Matérias em Destaque

Ficar doidão Ficar doidão Péricles Capanema  Franklin Martins não é um petista qualquer. Entre outras posições, foi alto funcionário das Organizações Globo e ministro de Lula (Comunicações). Na juventude,...

Leia mais...

Marina Silva, adolescente, defendeu-se com arma de... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Marina Silva, adolescente, defendeu-se com arma de fogo; hoje, nega-nos esse mesmo direito. https://www.youtube.com/watch?v=CYfwvrSXA_M&feature=em-uploademail

Leia mais...

Despedida do Chefe da Junta de Chefes de Estado-Maior... Texto para profunda reflexão: discurso de passagem para a reserva do General Joseph F. Dunford Jr., Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos. Postado originalmente pelo Cel Marco Balbi. Tradução:...

Leia mais...

CINZAS QUE CHORAM Paulo Roberto Campos - ABIM 2 de setembro de 2018 — mais um dia trágico de nossa História! Um incêndio muito simbólico reduziu a cinzas o Palácio de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista....

Leia mais...

Campanha presidencial do PSDB/Centrão na TV mostrar-se-á,... PLD em Foco Coronel Paes de Lira comenta Campanha presidencial do PSDB/Centrão na TV mostrar-se-á, de cara, torpemente desarmamentista https://www.youtube.com/watch?v=FZulrRvsels&feature=em-uploademail  

Leia mais...

  • Anterior
  • Proximo

O PAÍS DE VOLTA

Publicado em: 06-05-2016 | Por: bidueira | Em: CHAVES, PT, Segurança Pública, SITUAÇÃO NACIONAL

0

Diário do Comércio – São Paulo – Opinião

SÃO PAULO, 05 DE MAIO DE 2016 ÀS 10:32       POR SÉRGIO PAULO MUNIZ COSTA

O maior revés do Brasil foi ter sido governado por um partido que tão duramente atingiu as suas instituições e sociedade. Por isso, independentemente do julgamento de Dilma no Senado, o PT já foi condenado

O fim da aventura petista representa uma nova oportunidade para o Brasil. Podemos chamar de muitas coisas esse período de treze anos, porém, neste momento de tomada de contas, é mais útil e sensato tê-lo por um grande equívoco.

Afinal de contas, enganou-se quem pensava que o PT fora do poder fazia oposição democrática; enganou-se quem acreditava que o PT no poder governaria respeitando as instituições; e enganou-se o próprio PT ao pretender dominar o Brasil pela militância, pelo aparelhamento e pela corrupção.

Sobrou alguém se achando certo nesses últimos treze anos? Só mesmo o PT profundo, aquele que ainda vai fazer a sua autocrítica quanto ao fracasso de seu projeto de poder, mas jamais reconhecerá os erros que cometeu no governo do País.

Esse é o grande problema dos radicais. O extremismo de suas convicções os afasta da realidade e os deixa livres para agir por todos os meios, levando-os por um caminho no qual acabam por perder de vista os fins a que originalmente se propuseram, menos o último deles, o poder total.

O projeto de poder do PT e de seus aliados é totalitário. Visa todos os aspectos de nossa vida social, política ou não. Educação, saúde, trabalho, governo, família, sexo, religião, segurança, economia, justiça, defesa, relações exteriores, mídia, enfim, não há nenhuma atividade ou instituição em nossa sociedade fora do alcance desse poder.

Pouco importa a esse projeto os custos, os prejuízos, os desarranjos, os desequilíbrios, os conflitos, em suma, os problemas reais advindos de uma orientação ideológica que suprime a perspectiva do bem comum e do interesse nacional. Como acontece a toda visão obtusa, ela só pode conduzir ao erro, não há escapatória.

O PT criticava a dependência do Brasil em relação aos países industrializados, para os quais, segundo o partido, o País seria um mero exportador de commodities, mas em sua obsessão antiocidental nos tornou mais dependentes dessas exportações para a China, enquanto fez diminuir a competitividade e a participação na economia da indústria brasileira. O que se receava, com ou sem razão, que a ALCA  fizesse, o PT fez.

O que as Forças Armadas tanto temiam no final dos anos 90, sua transformação em meras polícias, foi se tornando realidade, pelo seu emprego inapropriado, pela negação de meios e por transformações em suas estruturas.

Não há caças de alto desempenho, a  esquadra está à mingua e a força terrestre carece de fuzis, blindados e mísseis modernos. O que alguém pode ter atribuído a alguma conspiração dos EUA acabou sendo feito pelo PT.

O PT alardeou aos quatro ventos que sua prioridade era a redução da desigualdade social no País e usou de todos os artifícios para implementar a sua reengenharia social, inventando classes econômicas, distribuindo as “migalhas” que tanto criticava e disfarçando o desemprego.

Por fim, a deterioração das contas do governo que levou ao crescimento da dívida pública, junto com a deslavada bolsa empresário promovida pelo próprio PT, não só aumentaram a desigualdade, como engendraram o maior pesadelo social da história do País.

Dilma jamais reconhecerá o desatino de sua Nova Matriz Econômica, Lula continuará afirmando que a relação promíscua entre governo, empreiteiras e partidos é a forma válida de fazer política, a diplomacia companheira defenderá o discurso terceiro-mundista que encolheu nossa economia e empobreceu nossa diplomacia, e o PT continuará a fazer oposição encarniçada a todos os governos desta república. Para eles não houve erros, só revezes perante as elites golpistas.

Revezes, na verdade, sofreu o Brasil nesses treze anos, e não foram poucos, talvez emblemático o de sua maior empresa, a Petrobrás, uma derrota que durante muitos anos ainda custará caro ao País.

Porém, o maior revés foi ter sido governado por um partido que tão duramente atingiu as suas instituições e  sociedade. Por isso, independentemente do julgamento de Dilma no Senado, o PT já foi condenado. E a decisão já transitou em julgado no tribunal da História. É página virada. O PT está de volta ao passado, com sua ideologia.

O Brasil é que  está voltando ao mundo e ao futuro.

*******

As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

Deixe um Comentário!