Matérias em Destaque

Entenda o que aconteceu na Câmara com a aprovação,... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 19 de ago de 2017 Atenção C.A.C.s. Foi aprovada na calada da noite o PL 3376/2015 tornando o porte de armas de uso restrito CRIME HEDIONDO!...

Leia mais...

Circular do Diretor-Executivo da PF reforça Portaria... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 10 de ago de 2017 Em julho foi publicada nova portaria pelo Diretor Executivo da Polícia Federal, reforçando a portaria anterior de nº 28...

Leia mais...

NÃO LAVO AS MÃOS NA BACIA DE PILATOS Não lavo a mão na bacia de Pilatos Péricles Capanema Em 16 de julho, na reunião de abertura do 23º Encontro do Foro de São Paulo (organização fundada por Fidel Castro e Lula para coordenar ações...

Leia mais...

Mulher texana de sessenta anos prova: legítima defesa... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 3 de ago de 2017 No Estado do Texas, nos Estados Unidos, mais uma respeitável senhora de 60 anos faz uso da legítima defesa, mata um bandido...

Leia mais...

Deputado esquerdista quer derrubar a portaria 28 do... PLD em Foco Cel. Paes de Lira comenta Publicado em 25 de jul de 2017 Enquanto gozamos nossas merecidas férias, a esquerda trabalha para derrubar nossos direitos. Lembrem-se "Dormientibus non sucurrit...

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

HÁ 50 ANOS

Publicado em: 05-01-2014 | Por: bidueira | Em: CHAVES, DIREITO DE PROPRIEDADE, Esquerda católica, Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, REVOLUÇÃO DE 64, SITUAÇÃO NACIONAL

0

DR. ALCEU E DR. PLÍNIO CORRÊA DE OLIVEIRA

Após a instauração do regime militar, em 1964, o presidente Castelo Branco patrocinou a aprovação, pelo Congresso Nacional, de uma lei de Reforma Agrária radical, ao estilo de Jango, chamada Estatuto da Terra. Plinio Corrêa de Oliveira então protestou corajosamente, numa época em que discordar do regime militar era perigoso. Alceu sai-se em defesa de Castelo Branco e contra Plinio, dizendo que discorda desse “catolicismo de marchas, de terços ou de Plínios, de protestos, com nome de Tradição, Família e Propriedade (nome da tal associação monárquico-reacionária, sustentada pelos latifundiários paulistas) contra as reformas propostas pelo Castello Branco. Este está realmente fazendo o que prometeu, isto é, não fazer direitismo e com isso já está desgostando profundamente tanto os passadistas ortodoxos, como certos mineiros defensores da propriedade e certos udenistas, que começam a protestar e a dizer que o Castello está fazendo o programa do Jango. O que é verdade e é realmente a única coisa boa que ele pode fazer” (Rio de Janeiro, 25-6-1964).

Fonte: Catolicismo, Junho 2004

Testemunho insuspeito

Escritos de Alceu de Amoroso Lima/Tristão de Athayde

http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm/idmat/8286AF11-D0FB-6DF0-1295DA99FE62194C/mes/Junho2004

Tempos depois…

Presidente da República recebe Conselho Nacional da TFP

A propósito do projeto de nova Lei de Imprensa que então se achava em debate no Congresso Nacional, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, Presidente do Conselho Nacional da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade, escreveu uma carta ao Marechal Castello Branco, na qual pedia que a propositura “passasse por substanciais modificações de sorte que, reprimindo embora a licença, proporcionasse aos órgãos de difusão escrita e falada a liberdade necessária para sua atuação”.

Tendo tomado conhecimento da manifestação da TFP, o Chefe de Estado, de visita a São Paulo por ocasião do aniversário da cidade, no dia 25 de janeiro p.p., solicitou a presença do Conselho Nacional da Sociedade no Palácio dos Campos Elísios.

Compareceram à audiência, além do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, os conselheiros Prof. Fernando Furquim de Almeida, Caio Vidigal Xavier da Silveira, Plinio Vidigal Xavier da Silveira, Celso da Costa Carvalho Vidigal, José Carlos Castilho de Andrade e Luiz Nazareno Teixeira de Assumpção Filho.

O Marechal Castello Branco exprimiu então a satisfação com que recebera a carta, que qualificou de fidalga, e amável para com a pessoa do Presidente da República, e acrescentou que, com ela em mãos, procurara o Ministro da Justiça, recomendando que fossem introduzidas alterações no projeto de Lei de Imprensa, de modo a escoimá-lo de restrições á justa liberdade dos órgãos de comunicação escrita e falada.

O Presidente manifestou esperança de que, por essa forma, a nova Lei de Imprensa não melindrará as “suscetibilidades de tão prestigiosa entidade como a Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade, e dos bons brasileiros em geral”.

O Prof. Plinio Corrêa de Oliveira agradeceu ao Chefe de Estado a gentileza da comunicação, e da audiência concedida aos diretores da TFP, dizendo aproveitar a ocasião pra felicitá-lo pela eficiência com que vem reprimindo o comunismo. Acrescentou que a Sociedade, com suas Secções e Subsecções em quase todos os Estados do Brasil, estava disposta a cooperar com o Governo para os assuntos de interesse do País.

A carta da TFP ao Presidente

É o seguinte o texto da carta enviada ao Presidente da República pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, em data de 13 de janeiro último:


 

 http://www.pliniocorreadeoliveira.info/Image1967_194_1.jpg

Aspecto da audiência, vendo-se os Srs. Caio Vidigal Xavier da Silveira, Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, Presidente Castello Branco, Prof. Fernando Furquim de Almeida e Luiz Nazareno de Assumpção Filho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Senhor Presidente

“Apresentando a Vossa Excelência nossos respeitosos e cordiais cumprimentos, submetemos à sua alta consideração o que segue.

“Em meio à campanha que se vai generalizando por todo o País, em prol de uma substancial transformação do projeto de Lei de Imprensa, faz-se notar aqui e acolá, por seu caráter demagógico e gritante, o vozerio dos setores progressistas, socialistas e comunistas. Este fato poderia criar a ilusão de que o bolchevismo, a mazorca e a subversão têm a lucrar com a livre manifestação do pensamento do povo brasileiro através dos seus órgãos de divulgação escrita e falada.

“A realidade, entretanto, é bem outra. A esmagadora maioria dos brasileiros aspira a viver e trabalhar em paz no atual regime social e econômico, desejando apenas que nele sejam feitas gradualmente as adaptações e melhorias necessárias, escoimadas aliás de qualquer influência socialista ou comunista. Foi o que toda a nossa população demonstrou por ocasião da crise comuno-janguista e da revolução de 31 de março. Dias antes de sua queda, o ex-Presidente Jango Goulart se queixou em memorável discurso da absoluta frieza das massas rurais em relação à sua malfadada reforma agrária socialista e confiscatória. A revolução de 1964 contou com o consenso entusiástico de todo o País, e de lá para cá a opinião pública se vem pronunciando inequivocamente contra a demagogia e a subversão, como bem o demonstram as últimas eleições.    

Leia mais em…

 http://www.pliniocorreadeoliveira.info/1967_194_CAT_Presidente_recebe_CNSBDTFP.htm

Fonte: Catolicismo Nº 194 – Fevereiro de 1967

HÁ 50 ANOS

Publicado em: 04-01-2014 | Por: bidueira | Em: CHAVES, Comissão da Verdade, Esquerda católica, PT, SITUAÇÃO NACIONAL

0

Professores contra a ditadura

Com a afirmação de que estão dispostos a reagir contra as tentativas de entregar o país ao jugo de “uma ditadura liberticida e cruel, comandada pelo imperialismo comunista”, mais de 400 professores universitários, tendo à frente os Srs Sobral Pinto e Hélio Tornaghi, assinaram, ontem, um manifesto à nação.

Dólar em disparada

O dólar chegou a ser vendido, ontem, no mercado paralelo, a Cr$ 1.305, com as notícias de que o governo pretende baixar instituição, através da Sumoc, aumentando a taxa oficial de cotação da moeda norte-americana, hoje de Cr$ 600 (compra) e Cr$ 620 (venda). As autoridades não confirmaram, nem desmentiram a informação. 

Há 50 anos – 4 de janeiro de 1964 – O Globo

“Konservative Denker” – “Intelectuais conservadores”

Publicado em: 02-01-2014 | Por: bidueira | Em: Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

0

“Konservative Denker” – “Intelectuais conservadores”

A editora Ares, que pertence à editora “Leopold Stocker”, publicou uma compilação biográfica de 22 pensadores do século XX com o título “Intelectuais conservadores – Contra a crise de nosso tempo”. O livro inclui também um retrato ideológico intitulado “Plinio Correa de Oliveira ou a Contra-Revolução”. Essa editora é atualmente a mais prestigiosa dentro da direita de lingua alemã.

Veja em : https://docs.google.com/file/d/0Bz8AU-4VkhoWRDFrSFMzNVhibUZNWkZIcXFkR20tWW1tNDNV/edit