Matérias em Destaque

MAÇÃ ENVENENADA Maçã envenenada Péricles Capanema Maçã é ótimo. A apple a day keeps the doctor away, garante velho brocardo inglês. Se podre, pode intoxicar, até matar. Vou falar sobre leilão de privatização,...

Leia mais...

Mais um projeto do Senado para plebiscito sobre desarmamento PLD em Foco Coronel Paes de lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=sJ39v9D0Blc&feature=youtu.be

Leia mais...

Próximo REPRODUÇÃO AUTOMÁTICA 2:39 Sobre a proposta... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Pela Legitima Defesa Publicado em 21 de set de 2017  Retiram o Projeto de lei de Plebiscito pela revogação do Estatuto do Desarmamento e outro senador...

Leia mais...

O dever de ajudar a Venezuela http://gpsdoagronegocio.blogspot.com.br/ www.ipco.org.br ABIM O dever de ajudar a Venezuela Péricles Capanema O normal seria hoje comentar a sórdida corrupção revelada nos últimos dias. Contudo,...

Leia mais...

Senador propõe plebiscito sobre Estatuto do Desarmamento:... PLD em Foco Coronel paes de Lira comenta Pela Legitima Defesa Publicado em 13 de set de 2017 Projeto de lei de Plebiscito pela revogação do Estatuto do Desarmamento é inoportuno desnecessário! https://youtu.be/T3MHdAiADYw

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Trumpismo, Putinismo e eletricidades

Publicado em: 30-01-2016 | Por: bidueira | Em: Eleições americanas, Política Internacional

0

Agência Boa Imprensa

Trumpismo, Putinismo e eletricidades

Gonzalo Guimaraens – Destaque Internacional

Observando da América do Sul o processo pré-eleitoral que se desenvolve nos Estados Unidos — o qual se encerrará dentro de algumas semanas com a eleição dos candidatos presidenciais de cada partido —, a reação é de expectativa e preocupação.

A expectativa deve-se à natural influência daquela grande nação no nosso continente: qualquer espirro que ela dê pode repercutir politica e economicamente em toda a vasta região ao sul do Rio Grande.

A preocupação, de um lado, surge do fato de que, como de costume, os candidatos mais prováveis a se elegerem quase não demostram interesses pela América do Sul, que continuam considerando com desprezo e injustamente como um quintal, e não como pêndulo decisivo para os próprios interesses dos Estados Unidos. E, de outro lado, ela se justifica diante de um fenômeno psicológico singular que envolve um dos candidatos republicanos com maior possibilidade de ser eleito: o Sr. Donald Trump.

Pelo menos à distância, parece existir uma espécie de onda “magnética” de vibrações, a qual envolve, protege e impulsiona o candidato Donald Trump, que atrai não tanto pela lógica e pelos argumentos quanto por essas espécies de “vibrações” que transmite. Vibrações que contribuem para atrair quase incondicionalmente, de uma maneira difícil de entender e explicar, setores expressivos do centro e da direita republicana.

Como diversos especialistas imparciais têm demonstrado, e como é do conhecimento nos Estados Unidos, em questões ideológicas e morais o Sr. Trump tem um passado e um presente cheio de contradições, dos quais saem perdendo a propriedade privada, a livre iniciativa, a família e a proteção dos nascituros. Ontem ele disse uma coisa, hoje fala o contrário, e ninguém sabe o que vai dizer amanhã; para não mencionar suas atitudes excêntricas e até mesmo com tons ridículos.

A constatação das contradições de Trump bastaria para desqualificar um candidato diante do público de centro e de direita do mais modesto dos países latino-americanos.

Entretanto, esse mecanismo de análise objetiva e imparcial parece não funcionar neste momento em relação a ele, precisamente num país cujos melhores elementos centristas e conservadores se orgulham de ser racionais e sensatos, não se deixando levar por ondas emocionais.

Não temos explicação para esse fenômeno de “eletricidades” coletivas que quais “ímãs” psicológicos influenciam tanto centristas quanto conservadores, impulsionando-os para a figura tão controvertida do Sr. Trump. Se não temos uma explicação sociológica suficiente, menos ainda dispomos de uma solução para o problema.

De qualquer maneira, levantar um tema tão complexo pode contribuir em certa medida para que se estude e se debata esse fenômeno tão singular de obnubilação da razão e da supremacia da emotividade.

Temos o direito, enquanto observadores internacionais, de constatar a existência dessas contradições nos setores do centro e da direita dos Estados Unidos que apoiam o Sr. Trump, e de identificar esse sui generis ímã psico-magnético que parece constituir o instrumento principal de atração desse candidato.

Caso se deseje ir mais longe, o que não é o caso nas presentes notas, poder-se-iam analisar as carreiras políticas de Putin na Rússia e de Le Pen na França, ambas marcadas por uma “eletricidade” talvez similar.

Reiteramos que nossa intenção é colaborar, enquanto observadores da realidade internacional, para levantar o tema e promover um saudável debate em torno desses fenômenos de psicologia social que podem definir o rumo dos Estados Unidos e das três Américas.

_______

(*) Notas de “Destaque Internacional” — uma visão “politicamente incorreta” feita a partir da América do Sul. Documento de trabalho (Quinta-feira, 28 de janeiro de 2016). Este texto, traduzido do original espanhol por Paulo Roberto Campos, pode ser divulgado livremente.

“PRIVATIZAÇÃO” selvagem

Publicado em: 17-01-2016 | Por: bidueira | Em: DIREITO DE PROPRIEDADE, PT, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL

0

Privatização selvagem

Péricles Capanema

Defendo a privatização, só traz problemas o Estado agigantado. Seguidor da doutrina social católica, de outro modo, do princípio de subsidiariedade, as tarefas estatais, em princípio, são as que o particular não pode levar a cabo. E a economia é tarefa dos particulares.

Contudo, analisei com desconfiança o anúncio de que a Petrobrás, premida por agudos problemas de caixa, vai vender ativos. De começo, sua fatia na  Braskem, 36%, e parte da BR Distribuidora. Anunciou ainda a venda da Transpetro (54 navios, 49 terminais, estações de bombeamento, fora o resto) no pacote. Ivan Monteiro, diretor da Petrossauro, comunicou, outros ativos estarão à venda, entre 20 e 30, para arrecadar, só em 2016, em torno de 14,4 bilhões de dólares: “14,4 bilhões de dólares em desinvestimento é o nosso piso, e não a meta”. Privatização gigantesca. De si, ótimo; se os ativos do sistema Petrossauro estivessem há muito tempo em mãos privadas, gasolina mais barata, produção lá em cima, teriam lucrado o Brasil e o povo.

No caso em pauta, péssimo, é minha convicção. Podem escrever, vem aí entrega maciça de ativos valiosíssimos, patrimônio público, a preço de banana, privatização selvagem. Mesmo sem a habitual roubalheira, é o que se deve esperar da incompetência petista. E é a melhor hipótese.

De momento, é outra a hipótese mais provável. Selvagem, mas direcionada. A Petrobrás fala em capitais nacionais e estrangeiros interessados nas compras. Até aí, tudo bem. Só até aí. Um palpite: o capital estrangeiro que vai se interessar será sobretudo o chinês. Já se fala que os chineses estão interessados em duas unidades da Petrobrás, ainda em construção, localizadas em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Ponto delicado, não será capital chinês privado, será dinheiro de estatal; atrás dele está o Estado e o PC da China. Prestem atenção, se nas compras aparecerem os acrônimos CNPC, Petrochem e CNOOC, siglas da China National Petroleum Corporation, China Petrochemical Corporation e China National Offshore Oil Corporation, é grana estatal, é o PC chinês enfiando mais suas garras no Brasil, nesse misterioso processo de submissão do país à China, que caminha célere, envolto por silêncio enigmático. Avanço no palpite. Já vão mar alto as conversações entre membros do PT e do PC chinês para entregar na bacia das almas tais ativos à China. O futuro dirá se tenho razão. Se estiver errado, ótimo. Recordo, a China tem interesse em neutralizar sua dependência de alimentos brasileiros, exemplo a soja, e uma maneira é se fazer forte aqui dentro. Outra lembrança, mais importante, os líderes do PC chinês não são comerciantes, são ideólogos revolucionário, com plano de conquista e hegemonia mundial.

Volta à trilha. E se nem a venda dos ativos tapar os buracos da Petrobrás? Elementar, meu caro Watson. Você vai tapá-los, contribuinte, o governo já está preparando o público para o Tesouro entrar com a dinheirama. Em 15 de janeiro, café da manhã, respondendo à pergunta simples da jornalista: “A União pode vir a ajudar a Petrobrás a se capitalizar”? a Presidente respondeu em palavras objetivas, claras, concisas, elegantes, enquadradas por raciocínios precisos. Extratos aqui, integra no site da Presidência: “Ô gente, cês lembram, nós começamo a falá qui tinha chegado ao fim do superciclo das commodities, nós mesmos, é, levamos um tempo pra percebê, nós e o mundo, essa, num fomos só nós não, mas se vocês perceberem houve uma inflexão bastante grande no final, hoje, olhando de agora a gente vê isso, né?, começô a havê uma inflexão a partir do final de 2013, tem gente qui diz qui isso veio de antes. Né, tem analistas econômicos qui dizem qui veio antes. Começô os indícios antes. Mas nós tamos assistindo a esse fim do superciclo qui afeta não só o petróleo, afeta minério de forma profunda, né, o minério inclusive cai é de forma tão acelerada quanto o petróleo. No caso do petróleo, dizem que tem três razões. Uma razão seria um excesso de oferta, uma outra razão seria uma queda na demanda, que é o outro lado do excesso de oferta por razões diversas e um terceiro lado qui diz também qui tem uma variante financeira, tá?, porque o mercado é financeirizado, qui leva a uma pressão baixista. Sem sombra de dúvida, um petróleo a preços mais baixos vai alterar de forma, mais baixo que os trinta dólares, então vai alterar de forma substantiva a economia internacional. O que acontecerá com o petróleo qui pelo menos eu acho qui você desde o final da década de 90 até hoje ele nunca esteve aos níveis qui alguma alguns bancos internacionais tão dizendo que ele vai chegá. Agora, se ele vai chegá, num sei e ninguém sabe porque ninguém pudia dizê no final, aliás, até o final de 14 que ele chegaria a trinta. Ninguém puderia dizê. Mas são dois fatores, ele e a desaceleração da China qui eu acho qui criam um quadro novo no cenário internacional. Não é só a Petrobrás qui tem de pensá o qui vai fazê. […] O que cada um vai fazê, vai sê algo qui vai sê objeto duma imensa discussão e está sendo já e não afeta exclusivamente a Petrobrás. A Petrobrás é uma das maiores empresas desse país. O governo sempre estará preocupado com a Petrobrás, principalmente quando os fatores que levam a esta situação são fatores exógenos a ela, que ela não controla. Então nós todos teremos de nos preocupá bastante com o que ocorrerá agora. Esse é um processo que tem de se evitá o máximo […] a fazê projeções sinistras. É fácil que nós, outro dia eu li num jornal dizendo o seguinte, a Petrobrás para cum o petróleo a trinta, para não, para nada, tanto que não para que ela continua, né? Tanto qui não para que num é essa situação qui leva a nós nos preocupá com a Petrobrás. Agora todas as empresas de petróleo, as chamadas majors, estão preocupadas, porque o petróleo a trinta, por exemplo, tem segmentos internacionais, como aquelas areias do Canadá que parece, vô falá parece, segundo alguns analistas econômicos da área do petróleo, parece que não são mais viáveis.[…] Nós não descartamos […] qui vai sê necessário fazê uma avaliação se esse processo continuá, agora, não é nós governo brasileiro qui descarta, nenhum governo vai descartá, inclusive a política do FED de redução de juros. Todo mundo vai olhá o qui vai acontecê. Agora eu acredito qui os fatores eles têm essa dinâmica qui a parti de um certo momento os próprios fatores qui levam à queda começam a contê o patamar de queda. Quais sejam? Eu posso dizê”

Disse, enfiada sem fim de obviedades. português e lógica espancados impiedosamente. Em resumo, se necessário, o governo põe dinheiro na Petrobrás. Então, se a privatização selvagem não for suficiente, o governo, com seu dinheiro, vai tapar os buracos que ele mesmo cavou. Para isso, tira da saúde, da educação, dos aposentados, sei lá mais o quê, tudo o que for preciso para salvar a Petrossasuro. Aviso final: olho nos novos donos, entre eles, destacado, pode estar o PC da China. Se continuarmos dormindo, mais dias, menos dias, será o nosso dono.

DEGRADAÇÃO!

Publicado em: 15-01-2016 | Por: bidueira | Em: SITUAÇÃO NACIONAL

0

Horror divertido

Péricles Capanema

A presidente Dilma Rousseff em 7 de janeiro último durante café da manhã concedeu sua primeira entrevista de 2016 aos jornalistas acreditados no Planalto. Discorreu em especial sobre a política econômica do governo. Não leu, apenas respondeu a pergunta. O vídeo e o áudio estão no site da Presidência da República, consulta livre. Ocorreu o que sempre acontece quando a presidente não lê textos preparados por outros. Com empáfia, do começo ao fim, a locução estapafúrdia, evidência do pensamento confuso, acompanhada de explicações professorais de assuntos corriqueiros, sintomas da vagueação primária. A plateia a escuta com horror divertido. Para nós, já que nunca se viu gente de reflexões desnorteadas apontar o norte, sem fatos intervenientes, com sorte, teremos para o Brasil direção atrabiliária até 2018, com sofrimentos em especial para os mais desassistidos. Muitos deles, perfeitamente evitáveis.

“Eu quiria comprimentá vocês, dizê que nós tamos fazendo  essa essa conversa que tinha qui sê pré o dia 31 de dezembro tradicional, nós tamo fazendo pós, mas não tem importância porque estamos comemorando aí o 24, o 31 e o Dia dos Reis, que foi ontem, hi. Então, tá tudo nos conformes. Eu quiria comprimentá cada um dos jornalistas aqui presentes que cobrem tradicionalmente o Palácio do Planalto, cobrem aqui em Brasília, dizê que nós estamos aqui com o ministro Edinho, o secretário de imprensa e o nosso conselheiro Carlos Villanova. Quiria dizê também qui eu prifiro hoje que a gente faça perguntas, comece com perguntas. Na medida qui as perguntas vão ocorrendo, né?, eu falo. Por que isso? Por que nós vamos ter um tempo menor. Mas mesmo tendo um tempo menor, eu quiria que vocês tivessem um tempo maior. […]

Pergunta: Catarina Alencastro, d’O Globo. O ministro Jaques Wagner ontem disse que não tem um coelho na cartola para salvar a economia. Eu queria saber qual é a estratégia econômica que o governo está programando para esses próximos tempos. Obrigada.

Presidente: “Olha, eu acho qui num tem uma, não tem um coelho numa cartola, porque a questão da istabilidade macroeconômica, ela tem a ver cum algum, eu diria assim, dois grandes, duas grandes ações, qui uma está ligada a outra, qui nós temos de encaminhá. A primeira é a istabilidade macroeconômica. A istabilidade macroeconômica, ela tem o seguinte componente fundamental: o reequilíbrio fiscal do país, né? Nós viemos perdendo receitas de forma sistemática. Mesmo com os cortes significativos que fizemos nas despesas, nós tivemos quase 104 bilhões, nós não conseguimos superá a queda acentuada da arrecadação decorrente do fato de tê havido uma redução de juros, aliás desculpa, de lucros e salários. A arrecadação também sofreu profundamente com o fato di qui houve nos últimos dois anos, si ocê considerá todo o ano de 14 e o de 15 uma queda qui evidencia o fim do superciclo das commodities. Então também todas aquelas commodities qui são base da arrecadação do país, porque vamo lembrá qui são base da arrecadação, tanto as minerárias como as petroleiras. Uma das fontes fundamentais de arrecadação do governo federal é tributar toda essa atividade. Então considerando que tudo isso caiu de forma bastante acentuada e hoje por exemplo não há quem discuta se há ou se não há o fim do superciclo das commodities, isso é dado, porque havia, no final de 2014 havia. Achavam que não tinha, qui isso era o governo que tava falando para por algum outro motivo. Isso provocou uma queda das receitas. Então nós tivemos de cortar bastante despesas, se a gente olhá os dos 134 bilhões de redução de despesas qui nós fizemos né?, nós reduzimos discricionárias e também de reduzimos obrigatórias. Se eu não me engano, 82 e pouco de discricionárias e 25,6 de obrigatórias. A diferença disso pra 134 é o que nós aumentamos de receita. Ou seja, muito pouco. Para explicar o porquê qui mesmo assim você tem um problema fiscal ainda. Então, a primeira questão nessa nossa equação é enfrentar o reequilíbrio fiscal. Isso é muito importante porque enfrentar o reequilíbrio fiscal impacta também na melhoria das condições de inflação e as duas questões têm a vê também cum um o segundo elemento da nossa cunversa qui é a volta do crescimento. É sabido qui é muito difícil você fazer um processo de reequilíbrio fiscal se, pelo menos, parar com a queda da atividade econômica, porque a atividade econômica alimenta os outros dois fatores, né? A atividade econômica, ela sustenta essa redução, tanto das necessidades de receitas e cortes de despesas, ela vai aumentar a arrecadação naturalmente e também ela tem um efeito bastante significativo quando melhora ao equilíbrio fiscal ela impacta também de forma bastante positiva na questão do crescimento. Então, esses dois fatores, resumindo, estabilidade com crescimento, são fundamentais. Um vai garantir a estabilidade fiscal e o combate à inflação, e o outro vai realimentar isso de forma sustentável para que a gente possa, de fato, superar esse processo. Então, hein, vamos dizê, no conceito geral, seria isso. A curto prazo, tá?, nós temos, nos próximos três meses ações que nós vamos perseguir. Primeira ação: eu vou tentar sintetizar em três. Mas a primeira ação. Nós temos de aprovar as medidas provisórias tributárias que estão no Congresso. Uma qui além, que a gente pode sintetizar, chamando de juros do capital próprio, ou seja, uma alteração nas condições de tributação dos juros sobre o capital próprio, e a outra só sobre ganhos de capital. Além dessa duas medidas tributárias, é fundamental depois a gente pode fazê uma fala só sobre essa questão, a aprovação da DRU e da CPMF”.

Continua na mesma toada até o fim, mais de uma hora depois. Pensando bem, teria sido melhor dar ao artigo outro título: Degradação. (fonte: blog do Péricles Capanema)

Europa, Brasil e o espectro do caos

Publicado em: 15-01-2016 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, Política Internacional, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL, Terrorismo

0

Gonzalo Guimaraens

O General André Blattmann, alertou para iminentes convulsões sociais no continente europeu, impulsionadas por movimentos terroristas

1. Na Europa, perspectivas de convulsões sociais, até recentemente consideradas inimagináveis para a maioria da população, tornaram-se possíveis e até mesmo prováveis, inclusive pelos espíritos mais otimistas.

2. Os sangrentos ataques terroristas em Paris nos últimos dias de 2016 e as cenas de ataques sexuais em massa em cidades da Alemanha — sobretudo em Colônia, na celebração do Ano Novo — ante a impotência das autoridades, foram graves sinais de alerta para os riscos sociais de caotização da Europa. Leia mais…

http://www.abim.inf.br/europa-brasil-e-o-espectro-do-caos/#.VplVK_krJD8