Matérias em Destaque

A impostura continua intacta A impostura continua intacta Péricles Capanema O Estadão, reportagem assinada por Fernanda Guimarães, noticiou com destaque em 6 de janeiro “Gigante chinesa XCMG abre banco no Brasil”. (A notícia...

Leia mais...

No Chile no pasa nada! Na França, também! No Chile "no pasa nada"! Na França, também! Sérgio Diniz Bidueira Causa algum espanto aos leitores quando fotos de veículos incendiados por populares enfurecidos são publicadas nas primeiras...

Leia mais...

Novo Projeto de Bolsonaro muda Estatuto do Desarmamento,... PLD em Foco Cel. Paes de Lira comenta Novo Projeto de Bolsonaro muda Estatuto do Desarmamento, mas ainda não atende à aspiração de porte PLD em Foco Cel. Paes de Lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=VVKUyjQ_43s

Leia mais...

MIGRAÇÃO REDENTORA Migração redentora  Péricles Capanema  Sempre me impressionaram as soltas de pombos-correio. Voam em círculos largos, duas ou três voltas e, súbito, como que acabada a indecisão, tomam rumo,...

Leia mais...

Novo Decreto sobre armas de fogo de Bolsonaro corrige... Pela Legitima Defesa em Foco Cronel Paes de Lira comenta https://www.youtube.com/watch?v=-LLfd9Phcpo&feature=push-sd&attr_tag=RtnbVToH29VnUdrp%3A6

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

FRANCISCO, MÉXICO E CUBA: dois pesos e duas medidas

Publicado em: 21-02-2016 | Por: bidueira | Em: Esquerda católica, Política Internacional, Terrorismo

0

Agência Boa Imprensa

 FRANCISCO, MÉXICO E CUBA: dois pesos e duas medidas

Gonzalo Guimaraens – Destaque Internacional (*)

1. O Papa Francisco, em suas viagens a Cuba (setembro/2015 e fevereiro/ 2016), e na realizada ao México (também neste mesmo mês), parece ter empregado dois pesos e duas medidas para avaliar as situações políticas, religiosas e sociais nos dois países. [à esq. em Cuba com o ditador Raul Castro; à dir. no México com o presidente Enrique Peña Nieto].

2. A respeito, é suficiente comparar, ainda que brevemente, suas atitudes nos quatro seguintes níveis: ante os respectivos líderes políticos e religiosos, os trabalhadores e os prisioneiros.

* Com os ditadores cubanos, o Pontífice manteve as maiores amabilidades e fez os maiores elogios, como foi analisado em vários editoriais de “Destaque Internacional” — que podem ser lidos no sitewww.cubdest.org. Com os líderes políticos mexicanos, no entanto, manifestou frieza e censura, direta ou indiretamente. Em seu último discurso no México, ele chegou a se referir a Nínive, “uma grande cidade que estava se autodestruindo, fruto da opressão e da degradação, da violência e da injustiça.”Por mais que esses adjetivos possam ser aplicados a aspectos importantes da vida da sociedade mexicana, esse país pelo menos possui um sistema democrático, onde se respeita a propriedade privada e a livre iniciativa, a liberdade de expressão, a liberdade religiosa, a liberdade de circulação etc. Em Cuba, pelo contrário, a autodestruição, a opressão, a violência e a injustiça que havia em Nínive, são intrínsecas a uma sociedade comunista; e não existe nenhuma das liberdades mencionadas que vigoram no México, porque se encarregou de sufocá-las um poder central omnímodo a serviço de uma ideologia intrinsecamente perversa. Leia mais

http://www.abim.inf.br/francisco-mexico-e-cuba-dois-pesos-e-duas-medidas/#.VspgXZwrJ1s

Deixe um Comentário!