Matérias em Destaque

Ficar doidão Ficar doidão Péricles Capanema  Franklin Martins não é um petista qualquer. Entre outras posições, foi alto funcionário das Organizações Globo e ministro de Lula (Comunicações). Na juventude,...

Leia mais...

Marina Silva, adolescente, defendeu-se com arma de... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Marina Silva, adolescente, defendeu-se com arma de fogo; hoje, nega-nos esse mesmo direito. https://www.youtube.com/watch?v=CYfwvrSXA_M&feature=em-uploademail

Leia mais...

Despedida do Chefe da Junta de Chefes de Estado-Maior... Texto para profunda reflexão: discurso de passagem para a reserva do General Joseph F. Dunford Jr., Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos. Postado originalmente pelo Cel Marco Balbi. Tradução:...

Leia mais...

CINZAS QUE CHORAM Paulo Roberto Campos - ABIM 2 de setembro de 2018 — mais um dia trágico de nossa História! Um incêndio muito simbólico reduziu a cinzas o Palácio de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista....

Leia mais...

Campanha presidencial do PSDB/Centrão na TV mostrar-se-á,... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Campanha presidencial do PSDB/Centrão na TV mostrar-se-á, de cara, torpemente desarmamentista https://www.youtube.com/watch?v=FZulrRvsels&feature=em-uploademail  

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

CINZAS QUE CHORAM

Publicado em: 05-09-2018 | Por: bidueira | Em: Ambientes, Costumes, Família, SITUAÇÃO NACIONAL, Tradições

0

Museu Nacional

Paulo Roberto Campos – ABIM

2 de setembro de 2018 — mais um dia trágico de nossa História! Um incêndio muito simbólico reduziu a cinzas o Palácio de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista. Também conhecido como Museu Nacional, foi residência do Rei Dom João VI e dos nossos Imperadores Dom Pedro I e Dom Pedro II no Rio de Janeiro, bem como o local onde a Imperatriz Dona Leopoldina assinou o decreto de nossa Independência, no dia 2 de setembro de 1822.

Incontáveis brasileiros viram no desleixo com que esse memorável edifício era tratado pelos últimos governos esquerdistas o desejo de incendiar a própria lembrança de nossa gloriosa história monárquica. Restam-nos as cinzas que choram. Pranteamos a perda inestimável, pranteamos o desprezo por nossas tradições, pranteamos a absurda preferência por exposições psicodélicas, extravagantes, pornográficas e até blasfemas em museus nacionais, para as quais governos desperdiçam rios de dinheiro. Como declarou o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, o palácio arruinado representa “um símbolo acabado dessa imensa destruição que políticos, homens públicos, intelectuais e outros vêm empreendendo, há décadas, contra o edifício da brasilidade”.

Vista da Quinta da Boa Vista, com o Paço de São Cristóvão, em meados do séc. XIX

Nesse mesmo sentido, o jornalista Juan Arias publica artigo intitulado Mais que um incêndio, um triste símbolo de um país que abandona a si mesmo (“El País”, 3-9-18), no qual adverte: O incêndio que destruiu o Museu Nacional do Rio, e com ele 200 anos da história do Brasil, foi mais do que um incêndio. As chamas são o triste símbolo de um país que abandona a espinha dorsal da ciência, a da cultura e da arte para privilegiar uma política mesquinha de pequenos interesses pessoais dos que deveriam ser os guardiões da maior riqueza de um país, que é a memória da sua cultura”.

Vista da Quinta da Boa Vista, com o Paço de São Cristóvão, em meados do séc. XIXEntretanto, apesar do desaparecimento desse grandioso símbolo, devemos confiar na Providência Divina. Do alto do Corcovado, o Divino Redentor vai restaurar não só o Rio de Janeiro, mas todo o Brasil e, ressurgindo-o das cinzas, torná-lo-á ainda mais glorioso do que no passado. Voltaremos a ser a verdadeira Terra de Santa Cruz, livres de qualquer influência comuno-bolivariana e da presente “Revolução Cultural”, de certo modo ainda mais avassaladora do que a de Mao-Tsé-Tung.

Em memória da época resplandecente do Palácio Imperial de São Cristóvão, transcrevemos a seguir alguns trechos do excelente livro Revivendo o Brasil-Império, de Leopoldo Bibiano Xavier (1991 – Artpress) [capa ao lado]. O contraste entre Monarquia X República; Palácio São Cristóvão X Palácio do Planalto salta aos olhos…

 

Leia mais…

 

http://www.abim.inf.br/cinzas-que-choram/#.W5AIzM5Kjcs

Deixe um Comentário!