Matérias em Destaque

Finalmente editado, o decreto regulamentador do Estatuto... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Finalmente editado, o decreto regulamentador do Estatuto do Desarmamento é bom e pode melhorar https://www.youtube.com/watch?v=ysedgYDpg8Y&feature=push-sd&attr_tag=0ZCupDyFDnF_zbCs%3A6

Leia mais...

Brava mulher comerciante reage a roubo à bala e põe... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Brava mulher comerciante reage a roubo à bala e põe ladrão armado fora de ação https://www.youtube.com/watch?v=qsxLKqPGf Errata: O Cel. Paes de Lira...

Leia mais...

Tardança do anunciado decreto de Bolsonaro para facilitar... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=oFKAtVYn-vg

Leia mais...

Extorsão Indígena Extorsão indígena 7 de abril de 2019 Eugenio Trujillo Villegas* O sudoeste da Colômbia continua inexplicavelmente paralisado, situação que persiste há quase um mês. O exército, a polícia,...

Leia mais...

Anemia do abril vermelho Anemia do abril vermelho  Péricles Capanema  Desde 1997 o MST promove o abril vermelho. Financiado com dinheiro público, o gigantesco show de agitações reclamou sempre a radicalização da reforma...

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

NUMA IDA À PADARIA, QUATRO BANDIDOS, MUITAS FACADAS

Publicado em: 23-12-2017 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, PLD em Foco, PT, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL

0

NUMA IDA À PADARIA, QUATRO BANDIDOS, MUITAS FACADAS

por Percival Puggina. Artigo publicado em 14.12.2017

Embrenhou-se na selva porto-alegrense para a arrojada tarefa de comprar pão na padaria da esquina. Saiu desarmado, como manda a imprudente lei. E não voltou para casa. O professor foi dali para o hospital, com múltiplas facadas desferidas, simultaneamente, por quatro homicidas que fugiram levando algum troco e um celular. Desde sábado está entre a vida e a morte.

Não preciso da investigação para saber que as quatro bestas humanas têm uma ficha criminal mais comprida do que a tolerância da legislação brasileira. Ninguém ingressa no banditismo atacando um idoso a facadas em rua central da cidade. Não, esses monstros receberam da lei penal, do sistema penitenciário, dos “direitos humanos”, dos filósofos e dos aplicadores do garantismo penal, dos partidos de esquerda adversários declarados da atividade policial, todo o tempo e toda a indulgência necessários para se desenvolverem em suas carreiras. São apenas quatro entre centenas de milhares que respondem por milhões de furtos e roubos, notificados e não notificados e por mais de meio milhão de homicídios anuais. Não se chega a esses números sem deixar verdadeira multidão de criminosos liberados para ações repetitivas, não raro após audiências de custódia nas quais tudo recomenda conceder a preventiva. Mas a conveniência da sociedade, vulnerável e indefesa, nada pode contra os inalienáveis direitos dos criminosos.

O professor foi atacado com silenciosas armas brancas, que não fazem alarde, não acionam a polícia e não despertam nenhuma câmera de celular. E dão prova de que o desarmamento da população ordeira pressupõe uma tolice: a de que os crimes são cometidos pelas armas e não por quem tem a intenção de usá-las para o mal.

Deixe um Comentário!