Matérias em Destaque

Raul Jungmann, agora com maior poder, continua a prejudicar... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta É inútil esperar que o atual Ministro Raul Jungmann mude sua posição https://www.youtube.com/watch?v=WXtIKB_nCWo&feature=push-u-sub&attr_tag=iVvMsVqbZF1ajsqu%3A6

Leia mais...

Associações de Magistrados batem-se por direito incondicional... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Associações de Magistrados batem-se por direito incondicional de porte de arma de fogo à categoria https://www.youtube.com/watch?v=FNwXIxhmGAI&feature=push-u-sub&attr_tag=BGahX022eiK3-Jdt-6

Leia mais...

Enquete com presidenciáveis sobre o estatuto do desarmamento... PLD em Foco Coronel Paes de Lira Comenta Enquete com presidenciáveis sobre o estatuto do desarmamento mostra algumas posições inusitadas. https://www.youtube.com/watch?v=KatPyZlym3s&feature=em-uploademail

Leia mais...

Relatora Simone Tebet fulmina PLS 176/2011. Bom será... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Relatora Simone Tebet fulmina PLS 176/2011. Bom será que Petecão o mesmo faça com o PDS 175/2017 https://www.youtube.com/watch?v=rhrmMQaUy70&feature=push-u-sub&attr_tag=bNr0Up7tE8OitpxN-6

Leia mais...

Copa do Mundo em Helsinque Copa do Mundo em Helsinque  Péricles Capanema  A final da Copa do Mundo se dará em 15 de julho no Estádio Luzhniki, em Moscou. Grandes repercussões esportivas, celebrações e tristezas, que pouco...

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Humilhação e Esperança-A viagem de Temer à China

Publicado em: 09-09-2017 | Por: bidueira | Em: CHINA, DIREITO DE PROPRIEDADE, Política Internacional, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL

5

Agência Boa imprensa

GPS do Agronegócio

Blog do Péricles Capanema

Humilhação e esperança

Péricles Capanema

A viagem do presidente Michel Temer a Pequim deu origem a 14 acordos. Deixo de lado o memorando de cooperação relativo ao futebol e outros penduricalhos. Falo sobre financiamentos oficiais da China ao Brasil e compra de ativos de empresas brasileiras por estatais chinesas.

A propósito e de passagem, durante os dias em que Temer lá esteve, a estatal chinesa CMPort (China Merchant Port) comprou por R$2,9 bilhões 90% do TCP, terminal de cargas de Paranaguá. O terminal movimenta 10% dos contêineres no Brasil. A CMPort, agora dona, assim anunciou a nova propriedade em seu site: “A CMPort compra 90% do segundo maior porto do Brasil. A China Merchant Port Holdings Company Limited (CMPort) tem a satisfação de anunciar que comprará 90% do Porto de Paranaguá”. Ainda no site se pode ler: “O China Merchant Group é um conglomerado de propriedade estatal.” Administra ativos próximos a US$1 trilhão, teve lucro de aproximadamente U$8 bilhões no ultimo exercício. É estatal semelhante à Petrobrás no Brasil, com ações negociadas em Bolsa. Qualquer director só é nomeado com o acordo do governo e do Partido Comunista Chinês. De outro modo,longa manus do governo e do PC chineses. A garra se fincou no porto de Paranaguá.

Volto aos resultados da viagem do presidente Michel Temer selecionando trechos de ampla notícia do diário espanhol El Pais — são destaques meus os NB: “As autoridades chinesas respaldaram na sexta-feira o programa de privatizações realizado pelo presidente Michel Temer. O presidente chinês Xi Jinping insistiu no aumento dos intercâmbios econômicos entre as duas nações, e indicou novos investimentos de seu país ‘nos setores energético, agrícola e de infraestrutura’ do Brasil. São, justamente, parte das áreas que Temer quer abrir ao setor privado, acreditando que a China desempenhará um papel determinante. Os dois países assinaram 14 acordos bilaterais, dentre os quais se destacam a aprovação de uma nova linha de crédito de 300 milhões de dólares [NB: crédito estatal] ao Banco do Brasil e outro preparatório para que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) receba uma linha de 3 bilhões de dólares [NB, outra vez, crédito estatal] uma confirmação de que a China tem se tornado o grande banqueiro do Brasil [NB: repito, dinheiro de bancos estatais chineses]. Na área da infraestrutura, a empresa chinesa State Grid [NB: estatal] assinou a licença para as obras da linha de alta tensão entre o Xingu e o Rio de Janeiro, enquanto a China Communication and Construction Company [NB: estatal] investirá 700 milhões de dólares na construção de um terminal de uso privado no porto de São Luís. A China National Nuclear Corporation [NB: estatal] assinou também um memorando de entendimento com a Eletrobras para continuar com a construção da usina nuclear de Angra III. Afirmou Zhang Run, subdiretor para a América Latina e o Caribe no Ministério das Relações Exteriores chinês: “O Governo continuará incentivando as empresas chinesas a participarem ativamente na cooperação econômica e comercial com os países da América Latina, incluindo o Brasil e a Venezuela”. Sobre o programa de privatizações disse a El País Li Yinsheng, executivo-chefe da China Three Gorges Brazil [NB: estatal], que opera duas das maiores hidrelétricas do país, em Ilha Solteira e em Jupiá”: “Temos interesse nesse plano”. Aviso de novo: em princípio, acho benéfica a presença de capital estrangeiro privado no Brasil, sou favorável a privatizações e concessões, mas não desse jeito. Está em jogo a soberania nacional; mais fundo, nosso futuro de nação cristã, com raízes ocidentais.

Este artigo, em parte, é costura de citações. O motivo, escrevi tantas vezes sobre o tema que me dispenso de repetir aqui o que lá atrás já denunciei. Uma constatação resume tudo: estatais chinesas, dirigidas pelo governo e pelo Partido Comunista Chinês (PCC), estão avançando com garganta de jacaré sobre a economia brasileira. E o maior parceiro comercial do Brasil é a China comunista. Como resultado, querendo ou não, aqui também é constatação, vamos sendo arrastados da condição de país formalmente independente e soberano para a de, na prática, protetorado chinês, no caso sujeitos a um poder despótico, ateu, coletivista e totalitário. Não adiante chiar, fechando olhos para fato óbvio. Daqui a quanto tempo? Não sei; é claro o rumo, porém.

Continuo voz isolada, mas aqui e ali começam a pipocar constatações parecidas. É um bico de gás de esperança. Um sintoma, vejam extratos do editorial do Estadão, 5 de setembro: “Futebol de um lado, dinheiro e tecnologia do outro, isso resume a maior parte dos atos assinados por brasileiros e chineses. Muitos bilhões de dólares em créditos e investimentos. Os chineses passarão a controlar ativos importantes na área da infraestrutura. Os atos assinados remetem a uma deprimente história de erros do lado brasileiro. O governo brasileiro converteu o País em fornecedor de matéria-prima para o mercado chinês, numa relação semicolonial”. Relação semicolonial. De um lado, a semicolônia; do outro, a semimetrópole.

A primeira luzinha de esperança é ter nitidez sobre a gravidade do quadro. Começo a perceber. Cegos não vão  a lugar algum Outro ponto, vem apagando entre nós difuso otimismo superficial, amigo do devaneio, enraizado em ufanismo nacionalisteiro.

Serei sintético, só tratarei de um ponto, o espaço acabou. Por causa de sofrimentos e dificuldades, afirmou Nelson Rodrigues “aprendi a ser o máximo possível de mim mesmo”. Grande programa, vale para pessoas, escolas, empresas, nações. O Brasil sairá da humilhação, se aprender a ser o máximo possível de si mesmo, entendendo logo, o mais importante é favorecer condições para buscar a plenitude em todos os âmbitos. Trabalhando para que, em clima de harmonia social, temperança e diferenças proporcionadas, haja estímulo às potencialidades de cada um. Quanto mais melhor. É programa para pais, religiosos, líderes políticos e empresariais. Seriedade na família, esforço na escola, liberdade, garantias à propriedade e livre iniciativa na economia. Ajudado por Deus, o Brasil aprenderá assim a ser o máximo póssível de si mesmo.

 

Comentários (5)

No (des)governo Sarney iniciou-se o processo de destruição da base econômica nacionalista montada pelos governos militares que levou o Brasil da 40ª para a 8ª economia mundial. Collor deu seguimento, acompanhado pelo FHC cujo procedimento originou o termo “Privataria Tucana), com explícita vontade de destruir nossas mais destacadas estatais. Já Lula e Dilma deram continuidade pela corrupção. Temer dá continua o processo pela venda de nossas estatais a estatais estrangeiras. Até quando ?

Excelente matéria. Parabéns

Prezado Sérgio Bidueira, meus cumprimentos pelo oportuno artigo. Realmente é preocupante o relacionamento deste governo com o governo chinês e a evidente constatação de que nos transformaremos num protetorado daquela país comunista. Mal nos livramos dos bolivarianos e agora isso. Livra-nos da China será muito mais difícil.

É interessante notar que a mídia tupiniquim é toda a favor da privatização, mas ninguém reclama quando o adquirente é uma outra estatal. Será que só as nossas estatais são ineficientes?
A função de uma estatal é promover o desenvolvimento em seu país. Daí podemos depreender que todas as compras dessas empresas privatizadas serão feitas na China.

Excelente texto e informaçao! que malditos esse governo! continua fazendo um desmonte no Brasil!
Provavel guerra civil! e ou guerra louca de brasileiros contra brasileiros e com outros paises!

Deixe um Comentário!