Matérias em Destaque

Senado: Comissão de Constituição e Justiça propõe... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Pela Legítima Defesa - Publicado em 15 de dezembro de 2017 Uma boa notícia: a CCJ propõe a revogação do Estatuto do Desarmamento, mas outros Projetos...

Leia mais...

Alguns pensam que a lei 13497 será aplicada com razoabilidade,... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Pela Legitima Defesa Publicado em 23 de nov de 2017 Não se iludam. Pela simples posse de um cartucho calibre 22, um cidadão foi preso e seu recurso...

Leia mais...

PL do Senado 378/2017: boa iniciativa. E felicitações... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Publicado em 16 de nov de 2017 Um projeto no Senado e outro na Câmara começam a tomar o rumo certo: a defesa dos direitos à legítima defesa do cidadão...

Leia mais...

Caso Sutherland Springs confirma tese da legítima... PLD em Foco Cel. Paes de Lira comenta Pela Legitima Defesa Publicado em 9 de nov de 2017 Caso Sutherland Springs confirma tese da legítima defesa: cidadão armado obstou massacre mais...

Leia mais...

O povo festeja a vitória popular no Referendo de 2005.... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta O povo festeja a vitória popular no Referendo de 2005. Mas senador viola a soberana decisão popular. Senador Cristóvão Buarque re-apresenta no Senado...

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Humilhação e Esperança-A viagem de Temer à China

Publicado em: 09-09-2017 | Por: bidueira | Em: CHINA, DIREITO DE PROPRIEDADE, Política Internacional, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL

0

Agência Boa imprensa

GPS do Agronegócio

Blog do Péricles Capanema

Humilhação e esperança

Péricles Capanema

A viagem do presidente Michel Temer a Pequim deu origem a 14 acordos. Deixo de lado o memorando de cooperação relativo ao futebol e outros penduricalhos. Falo sobre financiamentos oficiais da China ao Brasil e compra de ativos de empresas brasileiras por estatais chinesas.

A propósito e de passagem, durante os dias em que Temer lá esteve, a estatal chinesa CMPort (China Merchant Port) comprou por R$2,9 bilhões 90% do TCP, terminal de cargas de Paranaguá. O terminal movimenta 10% dos contêineres no Brasil. A CMPort, agora dona, assim anunciou a nova propriedade em seu site: “A CMPort compra 90% do segundo maior porto do Brasil. A China Merchant Port Holdings Company Limited (CMPort) tem a satisfação de anunciar que comprará 90% do Porto de Paranaguá”. Ainda no site se pode ler: “O China Merchant Group é um conglomerado de propriedade estatal.” Administra ativos próximos a US$1 trilhão, teve lucro de aproximadamente U$8 bilhões no ultimo exercício. É estatal semelhante à Petrobrás no Brasil, com ações negociadas em Bolsa. Qualquer director só é nomeado com o acordo do governo e do Partido Comunista Chinês. De outro modo,longa manus do governo e do PC chineses. A garra se fincou no porto de Paranaguá.

Volto aos resultados da viagem do presidente Michel Temer selecionando trechos de ampla notícia do diário espanhol El Pais — são destaques meus os NB: “As autoridades chinesas respaldaram na sexta-feira o programa de privatizações realizado pelo presidente Michel Temer. O presidente chinês Xi Jinping insistiu no aumento dos intercâmbios econômicos entre as duas nações, e indicou novos investimentos de seu país ‘nos setores energético, agrícola e de infraestrutura’ do Brasil. São, justamente, parte das áreas que Temer quer abrir ao setor privado, acreditando que a China desempenhará um papel determinante. Os dois países assinaram 14 acordos bilaterais, dentre os quais se destacam a aprovação de uma nova linha de crédito de 300 milhões de dólares [NB: crédito estatal] ao Banco do Brasil e outro preparatório para que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) receba uma linha de 3 bilhões de dólares [NB, outra vez, crédito estatal] uma confirmação de que a China tem se tornado o grande banqueiro do Brasil [NB: repito, dinheiro de bancos estatais chineses]. Na área da infraestrutura, a empresa chinesa State Grid [NB: estatal] assinou a licença para as obras da linha de alta tensão entre o Xingu e o Rio de Janeiro, enquanto a China Communication and Construction Company [NB: estatal] investirá 700 milhões de dólares na construção de um terminal de uso privado no porto de São Luís. A China National Nuclear Corporation [NB: estatal] assinou também um memorando de entendimento com a Eletrobras para continuar com a construção da usina nuclear de Angra III. Afirmou Zhang Run, subdiretor para a América Latina e o Caribe no Ministério das Relações Exteriores chinês: “O Governo continuará incentivando as empresas chinesas a participarem ativamente na cooperação econômica e comercial com os países da América Latina, incluindo o Brasil e a Venezuela”. Sobre o programa de privatizações disse a El País Li Yinsheng, executivo-chefe da China Three Gorges Brazil [NB: estatal], que opera duas das maiores hidrelétricas do país, em Ilha Solteira e em Jupiá”: “Temos interesse nesse plano”. Aviso de novo: em princípio, acho benéfica a presença de capital estrangeiro privado no Brasil, sou favorável a privatizações e concessões, mas não desse jeito. Está em jogo a soberania nacional; mais fundo, nosso futuro de nação cristã, com raízes ocidentais.

Este artigo, em parte, é costura de citações. O motivo, escrevi tantas vezes sobre o tema que me dispenso de repetir aqui o que lá atrás já denunciei. Uma constatação resume tudo: estatais chinesas, dirigidas pelo governo e pelo Partido Comunista Chinês (PCC), estão avançando com garganta de jacaré sobre a economia brasileira. E o maior parceiro comercial do Brasil é a China comunista. Como resultado, querendo ou não, aqui também é constatação, vamos sendo arrastados da condição de país formalmente independente e soberano para a de, na prática, protetorado chinês, no caso sujeitos a um poder despótico, ateu, coletivista e totalitário. Não adiante chiar, fechando olhos para fato óbvio. Daqui a quanto tempo? Não sei; é claro o rumo, porém.

Continuo voz isolada, mas aqui e ali começam a pipocar constatações parecidas. É um bico de gás de esperança. Um sintoma, vejam extratos do editorial do Estadão, 5 de setembro: “Futebol de um lado, dinheiro e tecnologia do outro, isso resume a maior parte dos atos assinados por brasileiros e chineses. Muitos bilhões de dólares em créditos e investimentos. Os chineses passarão a controlar ativos importantes na área da infraestrutura. Os atos assinados remetem a uma deprimente história de erros do lado brasileiro. O governo brasileiro converteu o País em fornecedor de matéria-prima para o mercado chinês, numa relação semicolonial”. Relação semicolonial. De um lado, a semicolônia; do outro, a semimetrópole.

A primeira luzinha de esperança é ter nitidez sobre a gravidade do quadro. Começo a perceber. Cegos não vão  a lugar algum Outro ponto, vem apagando entre nós difuso otimismo superficial, amigo do devaneio, enraizado em ufanismo nacionalisteiro.

Serei sintético, só tratarei de um ponto, o espaço acabou. Por causa de sofrimentos e dificuldades, afirmou Nelson Rodrigues “aprendi a ser o máximo possível de mim mesmo”. Grande programa, vale para pessoas, escolas, empresas, nações. O Brasil sairá da humilhação, se aprender a ser o máximo possível de si mesmo, entendendo logo, o mais importante é favorecer condições para buscar a plenitude em todos os âmbitos. Trabalhando para que, em clima de harmonia social, temperança e diferenças proporcionadas, haja estímulo às potencialidades de cada um. Quanto mais melhor. É programa para pais, religiosos, líderes políticos e empresariais. Seriedade na família, esforço na escola, liberdade, garantias à propriedade e livre iniciativa na economia. Ajudado por Deus, o Brasil aprenderá assim a ser o máximo póssível de si mesmo.

 

Deixe um Comentário!