Matérias em Destaque

Mais um projeto de lei equivocado para modificar o... Pela Legitima Defesa Cel. Paes de lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=tSzpv6N5ui8

Leia mais...

Idoso defende o lar e repele roubo. Enquanto isso,... PLD em foco Cel. Pes de Lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=OP81V6lfdCQ

Leia mais...

Entram em vigor (ou não!?) novos decretos regulamentadores... Pela Legitima Defesa em Foco Cel. Paes de Lira comenta https://www.pelalegitimadefesa.org.br/npld/

Leia mais...

Voto de semideus não surpreende, embora nos indigne:... PLD em Foco Cel. Paes de Lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=hQLuF6YRL4I Voto de semideus não surpreende, embora nos indigne: é o mecanismo de anulação do Executivo em ação

Leia mais...

PÚSTULAS DILETAS  "...Salvador Allende implantou enérgico programa de comunistização do Chile sem recorrer a legislação nova. Com base em legislação de governos burgueses, “los resquicios legales”, pôde impor...

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

CABE??A FRIA

Publicado em: 26-06-2016 | Por: bidueira | Em: Pol??tica Internacional, Uni??o Europ??ia

0

Agencia Boa Imprensa

Cabe??a fria

P??ricles Capanema

O Reino Unido est?? potencialmente fora da Uni??o Europeia (UE), 51,9 a 48,1% a favor da sa??da. No fundo, ningu??m acreditava que depois de uma perman??ncia de 43 anos, ele lhe viraria as costas. O mundo amanheceu em estado de choque.

Ou foi apenas a Inglaterra? Ela pode sair s??, os dois outros pa??ses votaram pela perman??ncia. Nicola Sturgeon, primeira-ministra da Esc??cia anunciou ???discuss??es imediatas??? com Bruxelas e pa??ses da UE para ???proteger o lugar do pa??s no bloco???. Confirmou: ???O segundo referendo de independ??ncia ?? claramente uma op????o que deve estar sobre a mesa, e est?? sobre a mesa???. Por sua vez, a Irlanda do Norte tamb??m abriga setores importantes que desejam se unir ?? Rep??blica da Irlanda, membro da UE. Esta mesma divis??o se manifestou candente quanto a regi??es, grandes cidades versus interior, faixas de idades, faixas de renda, faixas de escolaridade.

Ou seja, esfacelou-se pol??tica e socialmente o Reino Unido e j?? apareceram iniciativas querendo consertar o estrago. Circula peti????o ao Parlamento para que novo plebiscito seja convocado, passam de 2,5 milh??es as assinaturas (na hora que escrevo). Esperam que o ingl??s, repensando o voto, anule o antes impens??vel, por ora aparentemente irrevers??vel.

O terremoto ingl??s causou tremores na Europa inteira: existem movimentos reclamando plebiscitos em v??rios pa??ses. Putin disp??e de momento de mais liberdade de a????o.

O que vir??? Ningu??m sabe, confus??o nos mercados, nas chancelarias e nas cabe??as. Pensar ?? distinguir. Ent??o, vamos pensar, distinguindo, destacando em particular dois pontos.

Afirmam analistas, a raz??o maior do voto Brexit foi o temor xen??fobo da imigra????o descontrolada no Reino Unido que amea??aria empregos, servi??os sociais e a cultura do pa??s. Em termos. Os jovens, ainda que os maiores amea??ados pela perda de empregos, votaram maci??amente para permanecer. Pesou aqui o cosmopolitismo. E os velhos, boa parte j?? aposentada, sentiriam ent??o mais a amea??a cultural e votaram em maioria pelo Brexit. As grandes capitais, de maioria cosmopolita, pela perman??ncia; o interior, apegado aos costumes, pela sa??da. A mais, a muitos irritava a ditadura burocr??tica de Bruxelas, 40 mil funcion??rios e, em alguns, a agenda libert??ria.

Mudo o ponto de vista. Alguns comentaristas destacam, vejo raz??o neles, pesou em propor????o dif??cil de avaliar a nostalgia da Inglaterra tradicional, poderosa, com seu tra??o de insularidade e soberania altiva. Com efeito, deixaram marcas profundas na mentalidade inglesa a Guerra dos Cem Anos, o epis??dio da Invenc??vel Armada, as disputas com Lu??s XIV, as batalhas contra Napole??o, a oposi????o ?? Alemanha na 1?? Grande Guerra, a luta contra Hitler. Exprimem a posi????o de um pa??s que se sente amea??ado pela pot??ncia dominante no Continente. Este tipo de ingl??s se cansou de se sentir dependente de Bruxelas. Em reto, o passado cobrou sua fatura. ?? antip??tico? N??o, de si ?? saud??vel a afirma????o da personalidade pr??pria e a defesa de suas liberdades e direitos. Nesse aspecto, merece simpatias o voto Brexit.

Viro a p??gina. A Europa sempre teve necessidade de alguma uni??o pol??tica para garantir a conviv??ncia interna civilizada e ser escudo contra agress??es de inimigos. Tal necessidade, ideal perene, esteve entre os fundamentos da multissecular pol??tica da Rep??blica de Roma, depois do Imp??rio Romano e foi aspira????o carol??ngia, bafejando a coroa????o de Carlos Magno?? no Natal do ano 800 pelo Papa Le??o III. Inspirou o Sacro Imp??rio, fez parte da pol??tica secular dos Habsburgos. Napole??o representou concep????o desnaturada do mesmo anseio. Hitler tamb??m dele se aproveitou criminosamente. Em dito contexto, os Papas em muitas ??pocas e ocasi??es foram ponto de uni??o, harmoniza????o e defesa da Europa. S??o exemplos o encontro de s??o Le??o Magno com ??tila em 452 e a ida de Henrique IV a Canossa em 1077 para pedir perd??o a s??o Greg??rio VII..

Na recente crise ucraniana, Putin sentiu a for??a dessa pol??tica multissecular. Em Moscou, diante do autocrata russo, maio de 2015, Angela Merkel, de alguma maneira falando pela Europa, advertiu-o com nota intimidadora: ???Nos ??ltimos anos procuramos de modo crescente a coopera????o [da R??ssia e Alemanha]. A anexa????o criminosa e ilegal da Crimeia e a guerra na Ucr??nia oriental representaram s??ria derrota nessa coopera????o???. Ali??s, at?? agora foram dela as mais sensatas e construtivas palavras na presente crise: ???A Uni??o Europeia n??o precisa ser dura com os brit??nicos???.

N??o conv??m subestimar o perigo latente. A sa??da da Inglaterra pode ser enorme passo no rumo do desconjuntamento e da desagrega????o europeia, que entre outras sequelas ficaria mais exposta ao poder russo, em especial Pol??nia, Hungria, pa??ses b??lticos, pa??ses n??rdicos. A Europa estaria ainda em condi????es pioradas para fazer frente ao poder isl??mico expansionista e ??s manobras imperialistas de Beijing.

De outro lado, a advert??ncia do voto ingl??s pode ter efeito saud??vel. Como inst??ncia suprema, ?? Europa n??o ajuda um poder intervencionista, burocr??tico, libert??rio em temas morais. Precisa, isso sim, de um poder de harmoniza????o e defesa que respeite o princ??pio de subsidiariedade, bem como tenha em considera????o direitos de povos, regi??es e fam??lias.

Havendo sa??da de algum pa??s, que sejam preservados os mais decisivos interesses europeus; se houver perman??ncia, que daqui em diante n??o sejam mais lesionados direitos de povos, regi??es e fam??lias.

Ap??s massacre de Orlando, investida da campanha pelo desarmamento

Publicado em: 25-06-2016 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, PLD em Foco, Seguran??a P??blica, SITUA????O NACIONAL, Terrorismo

0

PLD em Foco

Cel. Paes de Lira comenta

1. Atentado em??boate homossexual nos Estados Unidos, d?? pretexto para recome??o de??campanha pelo desarmamento no Brasil.
2. Arma utilizada pelo criminoso que matou a deputada na Inglaterra era de fabrica????o caseira.
3. Quando uma pessoa est?? decidida a matar algu??m, at?? uma caneta pode ser o instrumento do homic??dio.

Temor reverencial por tumores de estima????o

Publicado em: 21-06-2016 | Por: bidueira | Em: DIREITO DE PROPRIEDADE, PT, REVOLU????O DE 64, SITUA????O NACIONAL

0

Agencia Boa Imprensa

 

Temor reverencial por tumores de estima????o

P??ricles Capanema

 

Um doente mentalmente saud??vel tem horror de seus tumores. Quanto maior a repulsa, mais saud??vel na cabe??a.

Corta. Todos os esc??ndalos nos ??ltimos anos no Brasil tiveram estatais como piv??. Podem escrever, tamb??m o pr??ximo. O ??ltimo deles, o petrol??o, sai da Petrobr??s e da Transpetro, subsidi??ria daquela. Bastaria investigar outras estatais, por exemplo, a Eletrobr??s e ter??amos o eletrol??o; se fosse o BNDES n??o sei qual nome fantasia poderia ser o escolhido. Revelados pelo senador Ronaldo Caiado, vejam os empr??stimos feitos pelo governo Dilma via BNDES no meio da crise aguda de falta de dinheiro e me??am o disparate: R$ 14 bilh??es para Angola; R$ 11 bilh??es para Venezuela; R$ 8 bilh??es para Rep??blica Dominicana; R$ 7,8 bilh??es para Argentina; R$ 3 bilh??es para Cuba; R$ 2 bilh??es para o Peru; R$ 1,5 bilh??o para Mo??ambique; R$ 980 milh??es para Guatemala; R$ 795 milh??es para o Equador; R$ 755 para Gana; R$ 507 milh??es para Honduras e R$ 155 milh??es para Costa Rica. Imaginem o que existe a?? de favorecimentos.

 

A estrutura dos repetidos esc??ndalos ?? a mesma. Os fornecedores, para continuar trabalhando para a empresa contratante, a estatal, precisam contribuir por dentro (propinas registradas como doa????es legais) e por fora para os partidos que indicam os diretores. Se n??o contribu??rem (os repasses, em linguagem euf??mica; hoje conhecidos por pixulecos e acaraj??s), encontrar??o dificuldades, podem at?? deixar de ser fornecedoras. Para muitas empreiteiras seria a fal??ncia, pois seu ??nico cliente (ou o maior deles) ?? o Poder P??blico. No caso do BNDES muda apenas um ponto, o tomador do empr??stimo; perderia facilidades para o cr??dito subsidiado se recusasse encaminhar os repasses para os devidos destinat??rios. N??o custa lembrar, a principal fun????o dos diretores nomeados por indica????o pol??tica ?? fazer caixa para os partidos. E no caminho da grana, boa parte fica no bolso dos diretores, de l??deres partid??rios e de intermedi??rios.

 

No ponto de partida dos esc??ndalos temos sempre o gigantismo estatal. Atividades econ??micas naturalmente da al??ada de particulares s??o exercidas de forma desastrosa pelo Poder P??blico.

 

Seria normal protesto generalizado pela extin????o desse mal. N??o o escuto. Ou??o, pelo contr??rio, Pedro Parente, o novo presidente da Petrobr??s, em declara????o dispens??vel: ???N??o vim para cuidar de privatiza????o da Petrobras. N??o vou perder tempo com essa quest??o???. Sou chocado ainda por afirma????es, como a de Rodrigo Janot, de que ???roubaram o orgulho dos brasileiros pela sua Companhia???. N??o o meu, nem de muita gente. Tinha raz??o Roberto Campos em lhe trocar o nome de Petrobr??s para Petrossauro, para ele, anacronismo pr??-hist??rico dos tempos do estatismo delirante.

 

?? que o uso do cachimbo faz a boca torta. Desde 1930 a maioria dos governos entre n??s tem chamado para si a principal responsabilidade pela busca de melhores condi????es de vida para os brasileiros, em especial os de baixa renda. ?? certo, precisam mais do apoio estatal e este, na medida do razo??vel, deve existir. Mas v??o muito al??m, chafurdam com del??cias nos p??ntanos do intervencionismo e do estatismo.

 

L?? atr??s, um exemplo, o governo Geisel impediu a entrada da iniciativa privada no setor do petr??leo. A produ????o estagnada tornava necess??rias as compras de ??leo no Exterior. Com o andar do tempo, a d??vida externa chegou a patamares explosivos. Comentou Delfim Netto, conhece bem o assunto: ???Quem quebrou o Brasil foi o Geisel. O Geisel era o presidente da Petrobras. Quando houve a crise do petr??leo, as reservas eram praticamente iguais a um ano de exporta????o, n??o tinha d??vida. A d??vida foi feita no governo Geisel. O Geisel, na verdade, era o portador da verdade. O Geisel sempre tinha a verdade pronta???. Algo parecido aconteceu com a antipatia dos governos petistas ?? presen??a do capital privado na explora????o do pr??-sal. Jogamos fora a oportunidade, o Brasil n??o andou para frente, o governo n??o p??s na burra bilh??es de d??lares em impostos. Mais uma vez, mistura mortal de nacionalismo, esquerdismo e estatismo. O acima mencionado Roberto Campos, ir??nico, acertou que no futuro ???campanhas econ??mico-ideol??gicas, como a do “petr??leo ?? nosso”, deixar??o de ser descritas como uma marcha de patriotas esclarecidos para serem vistas como uma prociss??o de fetichistas anti-higi??nicos, capazes de transformar um l??quido fedorento num unguento sagrado. Foi uma “passeata da anti-raz??o” que criou s??rias deforma????es culturais, inclusive a propens??o funesta ??s “reservas de mercado”. ?? sempre assim, fundadas como solu????o, as estatais logo se transformam em focos de inoper??ncia, favoritismo e corrup????o.

 

Lembrei acima, o uso do cachimbo faz a boca torta. ?? verdade, cria o costume, da?? nasce a mentalidade, que inibe a busca da solu????o pelo esfor??o pessoal. Faz enorme falta entre n??s o gosto da autonomia. E s?? crescem as sociedades embebidas de autonomia.

 

Em setores amplos do Brasil, e n??o apenas na esquerda, fazem coro tamb??m nacionalistas boc??s, medra enraizado xod?? pelo estatismo e seu xif??pago, o intervencionismo. A maneira como se referem ?? Petrobr??s, elidindo a cr??tica ?? concep????o errada j?? no come??o, evidencia sil??ncio obsequioso e at?? temor reverencial. E, raras as exce????es, elas s??o focos infecciosos, deitam met??stases na sociedade e na pol??tica. Anda ainda muito insuficiente a avers??o.

MASSACRE DE ORLANDO – AINDA O R-105

Publicado em: 17-06-2016 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, DIREITO DE PROPRIEDADE, PLD em Foco, Seguran??a P??blica, SITUA????O NACIONAL, Terrorismo

0

PLD em Foco

Cel. Paes de Lira comenta

Publicado em 16 de jun de 2016

1. O massacre de Orlando e suas implica????es com as armas.
2. Ainda a quest??o do R – 105. General agradece contribui????es e o Deputado Eduardo Bolsonaro comenta o encontro com o Ex??rcito sobre o assunto. Alguns reparos.

Clique aqui para assistir o v??deo.

https://www.youtube.com/watch?v=9YhMVgC3RyM

 

Trooping the Colour 2016

Publicado em: 14-06-2016 | Por: bidueira | Em: Fam??lia, VIAGENS

0

No 90o. anivers??rio da Rainha Elizabeth II, as homenagens de Semper Fidelis.

Clique aqui e assista o v??deo.

 

Atiradores desportivos insatisfeitos com o Ex??rcito Brasileiro

Publicado em: 10-06-2016 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, PLD em Foco, Seguran??a P??blica, SITUA????O NACIONAL

0

PLD em Foco

Cel. Paes de Lira comenta

 

PL visa aprovar porte de armas para advogados

Publicado em: 03-06-2016 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, DIREITO DE PROPRIEDADE, PLD em Foco, Seguran??a P??blica, SITUA????O NACIONAL

0

PLD em Foco

Cel. Paes de Lira comenta:

1. Senador Magno Malta recusa relatoria sobre projeto de lei do Senador Crist??vam Buarque.
2. PL que visa garantir o direito de porte de arma para a classe dos advogados.
3. Em uma lei sobre tributos, um jaboti.