Matérias em Destaque

Circular do Diretor-Executivo da PF reforça Portaria... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 10 de ago de 2017 Em julho foi publicada nova portaria pelo Diretor Executivo da Polícia Federal, reforçando a portaria anterior de nº 28...

Leia mais...

NÃO LAVO AS MÃOS NA BACIA DE PILATOS Não lavo a mão na bacia de Pilatos Péricles Capanema Em 16 de julho, na reunião de abertura do 23º Encontro do Foro de São Paulo (organização fundada por Fidel Castro e Lula para coordenar ações...

Leia mais...

Mulher texana de sessenta anos prova: legítima defesa... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 3 de ago de 2017 No Estado do Texas, nos Estados Unidos, mais uma respeitável senhora de 60 anos faz uso da legítima defesa, mata um bandido...

Leia mais...

Deputado esquerdista quer derrubar a portaria 28 do... PLD em Foco Cel. Paes de Lira comenta Publicado em 25 de jul de 2017 Enquanto gozamos nossas merecidas férias, a esquerda trabalha para derrubar nossos direitos. Lembrem-se "Dormientibus non sucurrit...

Leia mais...

Desfile militar em Lourdes   Agência Boa Imprensa - ABIM Adolpho Lindenberg Desfile do Batalhão de Guardas de Honra das Forças Armadas da Croácia, no último mês de maio, junto ao Santuário de Lourdes na...

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Regulamentação de Crime aprovada no Congresso vai à sanção presidencial

Publicado em: 26-02-2016 | Por: bidueira | Em: CHAVES, Comissão da Verdade, Desarmamento, DIREITO DE PROPRIEDADE, PLD em Foco, PT, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL, Terrorismo

0

PLD em Foco

Cel. Paes de Lira comenta:

O crime de terrorismo é um dispositivo constitucional (CR, 5º,XLIII). Faltava sua regulamentação pelo Congresso. Foi aprovada e agora, vai à sanção presidencial. Vejam as críticas ao que foi aprovado.

FRANCISCO, MÉXICO E CUBA: dois pesos e duas medidas

Publicado em: 21-02-2016 | Por: bidueira | Em: Esquerda católica, Política Internacional, Terrorismo

0

Agência Boa Imprensa

 FRANCISCO, MÉXICO E CUBA: dois pesos e duas medidas

Gonzalo Guimaraens – Destaque Internacional (*)

1. O Papa Francisco, em suas viagens a Cuba (setembro/2015 e fevereiro/ 2016), e na realizada ao México (também neste mesmo mês), parece ter empregado dois pesos e duas medidas para avaliar as situações políticas, religiosas e sociais nos dois países. [à esq. em Cuba com o ditador Raul Castro; à dir. no México com o presidente Enrique Peña Nieto].

2. A respeito, é suficiente comparar, ainda que brevemente, suas atitudes nos quatro seguintes níveis: ante os respectivos líderes políticos e religiosos, os trabalhadores e os prisioneiros.

* Com os ditadores cubanos, o Pontífice manteve as maiores amabilidades e fez os maiores elogios, como foi analisado em vários editoriais de “Destaque Internacional” — que podem ser lidos no sitewww.cubdest.org. Com os líderes políticos mexicanos, no entanto, manifestou frieza e censura, direta ou indiretamente. Em seu último discurso no México, ele chegou a se referir a Nínive, “uma grande cidade que estava se autodestruindo, fruto da opressão e da degradação, da violência e da injustiça.”Por mais que esses adjetivos possam ser aplicados a aspectos importantes da vida da sociedade mexicana, esse país pelo menos possui um sistema democrático, onde se respeita a propriedade privada e a livre iniciativa, a liberdade de expressão, a liberdade religiosa, a liberdade de circulação etc. Em Cuba, pelo contrário, a autodestruição, a opressão, a violência e a injustiça que havia em Nínive, são intrínsecas a uma sociedade comunista; e não existe nenhuma das liberdades mencionadas que vigoram no México, porque se encarregou de sufocá-las um poder central omnímodo a serviço de uma ideologia intrinsecamente perversa. Leia mais

http://www.abim.inf.br/francisco-mexico-e-cuba-dois-pesos-e-duas-medidas/#.VspgXZwrJ1s

Deputados da “bancada da bala” estão mudando de posição?

Publicado em: 19-02-2016 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, DIREITO DE PROPRIEDADE, PLD em Foco, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL, Terrorismo

0

PLD em Foco

Cel. Paes de Lira comenta:

Publicado em 19 de fev de 2016

No primeiro programa da PLD em Foco de 2016, o Cel Paes de Lira retoma as gravações:
1. Aponta mudanças no panorama internacional a propósito das armas;
2. no Brasil, denuncia o abandono da causa da legítima defesa por parte de alguns deputados. Interroga especialmente aos deputados Alberto Fraga e Onix Lorenzoni.
3. Convida àqueles que interessarem para uma importante conferência do Cel Plazas Vega, da Colômbia, o militar que comandou a reconquista da Suprema Corte daquele país, tomada de assalto pelos terroristas e narcotraficantes do M- 19. www.ipco.org.br .  Clique aqui e assista o vídeo.

Clamando no Deserto

Publicado em: 18-02-2016 | Por: bidueira | Em: CHINA, DIREITO DE PROPRIEDADE, Política Internacional, PT, SITUAÇÃO NACIONAL

0

Agência Boa Imprensa

Clamando no deserto

Péricles Capanema

“… De fato, são gigantescas propriedades no Brasil passando celeremente para o governo do PC (da China), que vai utilizá-las, mais dias, menos dias, para seus objetivos de dominação interna e hegemonia mundial.”

Vez por outra sucede eu ter a sensação de clamar no deserto. Verifico, entre surpreso e desolado, ninguém está dando bola para aquilo por mim tido por importante. Normal, em ocasiões, errado; em outras, certo. Isso deve acontecer com muita gente em assuntos pessoais, profissionais, familiares, até temas de interesse nacional.

Esse de que vou falar envolve o Brasil, mais diretamente os brasileiros que, parece, infelizmente o observam silenciosos, confusos, ou pior, desinteressados. Vejo com horror o avanço do capital estatal chinês sobre ativos brasileiros. De fato, são gigantescas propriedades no Brasil passando celeremente para o governo do PC, que vai utilizá-la, mais dias, menos dias, para seus objetivos de dominação interna e hegemonia mundial.

Sábado, 13 de fevereiro, li no Estadão, Nelson Barbosa vai à China para reuniões em 26 e 27 de fevereiro com os ministros de Finanças dos países do G-20. Chegará alguns dias antes, porque tem encontros já agendados com investidores chineses. Faço uma aposta sem conhecer nem um dos tais investidores interessados em aplicar no Brasil: a grossa maioria, se não a totalidade das reuniões de nosso ministro da Fazenda será com representantes de empresas estatais chinesas do setor produtivo ou do setor financeiro. Sabem por que aposto no escuro? Porque vejo claro o que é a direção petista, de doutrina revolucionária e internacionalista. Não se importa de entregar a preço de banana patrimônio público para estatais comunistas. A recomposição, cada vez mais difícil, do caixa das empresas pilhadas pela cumpanherada ou do Tesouro, exaurido pelas mágicas da nova matriz econômica, nos manietará ainda mais à China. A imprensa noticia, o déficit somado dos quatro fundos de pensão Previ (BB), Petros (Petrobrás), Funcef (Caixa) e Postalis (Correios) é de 46 bilhões de reais. Acumpanherada na direção deles apanhou dinheiro dos segurados e comprou até títulos da Venezuela e da Argentina! Viraram pó, lógico. Quem vai tapar o rombo? Servidores ativos, aposentados e o Tesouro (você, contribuinte). O que torna, cada vez mais urgente a privatização selvagem, com especial presença do capital estatal chinês.

Agravando as cores do quadro, ponho aqui o testemunho de Delfim Netto (Valor, 17/2), no caso insuspeito, pois vem dos mais valiosos apoios que os governos petistas receberam nos últimos 13 anos: “O governo finge esquecer que nos últimos 20 anos estimulou a importação da China para controlar a inflação. Roubou-lhe [à indústria siderúrgica], lentamente, as condições isonômicas de competição […] Existem, ainda, “idiots savants” que creem que a China é uma economia de mercado que exporta ao custo marginal? Ou que seus preços de exportação vão continuar os mesmos quando destruir seus competidores? […] Sua mão de obra barata e sem assistência social, permitiu a todos os governos mitigarem a sua inflação importando da China e jogando no lixo as regras do comércio razoavelmente moralizado que se propunha na OMC. […] Não há como competir com a China, uma economia basicamente estatizada, num setor com incontáveis distorções de preços que nada têm a ver com os de mercado. Em 2003, ela produzia 220 milhões de toneladas de aço bruto (23% da produção mundial) e em 2014 produziu 823 milhões de toneladas (49% da produção mundial). No mesmo período, suas exportações de aço passaram de 7,4 milhões de toneladas para 93 milhões (três vezes a nossa produção), graças a artifícios que todos fingem não ver. Certamente, não por conta da mítica eficiência dos seus burocratas, mas pelo efeito do subsídio adicional visível que só em 2015 foi da ordem de US$ 10 bilhões!”

Em outras palavras, com a conivência do governo, a indústria siderúrgica brasileira vem sendo destruída. No final, lógico, mandaremos minério de ferro para a China e importaremos manufaturados, como qualquer país colonial (ou colonizado). O que padece o setor da siderurgia, sofrem outros setores. Delfim Nettto observa ainda: “Nos últimos anos perdemos a produção de alumínio (onde nossas vantagens relativas eram imensas) e a do níquel (onde a tecnologia era a do estado da arte). Estamos agora a assistir, perplexos, a mesma paralisia governamental levar à destruição o setor siderúrgico nacional”

Em 1984, a participação da indústria manufatureira no PIB nacional estava em torno de 25%. Em 2005, 19%. Em 2015,12%, nível do pós-guerra. É sintoma da regressão para o status de país colônia, sujeito a regras que protegem a manufatura na metrópole. No nosso caso, a metrópole escondida nas brumas do futuro, mas facilmente, discernível, é Pequim. E não será a autocracia das potências coloniais do século 19. Teremos, o caminho não interrompido, como futuro senhor potência mundial imperialista, então talvez a primeira do mundo, dirigida por partido totalitário, ateu, coletivista.

A marcha para a servidão tem a colaboração das legiões de inocentes úteis e companheiros de viagem que, por vantagens momentâneas (aqui conta bastante o governismo quase compulsório dos que têm fome das verbas federais para gerir Estados e prefeituras), somam-se aos que empurram o Brasil para o abismo por razões doutrinárias.

Está em jogo imediatamente a soberania nacional. Ainda mais, nosso futuro de nação independente, cristã e de raízes ocidentais. O que são João pedia, dois milênios atrás, ao clamar no deserto, era que endireitassem os caminhos. Atualíssimo para nós, ir no rumo certo; para isso, de começo, recusar com coragem lúcida a submissão.

DECLARAÇÃO FRANCISCO–KIRILL: ucranianos sentem-se “traídos” pelo Vaticano

Publicado em: 16-02-2016 | Por: bidueira | Em: Perseguição religiosa, Política Internacional

0

Abim-Agência Boa Imprensa

DECLARAÇÃO FRANCISCO–KIRILL: ucranianos sentem-se “traídos” pelo Vaticano

Gonzalo Guimaraens – Destaque Internacional

Francisco e Kirill 01

1. Na sexta-feira, 12 de fevereiro 12 último, em Havana, o Papa Francisco e Kirill, o patriarca ortodoxo de Moscou, assinaram uma extensa declaração [foto acima] com pontos delicados e complexos concernentes à Ucrânia. Leia mais…

LIÇÃO DE “LOS HERMANOS”

Publicado em: 14-02-2016 | Por: bidueira | Em: DIREITO DE PROPRIEDADE, Política Internacional, SITUAÇÃO NACIONAL

0

Lição de “Los Hermanos”

Hiram Reis e Silva, Bagé, RS, 15 de fevereiro de 2016.

Esse aumento de impostos pode resultar na demissão de 450 mil pessoas. Não temos mais como absorver tanto imposto e aumento de custos…. (Presidente Nacional da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes Paulo Solmucci)

Nossos “geniais” economistas e gestores da administração pública,desde o Império, só conseguem apresentar uma solução para combater as crises econômicas que sistematicamente se abatem sobre nossa pobre Nação ‒aumento de impostos. Apesar de pagarmos impostos escorchantes, o InstitutoBrasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) afirma que Brasil ocupa, há anos,

a última colocação no “ranking” mundial que mede o retorno dos serviços públicos em relação ao que o contribuinte paga em impostos. Nossos alienados mandatários teimam em não reconhecer que o aumento de impostos corrói os salários dos cidadãos mais carentes, dos trabalhadores em geral e, em especial, da classe média beneficiando apenas, como era de se esperar, os segmentos mais abastados da sociedade brasileira.

Para que o Brasil volte a crescer é preciso diminuir os impostos, investir na construção civil, gerando milhares de empregos, melhorar a qualidade da educação, da saúde e da infraestrutura urbana e rural.

Franklin Dellano Roosevelt quando foi eleito Presidente dos EUA, em 1932, em plena Grande Depressão, estabeleceu como prioridade de seu governo retirar da miséria a grande massa afetada pela quebra da Bolsa de Nova York, em 1929, implantando diversas frentes de trabalho em obras de infraestrutura. Milhões de trabalhadores, antes desempregados, passaram a perceber renda e a participar do mercado como consumidores, levando as indústrias a produzir mais e gerar novos postos de trabalho. O sucesso do Programa “Neal Deal” levou os EUA a se tornar a maior potência mundial em Parte dessa vocação do Presidente Macri de integrar-se ao mundo através do diálogo é dizendo a verdade. UM PAÍS QUE DURANTE ANOS MENTIU ATRAVÉS DE SUAS ESTATÍSTICAS NÃO É UM PAÍS EM QUE SE ACREDITA, E ISSO É O QUE ESTAMOS MUDANDO.”(Ministro da Fazenda Argentino Alfonso Prat-Gay)

Os produtores argentinos, no governo da idiotizada Cristina Kirchner,tinham retido cerca de US$ 10 bilhões em grãos em sinal de protesto contra os impostos sobre a exportação. As exportações dispararam desde que o Presidente Mauricio Macri, um empresário e engenheiro civil bem sucedido, eliminou grande parte dos impostos sobre as safras e extinguiu o controle cambial provocando uma enorme desvalorização do peso e praticamente acabando com o mercado paralelo da moeda.

Afastei-me, temporariamente, de minhas aquáticas crônicas depois de receber um interessante e oportuno e-mail do Almir Cavasotti, um dileto colega de turma, intitulado “Nunca Pensei que Teria Inveja da Argentina!!!”,

Em somente dois meses na presidência da Argentina, Maurício Macri retirou todas as restrições de importações, zerou o imposto de exportação de trigo,milho e carne, e reduziu o da soja, automóveis e motos. Mesmo assim, a arrecadação aumentou.

Denunciou o acordo com o Irã, expulsou médicos cubanos sob a justificativa de que não financiaria ditaduras enganando a população com uma pseudo assistência médica. Demitiu 19 mil comissionados, desmontou a “Ley de Medios” e anunciou que vai pagar todas as dívidas dos importadores argentinos, no total de US$ 5 bilhões, 80% delas com exportadores

Na semana passada, ainda quitou US$ 2,3 bilhões com credores italianos e conseguiu deságio de 30% para pagar a parcela restante de US$ 9 bi com fundos “abutres”. A Argentina voltou ao mercado mundial de capitais, depois de 10 anos de kirchnerismo, em que foi a leprosa do mundo.

Há duas semanas, investidores internacionais fizeram fila em Davos para falar Enquanto isso, no Brasil, o Congresso parado sob o comando de dois denunciados e a presidente, sustentada por um partido esfacelado pela contradição e pela corrupção, reafirma sua incompetência, arrogância eimpopularidade para fazer as reformas necessárias.

Mais uma vez se confirma a tese de que governos são resultado da qualidade e da visão estratégica de seus governantes.

Solicito publicação:

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor,

Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

Sócio Correspondente da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER)

Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS);

Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

E-mail: hiramrsilva@gmail.com;

Blog: desafiandooriomar.blogspot.com.br

Caldo de cultura deletério

Publicado em: 10-02-2016 | Por: bidueira | Em: DIREITO DE PROPRIEDADE, Esquerda católica, PT, REVOLUÇÃO DE 64, SITUAÇÃO NACIONAL, Terrorismo

0

Agência Boa Imprensa

Caldo de cultura deletério

Péricles Capanema

Dia desses, numa banca de jornal, ouvi de velhote espevitado: ▬ Quem é o maior responsável moral pela roubalheira no governo? Arriscou uma moça baixinha: ▬ O big? Os políticos do PT e também os mandachuvas dos outros partidos com eles. ▬ A dona da banca, altona, meio enfezada: ▬ Só bandalheira? Tem a carestia, desemprego. ▬ Ficou por aí a conversa. Pesadão, pensei com meus botões: ▬ Tem ainda o projeto totalitário, a agenda libertária, a busca obsessiva da hegemonia.

Responsabilidade moral, não a imediata, foi a pergunta. Ontem, por acaso, passei os olhos em subsídios preciosos para uma boa resposta. Vieram de José de Souza Martins, celebrado sociólogo, aposentado da USP, 45 livros publicados. Foi ainda professor em cursos promovidos pela CNBB. Na década de 80, discípulos seus participaram da fundação do PT e, quatro anos depois, do MST. Do ramo, se vê.

Com a segurança do grande estudioso, garante ele (Veja 2.463, páginas amarelas): ▬ O Partido dos Trabalhadores surgiu no ABC paulista. Tratava-se, do ponto de vista formal, de um partido católico. O PT foi gestado desde os anos 50 pelo primeiro bispo de Santo André, dom Jorge Marques de Oliveira. Dom Jorge me disse que os trabalhadores do ABC ficavam no Centro Operário Católico jogando pingue-pongue. Ele os incentivava a ir para a porta da fábrica. Dom Jorge inventou Lula, antes que Lula soubesse disso, ao criar as bases para o surgimento do PT”.

O professor Souza Martins simplifica. Propriamente, o PT é filho da esquerda católica, nunca medraria nos campos do catolicismo conservador ou tradicional. O que houve (e há) foi condescendência, complacência, às vezes cumplicidade, do catolicismomainstream em relação à esquerda católica.

Volto aos trilhos. Dom Jorge (1915-1989), dos expoentes dessa orientação, está entre os oito signatários brasileiros, junto com dom Hélder e dom José Maria Pires, do Pacto das Catacumbas, de cujas doutrinas nasceu a Teologia da Libertação. Com efeito, o antigo antístite de Santo André foi assistente eclesiástico da JUC, de onde, prestigiado, saltou em 1946, aos 31 anos, para o episcopado, na ocasião o bispo mais novo do mundo. Foi sempre presença destacada nos círculos da Ação Católica a partir dos anos 40 até ser substituído em 1975 na direção da diocese de Santo André [responsável pelo Grande ABC] por dom Cláudio Hummes quem, aliás, caminhou na trilha aberta por dom Jorge.

Dois pontos importantes nas observações de Souza Martins. Primeiro, dom Jorge ▬ e, digo eu, como ele, outros bispos ▬ fez com que numerosos operários católicos, antes apáticos, se tornassem ativistas, passassem a bafejar a esquerda sindical e depois nela militassem. Segundo, sem descer até tal detalhe, está no bojo das palavras de Souza Martins, o PT germinou no caldo de cultura da Ação Católica. Dom Jorge em Santo André, à vera, cultivou tais germes com maior aplicação que outros bispos de orientação parecida. E por isso ali no ABC, como em casa própria, firmaram-se lideranças de esquerda, em particular Lula.

Convém destacar aqui, para melhor entender as observações de Souza Martins, na Ação Católica eram particularmente virulentos os germes do progressismo. Na sociedade e na política, alguns de seus seguidores se radicalizaram mais, outros ficaram pelo caminho, estacionando em diferentes graus de esquerdismo. O PDC, com faixas condicionadas por hábitos conservadores, se nutriu naquelas águas. Já a Ação Popular, de mesma raiz (saiu da JUC) foi além e, na lógica dos demolidores princípios esposados, desembocou, já marxista, na guerrilha comunista.

Agora, a resposta à pergunta do velhote. A grande responsabilidade moral pela degradação generalizada causada pelos desgovernos petistas repousa nos ombros dos dirigentes da Ação Católica que, com seus vários ramos, desde a década de 30, produziu no Brasil gigantesca mudança de convicções e mentalidades, em graus diferentes favorecedoras da esquerda. É claro, o PT teve ainda o setor intelectual e o setor sindical de raízes laicas. Mas teriam importância reduzida, inexistisse o caldo de cultura produzido pela Ação Católica.

Em 1943, o prof. Plinio Corrêa de Oliveira, então presidente da Ação Católica em São Paulo, publicou com grande repercussão o livro “Em defesa da Ação Católica”, denúncia contra o progressismo e o modernismo, então em disfarçada e rápida expansão nos ambientes católicos. Sem essa vacina (e a ação subsequente de Plinio Corrêa de Oliveira na mesma direção) a situação nacional hoje seria bem pior. Com efeito, a esquerda católica ocupou espaços, conquistou posições importantes, como apontei aqui, criou o caldo de cultura no qual nasceu o PT, mas teve seu passo prejudicado pelo olhar desconfiado de muita gente que, esclarecida pelas posições do livro, com lucidez ali não via luta por justiça, mas ação favorecedora do socialismo, sempre flagelo dos pobres a quem enganadoramente proclama defender.

ENCONTRO FRANCISCO–KIRILL: PREOCUPANTES DIMENSÕES POLÍTICAS

Publicado em: 08-02-2016 | Por: bidueira | Em: Eleições americanas, Esquerda católica, Festas religiosas, Perseguição religiosa, Política Internacional

0

Agencia Boa Imprensa

ENCONTRO FRANCISCO–KIRILL: PREOCUPANTES DIMENSÕES POLÍTICAS

Gonzalo Guimaraens – Destaque Internacional

Francisco e Kirill

O anunciado encontro em Havana entre o Papa Francisco e o Patriarca ortodoxo de Moscou Kirill, que será realizado na próxima sexta-feira (12 de fevereiro), possui importantes dimensões religiosas, que os especialistas estão se encarregando de comentar; ao mesmo tempo, o tal encontro contém dimensões políticas também importantes. Esquematicamente, seguem enumerados alguns exemplos preocupantes sob o ponto de vista político. Leia mais…

A imaginação no poder

Publicado em: 05-02-2016 | Por: bidueira | Em: Eleições americanas, Política Internacional

0

Agência Boa Imprensa

A imaginação no poder

Péricles Capanema

Em maio de 1968 os estudantes na Paris convulsionada proclamavam comunismo de face nova, autogestionário e utópico, oposto ao socialismo burocrático da União Soviética. Dois slogans provocaram coceira mais intensa: L’imagination au pouvoir e Soyons réalistes, demandons l’impossible (a imaginação ao poder; sejamos realistas, reclamemos o impossível). Têm algo deboutade, mas eram anúncio de enorme mudança.

Leia mais clicando aqui