Matérias em Destaque

MAÇÃ ENVENENADA Maçã envenenada Péricles Capanema Maçã é ótimo. A apple a day keeps the doctor away, garante velho brocardo inglês. Se podre, pode intoxicar, até matar. Vou falar sobre leilão de privatização,...

Leia mais...

Mais um projeto do Senado para plebiscito sobre desarmamento PLD em Foco Coronel Paes de lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=sJ39v9D0Blc&feature=youtu.be

Leia mais...

Próximo REPRODUÇÃO AUTOMÁTICA 2:39 Sobre a proposta... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Pela Legitima Defesa Publicado em 21 de set de 2017  Retiram o Projeto de lei de Plebiscito pela revogação do Estatuto do Desarmamento e outro senador...

Leia mais...

O dever de ajudar a Venezuela http://gpsdoagronegocio.blogspot.com.br/ www.ipco.org.br ABIM O dever de ajudar a Venezuela Péricles Capanema O normal seria hoje comentar a sórdida corrupção revelada nos últimos dias. Contudo,...

Leia mais...

Senador propõe plebiscito sobre Estatuto do Desarmamento:... PLD em Foco Coronel paes de Lira comenta Pela Legitima Defesa Publicado em 13 de set de 2017 Projeto de lei de Plebiscito pela revogação do Estatuto do Desarmamento é inoportuno desnecessário! https://youtu.be/T3MHdAiADYw

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

Imposição totalitária

Publicado em: 23-08-2017 | Por: bidueira | Em: Ambientes, Costumes, Esquerda católica, Família, Perseguição religiosa, Tradições

0

Agencia Boa Imprensa

Imposição totalitária

Péricles Capanema

A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo instalou sanitários unissex em seu campus da Rua Monte Alegre e logo procurou justificar-se: “A PUC-SP, atenta à diversidade de sua comunidade universitária, composta por alunos, professores e funcionários, buscou contemplar a todos com a implantação do banheiro unissex. A Instituição ressalta que estes sanitários são de uso comum, não direcionados a públicos específicos.”

A diversidade, formada por alunos, professores e funcionários, nunca levaria aos banheiros unissex. Diversidade aqui evoca outras realidades, que a PUC, pisando em ovos, preferiu não nomear explicitamente. Leia mais

h

Entenda o que aconteceu na Câmara com a aprovação, a toque de caixa, do PL 3376/2015

Publicado em: 19-08-2017 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, DIREITO DE PROPRIEDADE, PLD em Foco, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL

0

PLD em Foco

Coronel Paes de Lira comenta

Publicado em 19 de ago de 2017

Atenção C.A.C.s. Foi aprovada na calada da noite o PL 3376/2015 tornando o porte de armas de uso restrito CRIME HEDIONDO! Portanto, atenção!

Circular do Diretor-Executivo da PF reforça Portaria COLOG 28

Publicado em: 10-08-2017 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, DIREITO DE PROPRIEDADE, PLD em Foco, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL

0

PLD em Foco

Coronel Paes de Lira comenta

Publicado em 10 de ago de 2017

Em julho foi publicada nova portaria pelo Diretor Executivo da Polícia Federal, reforçando a portaria anterior de nº 28 COLOG

NÃO LAVO AS MÃOS NA BACIA DE PILATOS

Publicado em: 04-08-2017 | Por: bidueira | Em: CHAVES, DIREITO DE PROPRIEDADE, Esquerda católica, FARCs, Perseguição religiosa, Política Internacional, PT, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL, Terrorismo

0

Não lavo a mão na bacia de Pilatos

Péricles Capanema

Em 16 de julho, na reunião de abertura do 23º Encontro do Foro de São Paulo (organização fundada por Fidel Castro e Lula para coordenar ações de partidos esquerdistas da América Latina), realizada em Managua, capital da Nicarágua, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, entre outras abominações, das quais algumas abaixo, apoiou enfaticamente a farsa da Constituinte venezuelana: “O PT manifesta seu apoio e solidariedade ao governo do PSUV, seus aliados e ao presidente Nicolás Maduro. Temos a expectativa de que a Assembleia Constituinte possa contribuir para uma consolidação cada vez maior da revolução bolivariana”. Foi adiante na mesma direção: “Aproveitamos para manifestar nosso irrestrito apoio e solidariedade aos companheiros do Partido Comunista Cubano. Este ano comemoramos o centenário da Revolução Russa de 1917 e também o cinquentenário da queda em combate do guerrilheiro heroico o comandante Ernesto Che Guevara”. De novo o PT manifesta, em autenticidade reveladora, seus pendores tirânicos na imposição do programa socialista, orgulhoso de se colocar na esteira do comunismo russo e do comunismo cubano.

Em 30 de julho, o Conselho Eleitoral da Venezuela (CNE) anunciou que 41,53% dos eleitores elegeram a nova Assembleia Nacional Constituinte. Teriam comparecidos 8.089.320 eleitores, 41,53% do total. A oposição afirma, houve fraude escandalosa. O comparecimento terá sido de 12,4% do eleitorado. Leopoldo López e Antonio Ledezma, líderes da oposição, voltaram a ser presos, provocando grandes reações internas e internacionais O governo venezuelano, indiferente, com a medida deixava claro a intenção de radicalizar no caminho encetado.

A Conferência Episcopal Venezuelana, em sua conta do Twitter, imediatamente postou pungente súplica a Nossa Senhora de Coromoto, padroeira da Venezuela: “Virgem Santíssima, Nossa Senhora de Coromoto, padroeira celestial da Venezuela, livrai a nossa pátria das garras do comunismo e do socialismo”. Poucos dias antes, Dom Jorge Uroza, cardeal-arcebispo de Caracas, advertiu, “o país está em ruínas e as pessoas estão morrendo de fome”. Alertou ainda o Purpurado: “Falta comida, remédios, temos a inflação mais alta do mundo, o povo rechaça o governo”.

No Exterior, a Rússia tomou clara posição a favor de Nicolás Maduro: “Esperamos que aqueles membros da comunidade internacional que querem rejeitar os resultados das eleições venezuelanas e aumentar a pressão econômica sobre Caracas mostrem contenção e renunciem a estes planos destrutivos”, advertiu comunicado do Ministério do Exterior da Rússia. Cuba, Equador, Nicarágua na mesma direção de respaldo vergonhoso.

No Brasil, PT, PC do B, PSOL e PCB aprovam a tirania bolivariana. José Dirceu foi cinicamente claro: “O massivo comparecimento à eleição da Assembleia Nacional Constituinte, convocada pelo presidente Nicolás Maduro, abre um caminho institucional e democrático para resolver a crise venezuelana”. Ainda no Brasil, o PDT e Rede evitam se posicionar por razões facilmente conjeturáveis; deixar público o que sente o coração pode escandalizar e tirar votos. Por seu lado, até agora, a CNBB, histórica companheira de viagem do PT, também não se posicionou. Entristece a no mínimo lerdeza da CNBB em seguir o bom exemplo de sua irmã, a Conferência Episcopal Venezuelana. Tomara não caminhe, como é o deprimente hábito, nos passos do PT acolitando uma ditadura assassina, que esfomeia o povo, segundo palavras do cardeal-arcebispo de Caracas.

O governo brasileiro age bem, não reconhece a legitimidade da Constituinte. Diz nota do Itamaraty de 1º de agosto: “O governo brasileiro repudia a recondução ao regime fechado de Leopoldo López e Antonio Ledezma, ocorrida um dia após a votação para a escolha de uma assembleia constituinte em franca violação da ordem constitucional venezuelana. O Brasil solidariza-se com o sofrimento dos familiares de Antonio Ledezma e Leopoldo López, em particular suas mulheres, Mitzi Capriles e Lilian Tintori. A prisão de dois dos mais importantes opositores ao governo do presidente Nicolás Maduro é mais uma demonstração da falta de respeito às liberdades individuais e ao devido processo legal, pilares essenciais do regime democrático. O Brasil insta o governo venezuelano a libertar imediatamente López e Ledezma”.

O Brasil agirá em sintonia com vários países da América Latina na condenação às atitudes tirânicas do governo venezuelano. Ótimo. Na mesma direção, agirá a Comunidade Europeia. De maior importância, os Estados Unidos têm linguagem e ação mais contundente. O presidente Donald Trump declarou pouco dias antes da votação para a Constituinte: “Ontem, o povo venezuelano mais uma vez deixou claro que apoia a democracia, liberdade e a lei. Ainda assim suas ações fortes e corajosas continuam sendo ignoradas por um líder ruim que sonha em se tornar um ditador. Os Estados Unidos não ficarão parados enquanto a Venezuela desmorona. Se o regime de Maduro impuser sua Assembleia Constituinte em 30 de julho, os EUA irão tomar ações econômicas fortes e rápidas”. Já foram decretadas sanções duras. Outras virão. Condenações e sanções de países de regime democrático e de organizações internacionais de relevo estão prometidas, certamente acontecerão com efeitos benéficos.

Visto isso, o que faz aqui o título do artigo? Tudo, embora à primeira vista possa parecer o contrário. As por ora medidas tomadas pelos grandes do mundo em defesa do pequenino aos olhos dos potentados, esfomeado e tiranizado povo venezuelano são insuficientes. Gritantemente insuficientes.

Pilatos diante da turba enfurecida, reconheceu a inocência de Nosso Senhor, aliás solar. É juízo de um espírito que via com retidão e justeza. Representava ali o maior poder da Terra, falava em nome da justiça e nada fez de eficaz para defender o Justo, a seus olhos pobre um desvalido galileu. Omitiu-se, passou à História como exemplo repugnante de oportunista covarde. Ninguém levou a sério o “a vós pertence toda a responsabilidade”. Pertencia a ele. “Pilatos, vendo que nada aproveitava, mas que cada vez era maior o tumulto, tomando água, lavou as mãos diante do povo, dizendo: Eu sou inocente do sangue deste justo; a vós pertence toda a responsabilidade” (Mt, 27, 24-25).

Se os grandes da Terra lavarem as mãos na bacia de Pilatos, o homem que reconheceu a inocência de Cristo, o injustiçado povo venezuelano, como Cristo, objeto da compaixão inerte de tantos, subirá o Calvário e à vista de todos será crucificado no Gólgota pelos modernos carrascos da legítima esperança popular. Minha súplica aqui é, cada um dos grandes que agora falam, possa também proclamar com verdade: “não lavo as mãos na bacia de Pilatos”. Para isso, reverente repito a oração postada no site da Conferência Episcopal Venezuelana: ““Virgem Santíssima, Nossa Senhora de Coromoto, padroeira celestial da Venezuela, livrai a nossa pátria das garras do comunismo e do socialismo”.

Mulher texana de sessenta anos prova: legítima defesa é para qualquer idade!

Publicado em: 03-08-2017 | Por: bidueira | Em: Costumes, Desarmamento, PLD em Foco, Política Internacional, Segurança Pública

0

PLD em Foco

Coronel Paes de Lira comenta

Publicado em 3 de ago de 2017

No Estado do Texas, nos Estados Unidos, mais uma respeitável senhora de 60 anos faz uso da legítima defesa, mata um bandido e põe o outro a correr.

Deputado esquerdista quer derrubar a portaria 28 do COLOG

Publicado em: 26-07-2017 | Por: bidueira | Em: Desarmamento, DIREITO DE PROPRIEDADE, PLD em Foco, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL

0

PLD em Foco

Cel. Paes de Lira comenta

Publicado em 25 de jul de 2017

Enquanto gozamos nossas merecidas férias, a esquerda trabalha para derrubar nossos direitos. Lembrem-se “Dormientibus non sucurrit jus”

Miniatura de Rei, e protótipo de servo

Publicado em: 23-07-2017 | Por: bidueira | Em: Costumes, Tradições

0

Miniatura de Rei, e protótipo de servo

Mas esta situação modesta tem suas glórias. O mérito de uma existência inteira transcorrida no serviço da pátria, e num serviço que tem a peculiaridade de ser luta. Luta cheia de riscos, que comportam o sacrifício da saúde e até da vida.

Todas estas glórias se refletem no traje, modelado por uma longa tradição para ser o símbolo dos altos valores morais que uma carreira militar, ainda que modesta, contém em si.

As medalhas lembram serviços, e perigos enfrentados em prol da Inglaterra. Os galões indicam uma graduação que, se bem que inferior merece ser assinalada. O tecido excelente da farda, seus belos botões, seu corte distinto exprimem quanto a sociedade reconhece e admira esta modesta situação. O tricórnio solene e elegante acentua esta impressão. Assim apresentado, o personagem se sente digno, calmo e feliz. Seu olhar e seu porte exprimem o hábito em que está, de ser respeitado. A fisionomia tem algo de sobranceiro, que a venerabilidade da barba alva ainda marca mais. A considerar o rosto, pensa-se vagamente em Jorge V. E de fato este modesto militar é, no fundo, uma minúscula imagem do Rei.

* * *

Um chefe de Estado, déspota temido e incontrastável de todas as Rússias. Cabelo desgrenhado, bigodeira vulgar, face grosseira e brutal, gesto impetuoso e violento, traje carente de qualquer elevação ou distinção. Nada o diferencia de um servo, de um desses servos que modelaram sua alma na freqüentação dos botequins, e são botequineiros em todas as camadas mentais ou físicas seu ser.

Nada, nele, indica qualquer coisa de elevado, nada exprime a grandeza e a dignidade do poder supremo. Ou, mais simplesmente, a grandeza e a dignidade de um homem correto.

* * *

Modesto soldado, elevado a uma situação que é a miniatura de um Rei: beneficiário feliz de uma civilização que foi outrora católica, e em cuja alma está o instinto de tudo elevar e engrandecer.

Poderoso ditador, rebaixado, como apresentação e como pessoa, ao nível do último servidor: símbolo de uma ordem de coisas satânica, que por adoração à igualdade tem por instinto rebaixar e degradar tudo!

Desfile militar em Lourdes

Publicado em: 17-07-2017 | Por: bidueira | Em: Festas religiosas, Política Internacional, União Européia

0

 

Desfile do Batalhão de Guardas de Honra das Forças Armadas da Croácia, no último mês de maio, junto ao Santuário de Lourdes na França [Foto Sérgio Bidueira]

Agência Boa Imprensa – ABIM

Adolpho Lindenberg

Desfile do Batalhão de Guardas de Honra das Forças Armadas da Croácia, no último mês de maio, junto ao Santuário de Lourdes na França (Foto Sérgio Bidueira)

Esta magnífica procissão militar em Lourdes constitui surpreendente libelo contra a Europa Unida. Ao longo de um milênio, a Cristandade deu origem a um mosaico de povos diferenciados, cada um dos quais com cultura e hábitos próprios, verdadeiros símbolos de determinadas perfeições divinas.

Na Alemanha imperial havia mais de duas centenas de estados semi-independentes, refletindo cada um deles uma nota da alma alemã. Em seus escritos e conferências, Plinio Corrêa de Oliveira sempre enalteceu o regionalismo europeu como sendo uma bênção, uma luz primaveril que ilumina e confere esplendor ao universo cristão.

A cena que temos diante dos olhos exemplifica adequadamente essa cosmovisão: a Croácia — esse pequeno e esquecido país, que sobressai pela fidelidade de seu povo à Igreja Católica, sendo essa, talvez, a razão de não figurar entre as nações citadas nos programas socioculturais da ONU e da União Europeia — revela sua alma de modo esplêndido no porte austero, viril, dir-se-ia aristocrático, desses soldados. Seus dólmãs e belíssimos emblemas são cópias de outros exércitos, ou pelo menos se lhes assemelham? Absolutamente não. São tão originais, revelam tal combatividade contida — traço indispensável em cada parada —, tal grandeza, que não seria exagero afirmar que superam as vistosas fardas prussianas dos tempos do Kaiser. E não só essas, mas também as da Guarda Real inglesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

 

Você pode usar estas tags e atributos de HTML<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 

Bispos denunciam ditadura socialista na Venezuela

Publicado em: 14-07-2017 | Por: bidueira | Em: CHAVES, Comissão da Verdade, DIREITO DE PROPRIEDADE, Esquerda católica, Perseguição religiosa, Política Internacional, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL, Terrorismo

0

Bispos denunciam ditadura socialista na Venezuela

Péricles Capanema

Em meados de maio o presidente Dona1d Trump garantiu, fará “o que for necessário” em cooperação com outros países do continente para normalizar a situação na Venezuela, classificada por ele como “uma desgraça para a humanidade”. Foi uma forma de solicitar ação coordenada de países latino-americanos.

Vladimir Putin agiu em sentido contrário. Manifestou sua admiração por Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, por governar com coragem para manter a estabilidade e a paz. De outro modo, a presente atuação do governo venezuelano, diz ele, favorece a estabilidade e a paz no país e na região. Declarou ainda, condenava esforços políticos internos e externos que desconhecem a ordem constitucional no país. Ou seja, censura as ações da oposição venezuelana que procura livrar a nação das garras da ditadura bolivariana, capitaneada em parte por agentes castristas.

Mais um ponto. Como se sabe, Nicolás Maduro acusa os Estados Unidos de insuflarem os protestos no país. A atitude do presidente russo revela clara oposição aos Estados Unidos, quando censura os “esforços políticos externos”. Este, o quadro externo.

Agora, novidade importantíssima no quadro interno. O apoio do autocrata russo antecedeu por pouco enérgica tomada de posição de todos os arcebispos e bispos venezuelanos. Em 13 de julho pelo documento intitulado “Mensagem urgente aos católicos e pessoa de boa vontade na Venezuela”, os bispos do país reagiram enérgica e valentemente contra o processo de comunistização em curso no país.

Vamos ao documento. De início, a denúncia da fome: “Fazemos nossos os clamores das pessoas que se sentem golpeadas pela fome, falta de garantias para a saúde, difícil compra de remédios, a insegurança em todos os sentidos. Embora o povo ainda mantenha a esperança, hoje sofre muito mais”. Deixam claro, a ação do regime generalizou a fome

A seguir, a denúncia da violência: “Em nosso país a violência ganhou caráter estrutural. São variadas suas expressões, desde a violência irracional com sua dolorosa cota de mortos e feridos, danos a residências, perseguições. A repressão oficial gera tensão e anarquia. A prisão de muitas pessoas, sobretudo jovens, por se opor ao governo, agrava ainda mais a situação. Circulam denúncias sérias sobre torturas. Existem pessoas processadas arbitrariamente pela Justiça militar que foram levadas a penitenciárias de segurança máxima”. Acusa na sequência os grupos armados pelo chavismo para intimidar a oposição: “Muitas de nossas comunidades e instituições são flageladas por grupos paramilitares ilegais que agem debaixo do olhar complacente das autoridades”. O regime causa a violência contra o povo.

Os bispos venezuelanos denunciam então o instrumento governamental para continuar no poder, o que perenizará também a fome e a violência: “Embora a crise padecida pelos venezuelanos seja de muitos anos, nos últimos meses aprofundou-se por causa da iniciativa do governo de convocar uma Assembleia Nacional Constituinte, questionada e recusada pela maioria do povo venezuelano. Mais uma vez a Constituição foi violada e o Tribunal Supremo da Justiça (TSJ) e o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) avalizaram o que propõe o Executivo. O mencionado projeto pretende impor ao país um regime ditatorial”.

Em sentido contrário, os bispos apoiam a consulta determinada pela Assembleia Nacional, de maioria oposicionista: “No próximo 16 de julho, promovida pela Assembleia Nacional, haverá uma consulta popular, que goza de toda legitimidade”.

Concluem então os bispos com apelo de enorme gravidade, do qual destacamos: “Como pastores da Igreja na Venezuela, ecoando os clamores da imensa maioria de nosso povo, elevamos nossa voz e exigimos da Força Armada Nacional Bolivariana [do Exército, em linguagem simples] que, como determina a Constituição, cumpra seu dever de estar a serviço do povo no respeito e garantia da ordem constitucional e não simplesmente a serviço de um regime, de um partido ou de um governante. Apelamos à consciência de todos seus membros, não esqueçam que também fazem parte do povo”.

A gravíssima postura episcopal procura evitar desenlace trágico e iminente: “O que se busca é instaurar um Estado socialista, marxista e militar”. Em resumo, para os bispos, a Venezuela se encontra às vésperas da ditadura comunista. Assinam o documento todos os arcebispos e bispos venezuelanos.

Este artigo poderia se chamar: Um bom exemplo episcopal. Tocante. Infelizmente raro em nossos dias. Enorme bom exemplo, por exemplo para a CNBB, favorecedora contumaz dos programas e governos petistas, os grandes apoios do chavismo na América Latina. Segui-lo evitaria, como mostram os bispos da Venezuela, enormes sofrimentos para o povo.

Eles que venham!

Publicado em: 13-07-2017 | Por: bidueira | Em: PT, SITUAÇÃO NACIONAL, Terrorismo

0

Eles que venham 

SÃO PAULO, 12 DE JULHO DE 2017 ÀS 20:02       Diário do Comércio

POR SÉRGIO PAULO MUNIZ COSTA

É da maior gravidade o fato de um juiz admitir que se sentiu intimidado ao longo de um processo e, pior, não adotar no seu decorrer as mesmas medidas que tomou em outros, de idêntica natureza e importância.

O que isso significa para o Brasil? É a pergunta que paira no ar, depois da condenação do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva pelo Juiz Sérgio Moro.

Significa que vige no País um inaceitável estado de coisas.

É o que se lê, com toda clareza, nas linhas do despacho do Juiz: “intimidação do julgador, de outros agentes da lei, procurador da República e delegado;  declarações públicas sugerindo que se assumir o poder irá prender os Procuradores da República ou delegados da Polícia Federal; condutas inapropriadas que revelam a tentativa (sic) de intimidação da Justiça, dos agentes da lei e até da imprensa para que não cumpram o seu dever”.

Data vênia, tentativa não. Curvemo-nos aos fatos: consumação. Intimidação exitosa, reconheçamos, cabalmente demonstrada no resultado dessas “condutas inapropriadas”, que colocam o Sr. Luís Inácio Lula da Silva ao largo da Lei, não importa o quão dourada seja a pílula que tentam nos fazer engolir.

Muito mais grave do que a condenação de um ex-presidente situado no epicentro do terremoto político e moral que sacode o Brasil desde 2005, é a incapacidade de se lhe impor a sanção correspondente à apuração e julgamento dos ilícitos, a título de se evitar “trauma”.

Não recai jamais sobre o admirável Juiz Sérgio Moro o fardo dessa decisão.

Se nas linhas de seu despacho se veem as razões para essa “prudência”, nas entrelinhas leem-se os motivos de tão inusitada decisão: a solidão de um servidor público na exação do cumprimento de seu dever.

Há algo muito errado neste País, quando recai sobre um juiz de primeira instância o peso de tal responsabilidade. É por falta de decência, de coragem e de probidade das mais altas autoridades, que chegamos a este ponto.

Assistimos, durante meses, ameaças, deboches, desrespeito, desqualificação, desinformação e manipulação, de toda sorte, regadas a bom dinheiro, turbinadas pela ideologia de botequim e alimentadas por notórios canalhas de muitas peles e vestes.

O desfile de iniquidades a que o País assistiu ao longo desse processo, com as mais sórdidas demonstrações de absoluta falta de escrúpulos se consumou nas linhas e entrelinhas do despacho de Moro.

É com o que ficamos neste traumático 12 de julho de 2017: Lula condenado e não preso, por “prudência”.

O que deveria ser o tão esperado episódio do começo da salvação do País restou suspenso no insuportável vazio moral desta República.

Agora, Lula, vociferando sem qualquer prudência ou preocupação com trauma, segue incólume para cumprir tudo que ameaçou. Seria preciso que fôssemos uma nação pusilânime para aceitar tal destino.

Afinal, nós brasileiros podemos ter muitos defeitos, mas, definitivamente, isso é o que não somos: covardes.

Como já se disse: eles que venham, por aqui não passam!

►As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio