente para o desenvolvimento.

As grandes iniciativas do País nesse sentido durante a segunda metade do século 20 aconteceram no locus ampliado da diplomacia de Estado marcada pelo interesse nacional e realismo.

Isso ficou para trás. Porém, a nova política externa do Brasil tem mais a ver com a política interna, na medida em que serve ao objetivo do PT de comandar o governo e controlar o Estado. Em nenhuma área isso é mais evidente do que no campo das relações exteriores, com chanceleres sujeitos à orientação do partido. Em nenhuma área isso é mais grave do que no campo da defesa nacional, com forças armadas que tiveram as missões constitucionais alteradas em sua essência, agora sujeitas à vontade única do Executivo.

A essa altura já devia ter ficado claro para os analistas que o critério  normalmente usado para avaliar o sucesso de uma política externa não se aplica à diplomacia companheira.

Para ela, não se trata de obter e operacionalizar acordos vantajosos ao País nos campos político, econômico e militar, mas sim em aumentar o poder interno do PT e consolidar alianças externas que contribuam para a formatação do ambiente regional segundo seus interesses. Por isso, a política externa do PT segue firme, infensa à crítica do processo político  numa sociedade pouco acostumada ao debate sobre defesa e relações internacionais.

Infelizmente, já está claro que essa chocante discrepância de critério se estende a outras expressões da vida nacional, conformando uma preocupante percepção do PT como vanguarda de uma esquerda antissistema que neste momento resiste mal à tentação de afrontar as instituições que não controla. É sempre útil lembrar que o critério de sucesso e fracasso nunca está na letra dos projetos políticos, pois, definitivamente, ele se sujeita à prova da História.

Só é bom para um partido político o que é bom para o Brasil.

 

Sérgio Paulo Muniz Costa é historiador. Foi Delegado do Brasil na Junta Interamericana de Defesa, órgão de assessoria da OEA para assuntos de segurança hemisférica.

Deixe um Comentário!